Posts Tagged ‘subversão’

Lista de somente 200 organizações subversivas financiadas por George Soros – Tem muito mais do Rei da Nova Ordem Mundial

13/04/2017

http://freedomoutpost.com/nazi-war-criminal-george-soros-funds-over-200-us-organizations-heres-the-list/ 

AS QUATRO ETAPAS DA SUBVERSÃO MORAL DA SOCIEDADE FEITA PELO PT

19/06/2013

http://pt.scribd.com/doc/134529768/AS-QUATRO-ETAPAS-DA-SUBVERSAO-Yuri-Bezmenov

As Etapas da subversão comunista – A subversão comunista passo a passo

12/04/2013

544048_578843135467201_1501761544_n

O que é a doença-quadrilha PT na prática

08/02/2013

523344_4228972090173_1588571967_n

Como o Gramscismo está obstinado na destruição dos princípios basilares da Nação brasileira

07/02/2013
Decálogo de Lênin, Os 10 princípios da esquerda, O tradutor de comunismo, O duplipensar do PT
Publicado em 23/05/2011 por

Implementação gradativa e imperceptível na sociedade brasileira

O GRAMSCISMO foi uma alternativa proposta por Antônio Gramsci, fundador e dirigente do Partido Comunista Italiano, no período de 1921 a 1937. Ele percebeu que o ataque frontal ao Estado, de modo violento, conduzido pela Rússia com sucesso em 1917, não funcionara em tentativas subseqüentes na Alemanha, Polônia, Hungria, Bulgária e Estônia. Por que isso acontecera?

Sob a ótica de Gramsci, a Rússia na ocasião tinha uma sociedade frágil que não ofereceu respaldo ao Estado Czarista, ao passo que nos países acima, que personalizavam sociedades de capitalismo desenvolvido, aqueles Estados foram resguardados por verdadeiras trincheiras, as forças-vivas da Nação.

E quais foram essas FORÇAS-VIVAS  e com atacá-las ?

As Forças Armadas, o Aparelho Policial, os Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário), o Ministério Público, os Partidos Políticos, a Mídia, o Sistema Econômico Capitalista, o Sistema de Ensino, a Família, a Igreja e outras.

Gramsci raciocinou que, se essas trincheiras fossem dominadas e acatassem a causa marxista, o Estado não mais contaria com a proteção daquelas e cairia pela ação revolucionária sem oferecer efetiva resistência.

A partir de 1991, vários Movimentos Comunistas locais adotaram a postura Gramscista e um deles foi o do BRASIL.

E quem abraçou essa técnica, modificando seu estilo truculento, foi o marxista Partido dos Trabalhadores (PT), que chegou ao poder em 2003.

Para provar que o PT, na atualidade, age como previsto por Gramsci e quer implantar a ideologia marxista, observe abaixo como ele está anulando as Forças-Vivas da Nação brasileira, sem que ninguém perceba:

  • Poder Executivo – ocupado por ferrenhos comunistas, antigos  guerrilheiros, assaltantes de bancos e seqüestradores;
  • Poderes Legislativo, Judiciário e Ministério Público – sob constantes ameaças de neutralização, vindas do Governo;
  • Partidos Políticos democráticos – sob o risco de real extinção, face ao crescimento hegemônico do PT decorrente das contribuições de cerca de 200.000 funcionários implantados pelo Partido, e a compra da lealdade de seus  parlamentares, como mostra o mensalão e outros tipos de aliciamento, em meio à corrupção generalizada do PT.
  • Mídia (TV, Jornais, Rádios, revistas, etc) – além de alvo prioritário do MCI, que a domina, tem a parcela democrática opositora intimidada por ações cerceadoras, como a atual deliberação da Conferência Nacional de Comunicação, de exercer a censura e o controle dos meios de comunicação;
  • Forças Armadas – tradicionalmente anticomunistas, tiveram seus Ministérios suprimidos e submeteram-se ao Ministério da Defesa, chefiado por elementos fiéis ao Governo do PT; no evento dos controladores de vôo amotinados, sentiram ameaçadas sua hierarquia e disciplina pelo próprio Governo.
  • Polícias Militares – desmoralizadas pela criação, pelo Governo, de sindicatos de Cabos e Soldados na Corporação, o que acarretou a quebra de sua hierarquia e disciplina;
  • Sistema Capitalista – empresários nacionais esmagados por alta taxa de juros e carga tributária exorbitante;
  • Sistema de Ensino – alvo de eficaz doutrinação marxista;
  • Família brasileira – em vias de desintegração, pela ação da mídia perversa e tendenciosa; população urbana perplexa e apavorada pelo banditismo facilitado pela falta de policiamento e a rural acuada pelo clima de terror gerado pelo MST, este patrocinado e financiado pelo PT e embrião do futuro Exército Popular Revolucionário; povo na miséria, sem emprego e com salários vis, como nos regimes comunistas. A destruição da família é um dos objetivos, pois assim uma sociedade torna-se desintegrada, sem princípios, sem ética, sem moralidade.
  • Igreja Cristãs – atacada em sua inflexibilidade doutrinária (homossexuais, aborto, natalidade, indissolubilidade do matrimônio), a fim de desmoralizá-lá.

