Posts Tagged ‘Martin Luther King’

Acontece hoje em São Paulo o lançamento do filme “Blood Money – Aborto Legalizado”

05/11/2013

O documentário de Kyle trata do funcionamento legal desta indústria nos Estados Unidos, mostrando “de que forma as estruturas médicas disputam e tratam sua clientela, os métodos aplicados pelas clínicas para realização do aborto e o destino do lixo hospitalar, entre outros temas, de forma muito realista”, conta Luís Eduardo Girão, diretor da Estação Luz Filmes, que adquiriu os direitos de distribuição no Brasil.

O filme também faz denúncias como a prática da eugenia e do controle da natalidade por meio do aborto e trata aspectos científicos e psicológicos relacionados ao tema, como o momento exato em que o feto é considerado um ser humano e se há ou não sequelas para a mulher submetida a este procedimento.

1395891_617568741633784_658105318_n

“Blood Money – Aborto Legalizado” traz, ainda, depoimentos de médicos e outros profissionais da área, de pacientes, cientistas e da ativista de movimentos negros dos EUA, Alveda C. King, sobrinha do pacifista Martin Luther King, que também apresenta o documentário. Dra. Alveda é envolvida em discussões sobre o mecanismo de controle racial nos EUA – o maior número de abortos é realizado nas comunidades negras.

Após o lançamento em São Paulo, ocorrerá uma série de pré-estreias pelo país, passando por Rio de Janeiro (6/11), Goiânia (7/11), Brasília (8/11), Belém (9/11), Curitiba (11/11), Salvador (12/11), Recife (13/11) e Fortaleza (14/11).

No dia 15 de novembro a produção entra em cartaz em todo o país.

Os 50 anos da Marcha para Washington – I Have a Dream

28/08/2013
Atualização de status
De George W. Bush

Office of George W. Bush
Dallas, Texas
August 28, 2013

STATEMENT BY PRESIDENT GEORGE W. BUSH

Laura and I are proud to join our fellow Americans in commemorating the 50th Anniversary of the March on Washington and Martin Luther King, Jr.’s “I Have A Dream” speech.

When Reverend King came to Washington, D.C., in the summer of 1963, his purpose was to hold our Nation to the standards spelled out in the Declaration of Independence. He called all of us to live up to that document’s fundamental promise and the underpinning of our founding – that all of us are created equal and endowed by our Creator with certain unalienable rights. From the steps of the Lincoln Memorial, with thousands gathered around him, Dr. King looked out over the American capital and uttered simple, powerful words that changed the hearts of millions. The dream he had spread a message of hope, justice, and brotherhood that took hold in the hearts of men and women around the world.

Our country has come a long way since that bright afternoon 50 years ago; yet our journey to justice is not complete. Just to the East of the Lincoln Memorial, where President Obama will speak on Wednesday, stands the Martin Luther King, Jr. Memorial. There on the National Mall our President, whose story reflects the promise of America, will help us honor the man who inspired millions to redeem that promise.

Dr. King was on this Earth just 39 years, but the ideals that guided his life of conscience and purpose are eternal. Honoring him requires the commitment of every one of us. There’s still a need for every American to help hasten the day when Dr. King’s vision is made real in every community – when what truly matters is not the color of a person’s skin, but the content of their character.

Laura and I thank the King family and all who work to carry on the legacy of a great man and the promise of a great Nation. May we continue to march toward the day when the dignity and humanity of every person is respected. And may God continue to bless America.

Não faça o jogo dos comunistas – Desconfie sempre de quem diz combater Racismo

14/07/2013

Rosa Parks e a guerra racial como arma esquerdista

Rosa Parks não foi uma simples costureira cujo acto desafiador solitário levado a cabo em 1955 deu início ao movimento dos Direitos Civis, Ela foi, na verdade, uma activista ao serviço do Partido Comunista dos Estados Unidos da América [singla em inglês: C.P.U.S.A. = Communist Party of the United States of America]. A sua recusa em se sentar na parte de trás do autocarro não foi um acto espontâneo, mas uma provocação organizada pelo seu empregador, a  “National Association for the Advancement of Colored People” (NAACP).

Durante a semana passada Rosa Parks foi colocada num estado sob a Capitol Rotunda; uma honra só conferida 29 vezes durante a história americana a pessoas tais como  Abraham Lincoln, John Kennedy, e mais recentemente Ronald Reagan. Este tratamento ilustra o modo como o público americano é rotineiramente mentido e traído pelos seus líderes políticos e pelos média. O obituário presente no New York Times diz que a sua prisão “transformou uma mulher comum num símbolo relutante e numa portadora da torcha”. O Presidente Clinton disse que a sua acção “deu início ao movimento social mais significativo da história Americana.”