 

O conceito de sociedade nacional está sendo substituído pelo de ´sociedade civil`. A comunidade como conjunto das pessoas interdependentes, com sentimentos e interesses comuns, passa a ser o espaço das classes em oposição. Embora não seja aparente, é a cena da luta de classes.”

“Além destes exemplos, há muitas outras ´superações` do senso comum, menos evidentes (mas visíveis e apontados) porque o ´antes` e o ´depois` já estão muito afastados no tempo e porque já estão integrados, intelectual e moralmente, principalmente no senso comum dos mais jovens da sociedade:

– A personalidade popular como protagonista da história nacional em substituição ao vulto histórico, apresentado como opressor, representante das classes dominantes e criação da ´história oficial`.

– A história ´revisada` (na interpretação marxista) que substitui a História Pátria ´oficial` (´invenção` do grupo dominante).

A união conjugal episódica ou temporária e de pessoas do mesmo sexo em substituição à família estável e célula básica da sociedade.

– Ecletismo religioso em substituição ao compromisso e fidelidade aos princípios religiosos de opção.

Moral laica e utilitária em substituição à moral cristã e à tradição ética ocidental.

– Discriminação racial, dita como sutil e disfarçada e como realidade que desmente a crença ´burguesa ultrapassada` de tolerância e de sociedade multirracial e miscigenada. Este conceito recente é interessante porque se tornou senso comum apesar de todas as ostensivas evidências de que é falso; resultado da ´orquestração` (afirmação repetida).

O preconceito, como qualidade que estigmatiza as pessoas conservadoras ou discordantes de certas atitudes e comportamentos permissivos ou tolerantes.

– A informalidade em substituição à convenção e à norma social que pressupõe vinculação institucional e à tradição.

– A moralidade substituindo a ética tradicional que se diz sufocar a felicidade e a liberdade individuais.

– Os direitos humanos como proteção ao criminoso comum (identificado como vítima da sociedade burguesa) e indiferente à vítima real (identificada geralmente como burguês privilegiado).

– ´Satanização` do ´bandido de colarinho branco`, identificado como burguês corrupto e fraudador do povo.

A opinião pública como critério de verdade maior que os valores morais tradicionais e a própria lógica, quando inconvenientes.

– A mudança como valor superior à conservação.

– A ecologia como projeto superior ao desenvolvimento econômico (´especulação` capitalista burguesa) e social. A organização popular (aparelho privado não-estatal, ´eticamente` superior ao organismo estatal burguês.”

Os principais meios de difusão dos conceitos do novo senso comum são os órgãos de comunicação social, a manifestação artística, em particular o teatro e a novela, a cátedra acadêmica e o magistério em geral. A eles se soma a atividade editorial, com menor alcance social.”

“É preciso acrescentar que nem toda mudança do senso comum resulta de uma atuação intencional e direta destes intelectuais orgânicos. Algumas transformações são decorrentes de uma evolução social natural. O projeto gramsciano de superação do senso comum, porém, é efetivamente um elemento desencadeador do fenômeno em cadeia, criando um clima de mudanças naturalmente estimulador que elimina a estabilidade dos valores e conceitos da sociedade, enfraquecendo suas convicções culturais e sua resistência a certos projetos políticos socializantes.”

Neutralização das ´Trincheiras` da Burguesia

“De um modo superficial, mas apoiados nas indicações de Gramsci, podemos reconhecer as ´trincheiras` do grupo dominante, da burguesia brasileira, indentificando-as no conjunto das organizações estatais, da sociedade política e das organizações privadas da sociedade civil. Indicamos apenas algumas das mais significativas:

– O Judiciário;

– O Congresso;

– O Executivo (Governo);

– Os Partidos Políticos Burgueses;

– As Forças Armadas;

– O Aparelho Policial;

– A Igreja católica;

– O Sistema Econômico Capitalista.”

“A neutralização, se possível a eliminação destas ´trincheiras`, é predominantemente uma guerra psicológica (mas não só esta) visando a atingi-las e miná-las […], por meio do:

– Enfraquecimento, pela desmoralização, desarticulação e perda de base social, política, legal e da opinião pública;

– Esvaziamento, pelo isolamento da sociedade, perda de prestígio social, perda de funções orgânicas, comprometimento ético (´denuncismo`), quebra de coesão interna, ´dissidência interna`;

– Constrangimento e inibição por meio do ´patrulhamento`, penetração ideológica, infiltração de intelectuais orgânicos.”

Resumo das idéias-força (objetivos) da penetração cultural e os temas explorados para realizá-las:

Fonte: Grupo Inconfidência e Endireitar

LIVRO REVELA A LUTA DOS MILITARES CONTRA AS TENTATIVAS DE TOMADA DO PODER PELA SUBVERSÃO COMUNISTA NO BRASIL! ORVIL é um relatório sobre a subversão comunista no Brasil!

17/01/2013

Nova tiragem deve chegar logo às livrarias.

Clique aqui para ler uma reportagem-resenha:

http://aluizioamorim.blogspot.com.br/2013/01/livro-revela-luta-dos-militares-contra.html

E AQUI, na íntegra o ORVIL em pdf para baixar:

http://www.averdadesufocada.com/images/orvil/orvil_completo.pdf

Militares comemoram a nova tiragem de dois mil exemplares do livro “Orvil – Tentativas de Tomada do Poder” (Editora Schoba, R$ 72,90).

Prefeciada pelo General reformado Geraldo Luiz Nery da Silva, a obra de 924 páginas apresenta a versão de versão de oficiais do Centro de Informações do Exército (CIE) sobre tudo que aconteceu no Brasil desde a intentona comunista de 1935 até os desdobramentos de 1964.

O mais interessante é que o Orvil (livro escrito ao contrário) dá uma aula sobre a atual estratégia da esquerda gramscista, através da “doutrinação” pelos meios de comunicação, instituições de ensino, sindicatos e movimentos populares.

150934_10200335785308228_1723824147_n

A quem estamos condenados: Quem poderá nos salvar do PT-PCC-Farcs?

10/11/2012

O herói sem nenhum caráter: Mãe puta e pai bebum dá nisso:

Ódio visceral a quem estuda, a quem sobe na vida, incapacidade de sentir remorso, compulsão a mentir, megalomania, narcisismo extremado, se sente um deus e jamais pronuncia a palavra Deus e a palavra Brasil.

Capaz dos piores crimes para destruir moralmente uma sociedade, ausência de qualquer valor ou crença moral.

Capaz de se associar aos maiores traficantes de cocaína do mundo e seus distribuidores no Brasil (O PCC), acreditar firmemente que todo o nosso passado é perverso porque fomos governados por brancos.

Ódio racial infinito ao povo português e aos europeus em geral. Por fora se apresenta como novo Messias que vem realmente criar o Paraíso na Terra depois de destruído todos os valores europeus.

Alguns poucos brasileiros conseguiram compreender isso, mas não sabem como enfrentar Lula nesta guerra assimétrica.

*******ATENÇÃO E COMPARTILHE URGENTEMENTE*******

Marcio Bartolo

CHEGOU AO CONHECIMENTO DESTA SEÇÃO ATRAVÉS DO RELINT 0008976-12/D264/CI, DA COORDENADORIA DE INTELIGÊNCIA, QUE NESTE FINAL DE SEMANA (10 E 11 NOV 2012), HAVERÁ UMA POSSÍVEL REUNIÃO ENTRE INTEGRANTES DO PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL(P.C.C.) E COMANDO VERMELHO(C.V.), TENDO COMO PARTE UM PLANEJAMENTO DE POSSÍVEIS ATAQUES A INTEGRANTES LIGADOS À SEGURANÇA PÚBLICA, BEM COMO AS UNIDADES DE POLÍCIA PACIFICADORA (UPP). SENDO ASSIM FOI DETERMINADO PELO CHEFE DESTA AIC, QUE DIANTE AO EXPOSTO DESTACA-SE À NECESSIDADE DE QUE AS UPP’S MONITOREM SUAS ÁREAS E QUE QUALQUER DADO NOVO SEJA INFORMADO DE IMEDIATO À ESTA SEÇÃO, VISANDO À ANTECIPAÇÃO E NEUTRALIZAÇÃO DE POSSÍVEIS AÇÕES CRIMINOSAS.

FAVOR ACUSAR RECEBIMENTO.

CB PM LEITE- PERMANÊNCIA AIC/CPP.

Esse verme é um agente cubano no Brasil, se trombar com ele, mate-o imediatamente:

03/11/2012

Governados por assaltantes – Dilma Rousseff e o Caso do Cofre do Governador Doutor Adhemar Pereira de Barros

21/09/2012

terça-feira, outubro 05, 2010

O ASSALTO QUE DILMA AJUDOU A PLANEJAR

do Blog do Aluísio Amorin

Leiam esta excelente reportagem que está no site do jornalista Augusto Nunes, do portal da revista Veja. É assinada pela repórter Domitila Becker, e detalha como foi o roubo do cofre de Adhemar de Barros, que Dilma Rousseff ajudou a planejar no dia 18 de julho de 1969, quando era ativa militante de uma organização terrorista. Sim, Dilma participou da luta armada contra a democracia com a finalidade de implantar uma ditadura comunista no Brasil. Ou alguém acha que isso é delírio? Com link ao final para leitura completa.

Leiam:
A noite estava chegando quando as duas camionetes estacionaram numa  ladeira do bairro de Santa Tereza, no Rio. Armados de revólveres e  granadas, 11 homens e duas jovens desembarcaram e, em movimentos  rápidos, invadiram o casarão onde morava Ana Benchimol Capriglione,  amante do ex-governador paulista Adhemar de Barros, famoso pelo bordão  “rouba, mas faz”. Na hora do crepúsculo de 18 de julho de 1969, começava  o maior assalto praticado durante a ditadura militar por grupos  partidários da luta armada.

Disfarçados de policiais à caça de documentos considerados  subversivos, os invasores se espalharam pela mansão. Enquanto alguns  subiam ao segundo andar para localizar o cofre, outros imobilizaram  moradores e empregados, furaram os pneus dos carros estacionados na  garagem e cortaram as linhas telefônicas. A operação durou exatamente 28  minutos. E enriqueceu em US$ 2,4 milhões (cerca de R$ 30 milhões em  valores atuais) a VAR-Palmares, organização comunista que tinha entre  seus mais ativos militantes a universitária mineira Dilma Rousseff. “A  gente achava que o golpe ia ser grande, mas não tinha noção do tamanho”,  disse Dilma numa entrevista publicada em 2006.
O cofre de mais de 200 quilos rolou pela escadaria de mármore, foi  colocado numa das camionetes e levado até um “aparelho” ─ termo que  identifica os endereços onde moravam ou se reuniam os partidários da  luta armada ─ em Jacarepaguá. Ali, com o uso de maçaricos, consumou-se o  arrombamento do cofre que fora previamente inundado para evitar que o  dinheiro se queimasse. As cédulas secaram depois de estendidas em varais  e expostas a ventiladores. Eram parte da fortuna do ex-governador de  São Paulo. A informação de que estavam sob a guarda da amante foi  transmitida à VAR-Palmares por Gustavo Buarque Schiller, um sobrinho de  Ana Benchimol que acabara de filiar-se à organização.
Entre os participantes da ação estavam Carlos Minc, deputado estadual  e ex-ministro do Meio Ambiente do governo Lula, e Carlos Franklin  Paixão de Araújo, segundo marido e pai da única filha de Dilma Vana  Rousseff Linhares, ou Estela, ou Wanda, ou Marina, ou Maria Lúcia, ou  Luiza. Embora tenha ajudado a planejar todos os assaltos do grupo, Dilma  não figurou entre os invasores do casarão. Providenciou o armamento,  guardou o dinheiro e ajudou a distribuir o produto do roubo.

Quem foi João Goulart governo goulart presidente deposição revolução de 1964 golpe militar comunismo banco do brasil e joão goulart

05/03/2009

Vou fazer um comentário com as palavras do senhor Carlos lacerda, tirado da revista “O Cruzeiro”:

“De herdeiro de alguns hectares de terra, transformou-se, em poucos anos, em proprietário de mais de 550 mil hectares – uma área igual a quatro vêzes e meia o território da Guanabara.”

E prosseguiu: “Associado do Sr. Wilson Fadul (que por isso foi ser Ministro da Saúde, e não porque seja um cientista), em quatro anos, com dinheiro do Banco do Brasil, e com dinheiro cuja origem não explica, o Sr. João Goulart transformou-se num dos homens mais ricos dêste País, com três bois por hectare em suas fazendas”.

“O Sr. João Goulart é um leviano que nunca estudou – e não estudou porque não quis, não é porque não pôde. E agora, no Govêrno do País, queria levar-nos ao comunismo.”

“Eu o conhecia bem. Mas, como bom democrata, submeti-me à vontade da maioria, quando entrou em vigor a fórmula do Parlamentarismo. Mas o Sr. João Goulart não queria governar. Adulava, de dia, os trabalhadores que condenava ao desemprêgo, de noite. O Sr. João Goulart jurou fidelidade ao Parlamentarismo, para logo em seguida impor o plebiscito, e todo o povo votou. Eu não votei porque achava que o plebiscito era uma palhaçada, e repito que era”.

“Quem quiser fazer reformas deve ter a honestidade de dizer que as fará sem reformar a Constituição. Há necessidades de se fazer reformas, e eu acho que se pode fazer isso sem se mexer na Constituição. Mas o Sr. João Goulart não queria isso. Montou um dispositivo sindical nos moldes fascistas, com dinheiro do Ministério do Trabalho, dinheiro roubado do impôsto sindical, roubado do salário dos trabalhadores, para pagar as manifestações de banderinhas e as farras dos homens do Ministério do Trabalho.”

“Ao mesmo tempo, começou a criar dificuldades para a Imprensa, para os jornais, para o rádio e a televisão, iniciando um processo de escravização dos homens livres que fazem a imprensa do nosso País. Depois de criar as dificuldades, o Sr. João Goulart oferecia-se para resolvê-las, enquanto dava curso ao processo de entreguismo do Brasil à Rússia. O Sr. João Goulart foi o maior entreguista que já teve êste país.”

O ex-Presidente Goulart iniciou o solapamento da autoridade militar, entregando os comandos militares a gente sem prestígio nas Fôrças Armadas. “O desprestígio” “atingiu a todos os setores do Govêrno, os Ministérios Civis e a própria Casa Civil da Presidência, onde estava Darcy Ribeiro, um instrutor de tupi-guarani, que acabou reitor da Universidade de Brasília sem jamais ter sido professor”.

“A Marinha é tão ruim que um cabo pode ser estudante de Direito. Em nenhuma Marinha do Mundo, nem nos Estados Unidos, nem na Rússia – um cabo tem tempo para estudar Direito. E o Sr. João Goulart acobertou, patrocinou, estimulou tôda essa gente, jogando marinheiro contra soldado, farda contra farda, classe contra classe, brasileiro contra brasileiro”.

“Assim, não era possível que Marinha, Aeronáutica e Exército suportassem mais tamanha impostura e tamanha carga de traição.” E concluiu: “Deus é bom. Deus teve pena do povo”.

10 de Abril de 1964

Como se faz subversão – o que é subversão – o que é a KGB – A Urss e a KGB contra o ocidente

04/01/2009

http://www.tparents.org/Library/Unification/Talks/Schuman/Schuman-Subvert.htm

 

Stages of Subversion

Notes from the lecture by Mr. Thomas, Schuman at the News Word International correspondent’s seminar Feb. 22 – 24 (1979?) [Thomas Schuman is an x-KBG officer]

Stage one: Demoralization. Preparatory period 10 to 30 years

 

 

Here subversion goes on simultaneously on various “levels” of national and human activity: level of consciousness (ideology) level of authority (socio-political power and administration), and level of material wellbeing (economy).

Level of consciousness (ideology)

 

Infiltration into mass media, educational systems, organized religion and religious groups, cultural and professional groups and organizations. The main goal: psychological change of national and individual perception of reality to such an extent that majority of a nation does not perceive any danger emanating from totalitarianism, moreover the hostile system is ultimately accepted as non-belligerent and even in certain aspects desirable, in any case — functional as an alternative to the present one.

The most efficient methods of demoralization is semantic manipulation of population, or word pollution, whereby the normal true meaning of the words and traditionally accepted meanings are being gradually replaced by Orwellian type surrogates, partly or totally opposite to the reality. Example: “Patriotic Front Guerillas” — Moscow trained and armed regular force, practicing mega-mass murders and terror against defenseless population of their own country. Example: “United Nations” a forum for ideological war between life-time bureaucratic representatives of various elites and Juntas, most of them not related to any nation at all (Belorussia, Ukraina, GDR etc. “ambassadors” to UN). Example: “World Peace Council” — Soviet sponsored propaganda front, supporting localized military conflicts, as long as they are directed against the Western (USA) interests. Example: “Free medical aid” (anything “free”) — a government-subsidized service, financed from taxation of the population, and extended to population disregarding the real needs, capabilities or merits of individuals. etc…

Level of authority

 

Subversion on this level requires infiltration into domestic institutions of a nation as well as into her foreign policymaking bodies.

Domestically, the aim of the subverter is to weaken the home defenses, such as security services, police, army, civil service, other public services (transport, post office, hydro — if nationalized, etc). The methods — discreditation of the administration of the most vital national services. Investigations of “wrong doings”; corruption affairs, sex scandals — implication of the national leaders and politicians in fraudulent or dubious affairs, smear tactics in media etc. Ridicule everything “patriotic” as psychotic. Describe every effort to reveal the activity of subverter (KGB et al) – as “paranoid”. Discredit everyone, who can testify to public, media and parliament the true nature of subversion (immigrants from Communist regimes are shown to a nation as “emotionally unbalanced”. Solzhenytsin “arrogant prophet and a profiteer” etc).

Internationally, the demoralization process concerns mainly with relations with other extensions of the subverter’s regime. To corner the nation in question into fraudulent “Disarmament Campaigns” fictional and unverifiable SALT agreements. Isolate the “capitalist” countries from each other and split their blocks, while drawing the fragments into “deals” with totalitarian camp. Force USA to betray her allies (Taiwan, Vietnam, South Korea, South Africa). Make leaders of the target nations sign all sorts of fake “joint communiqués” giving the subverter much needed appearance of decency and acceptance.

Level of economy

 

Forcing the West into unequal, beneficial only to the subverter deals (with idealized, if, preferential trade status “deal”, sea-fishing “deals”. etc). Dumping policies (sale of “Ladall cars in Canada half-price of its replica – “Fiat-12811). There are about 20 Soviet-owned companies in Canada, such as Tractorexport Ltd. in Toronto; Emec Trading Ltd. in Vancouver; Socan aircraft in Calgary, churning yearly 7 digit profits. The goal is double-barreled: to undermine similar Canadian and US businesses and to consolidate huge “liquid” assets to subsidize other forms of subversion in the target area.

Stage Two: Destabilization (2 Years To 5 Months)

 

 

Encouragement and provoking of labor unrest by infiltrating. and “ideologisation” of the unions; provoking unnecessary strikes, creating inflation, lowering productivity with simultaneous propaganda of increased demands; propaganda of “strong government” and necessity of “controls” — militarisation of the “grass roots” movements and minority groups (gays, coloreds, womenlib, prisonlib, kidlib, fartlib) and sidetracking of the public attention to the non-issues (dogs dropping on the sidewalks etc). Propaganda of gun control for the law-abiding population with simultaneous relaxation of attitude towards recidivist criminals. Thus, rendering a nation helpless and defenseless in the future event of political terrorism; breaking down of democratic institutions (parliaments to city halls) and replacing them with a number of centralized govt. appointed bodies, people can not re-elect or get rid of otherwise; breaking down of national unity (ethnic, racial, religious linguistic etc); sabotage and arrangement of accidents on transport, power stations etc. to create an atmosphere of insecurity and panic.

Stage Three: Collapce, Explosion ( 2 Weeks To A Month)

 

 

Interrelations between parts of economy break down; general strike; growth of terrorism and crime; total discontent; currency crisis (gold rush); collapse of the government and import of an alternative “exile” government; power concentrates in the hands of the militant “revolutionary” group, who will be disposed off later on. The nation is ripe for the final act of subversion: “invitation of a communist occupational army (Cuban, Soviet etc).

What to do about it? Is it possible do prevent subversion?

 

 

Yes. It takes a unified national effort. Any democratic nation should cultivate such attitudes as devotion to one’s country, patriotism, moral strength, working ethics, resurrection of all national traditional values.

Among other drastic measures: restriction of liberties of self proclaimed anti-democratic, militant, radical and amoral groups. Re-elections. Chose responsible, not “charismatic” leaders. Reform your currency and cancel (not “freeze”‘) all the assets of the subverter country. Expel all the agents of the subverter without any apology or explanation. Re-establish friendly relations with the moderate and non-aggressive dictatorships as long as they are anti-communist. Preach self-restraint and moderation to the population. Explain to the people, that the situation is serious, and that some small liberties have to be sacrificed for the sake of survival and basic freedom,

But when and if it comes to the worst and your nation is invaded or “liberated” by internal “revolutionary” forces? Well, you still have a chance:

Don’t bother to buy gold – remember, the “liberators” will decree “nationalization” of it, and you can loose your life hoarding it;

Develop quality of leadership. You may have to lead a resistance group;

Develop solidarity through your church or other associations;

In case of civil war, remember, that “love thy neighbor” will have literally vital importance. Without love you may find yourself and your family in a real “helter-skelter” bloodbath;

Learn firearms; befriend a policeman or an army officer long before the war starts — that means now;

Study survival techniques, learn how to grow food, hunt, build shelter and keep warm. Remember every “progressive Marxist economy” immediately results in a disastrous shortage of everything needed for survival;

Learn to share, create local pools with your neighbors and coordinate usage of cars gasoline, food, ammunition, medicines, and technical know-how;

Learn professions essential for emergency situation: mechanic, radio-operator, doctor, pilot, electrician etc;

Learn the languages of ‘potential aggressors (Russian, Spanish, Chinese);

Learn to cooperate, but be ready to expect no help from anyone;

Learn to be self-sufficient;

Try to stay informed whatever happens, Remember every “progressive revolutionary” regime immediately establishes a blanket censorship over all mass communication media. Have a small short-wave radio and a CB transmitter — you may need the latter for underground communications.

Study evacuation routes from your city to a nearest safe place: remember — industrial center is the most probable target both for Communist rockets and for urban terrorists, trained by Moscow or Havana.

Stage Four: “Normalization” (Indefinite Period)

 

 

Expulsion (or execution) of the previous national leaders and the top of the military and security establishment. Shocked population organize “resistance”. Too late: the resistance is announced to be an “imperialist plot” (CIA). Soviet (Cuban) aid is “requested.” Tanks and planes arrive in short order. Then comes expulsion (or execution) of foreign correspondents and diplomats as “spies”, establishment of “revolutionary” censorship over all mass media, mass arrests of political opponents, rapid creation of concentration camps for the “enemies of the people”, regimentation of all national life, shortage of all the basic commodities, mass terror,

This usually ends the circle of events and a “liberated” nation for an indefinite period becomes a satellite of a communist power. This is the least painful development. The other two alternatives are unmeasurably more tragic:

1. International (multinational) military conflict (Indochina), or

2. Civil war and mass terror against the civilian population.

Both alternatives imply that the “liberated” nation by this time is: totally defenseless internally (the Police and security destroyed) — defenseless individually (guns expropriated no civil-defense programs conducted for years, gangs of “revolutionaries” are absolutely free to do, whatever they imagine is good for the cause — defenseless internationally (army is in a state of atrophy after disarmament and SALTs) — friendless (all former allies betrayed, USA abused, UN packed with previously “liberated” countries)

Thus, no one in the whole world is going to help you and prevent the “normalization” of your nation. Least of all the remaining democratic (or autocratic, but non-aggressive) countries. Your governments and your media have been romancing with “socialism” and “détente” for so long, that establishment of the “peoples” power in your country would not seem tragic for them. Besides, what can they do? Move their troops?

Subversion is complete and successful. From now on the infected system will stabilize itself and grow, eventually replacing the normal healthy national body, than devouring the disintegrated remnants of it.

A subversão do KGB no ocidente – As profecias de um dissidente soviético

04/01/2009

http://www.youtube.com/view_play_list?p=66245842658CE1AF 

Yuri Bezmenov, ou Tomas Schuman, desertor soviético da KGB, detalha em uma aula seu esquema para o processo de subversão e dominação de sociedades-alvo da KGB em uma palestra em Los Angeles, 1983. Ele enumera várias áreas de atuação e mostra o quanto movimentos aparentemente espontâneos da sociedade são aproveitados ou até criados pelo subversor. Uma lição essencial de ciência política que não foi feita para agradar nem gregos nem troianos.

a subversão comunista nas forças armadas em 1964

17/12/2008

=

atgaaab9wh8ryuqw2y9ky5ccwl7_bfp5mt10_ad3-qiifrpfdyg9yroftltsrg24ss-lp9u_wbvaph5vdpzwwipjtakmajtu9vclnj6k6xexryacs0hiag8bkqpjyw

=

atgaaabfltayxjqfzb2a-uin1wlxdnjzpp21fzxyg9mbgvo-ipgsn4efouhwg151uo6btwaer59duqf7nj7_epwq91u4ajtu9vcnx2abmpn7ppel-hxnns7k_pfa8q

=

atgaaabiuchnp1h1goqds_f5xbby6uxo80netz_1toshvrholuaxr0lji4qmiacwkfadjf3l4tebbzerw97zb36lhq16ajtu9vbfkadsyekkppg_98a3yjspmkebrg

=

atgaaabmsyliqg7vfi12eb8a_bgrryoeafuabwbatwuc0bbyg66bnpqgw1asywen8nta9kftxvz-lfsvczbpyxiabarnajtu9vdsio3ruxi-w4kazdvuhwnhmrhtpa

=

=

A verdade sobre João Goulart e a revolução de 1964 e a subversão nas Forças Armadas

07/12/2008

=

ver: https://homemculto.wordpress.com/2008/03/25/revolucao-de-1964-revolucao-de-31-de-marco-todos-os-marcos-se-parecem/?preview=true&preview_id=457&preview_nonce=0111595316

Revolução de 31 de março de 1964,  cruzada brasileira anticomunista brasileira

Almirante Carlos Penna Botto

atgaaab5b47tmynhctsjxajej1mhk38tryi1_w4mmugkozot-pyel41cl8d4q4k7kifckurkceukujwuryxplw7sog3pajtu9vcvh-bw1brmpzwaoddp9vueusf2sq

=

atgaaacaxmhtaohmao5mzmarx6_vm-uehtxnakd9xz1oaoubccx8lglhi-jztjchfv5bt1q7yk_qzpsisg3tnl9ga_rgajtu9vd2vgkqcuh7qdmiaxhkevzk_dl9jg

=

atgaaabm4wvap1v4v6asige_ukf4ff-3wpl3lkvp1s6yutftgdugu0x-vnug2onzhp8pjxzxq-ifhlhd7qphz1vku7iiajtu9vaao27_nqekqp46wpitkegandcq_g

=

atgaaaa-yyr_8cf8hkm2t73q82h2xswiie2w5mdhotqvkaqouf_c4ydlil4cnizbzlv78hdhi4ukdzigqm7fiefa0xdajtu9vc-uobinj_qypj1sq3iro99mslrzq

=