Embora eu esteja de acordo com os propósitos ostensivos do movimento dos Direitos Civis, uma vez que este movimento teve apoio Comunista, tenho que perguntar:  “Qual era a sua agenda oculta?” Falarei disto mais tarde.

Para entender o porquê da elite Americana honrar uma Comunista, temos que fazer uma alteração no paradigma.

Um grupo exclusivo de banqueiros sediados em Londres, que controla a maior parte do crédito e da riqueza mundial, quer consolidar este poder nas instituições mundiais permanentes de controle político, social e espiritual. Este grupo criou e financiou o Comunismo como instrumento usado para avançar com este propósito; isto envolve dissolver todas as “forças colectivas” que se possam opôr a ele, incluindo o estado-nação, a raça, a religião e a família.

Este “Comunismo”, longe de ser uma relíquia da era da Guerra Fria, continua (nas suas diversas formas) a fazer parte das nossas vidas, corroendo as instituições nomeadas em cima. A “Guerra Fria” continua como a “Guerra ao Terror” – que nada mais é que uma fraude criada como forma de controlar as massas e concentrar ainda mais a riqueza e o poder nas mãos dos super ricos.

O PADRÃO DA DECEPÇÃO

A caracterização da Rosa Parks como uma cidadã comum levantou as minhas suspeitas. Betty Friedan, a “fundadora” do feminismo e uma activista comunista de longa data, foi também caracterizada como uma mãe doméstica comum. Graças a um fórum da internet repleto de informação, Daily Kos.com, descobri rapidamente que Rosa Parks começou a trabalhar como secretária da NAACP em 1943 e ainda mantinha essa posição quando foi presa. Em Julho de 1955, cinco meses antes do famoso incidente em Dezembro, ela frequentou a “Highlander Folk School”, em Monteagle Tennessee. Myles Horton e James Dombroski, ambos membros do Partido Comunista, fundaram esta escola em 1932 como forma de treinarem activistas Comunistas. Betty Friedan também frequentou este estabelecimento.

Desde os anos 40 do século passado que Rosa Parks e muitos outros haviam em numerosas ocasiões desafiado as leis em torno da segregação nos autocarros. O boicote ao autocarro de Montgomery foi planeado antecipadamente e Martin Luther King foi trazido para o liderar. Rosa Parks foi escolhida para dar início ao incidente (See Aldon Morris, “The Origins of the Civil Rights Movement”).

Um membro do Daily Kos.com que trabalha para o jornal do CPUSA disse que um membro-executivo do CPUSA lhe havia dito que Rosa Parks fazia parte do partido. (Isto não é algo que os Comunistas gostem de publicitar)

O testemunho de inúmeros desertores não deixa dúvidas em relação ao facto do Partido Comunista dos EUA estar a ser dirigido a partir de Moscovo. Apesar do que idealistas ingénuos (“idiotas úteis”) tais como Rosa Parks e Betty Friedan pensam, o propósito era subjugar o povo Americano. O Movimento de Emancipação das Mulheres foi construído à imagem do Movimento dos Direitos Civis, sendo ambos operações psico-sociais prontas criadas pelos Comunistas. Para serem eficazes, estes movimentos têm que criar a aparência de serem atitudes que emanam de sentimentos populares, e não uma agenda elitista imposta a partir do topo. Embora estes movimentos tenham ractificado genuínas injustiças, o seu propósito oculto era o de dessestabilizar a sociedade Americana, exacerbando divisões internas.

A NAACP & MARTIN LUTHER KING: O LADO OCULTO

No seu livro, “My Awakening” David Duke pinta uma imagem da NAACP que sugere que esta organização nada mais seja que uma fachada construida por banqueiros e Comunistas (pp.282-284). Embora a organização tenha sido fundada em 1909, ela só teve um presidente negro em 1970. Até essa altura, os seus presidentes e os membros do conselho eram frequentemente escolhidos de entre os Judeus Comunistas.

[NOTA: O editor do blogue Marxismo Cultural não subscreve qualquer tipo de visão racista mantida por David Duke. A frase de cima foi deixada tal como está porque ela se encontrava no texto original e era importante para o contexto.]

Martin Luther King pode ter sido o típico homem-fachada; em privado, ele declarava-se como Comunista. Havendo frequentado a Highlander School, os seus secretários pessoais eram Bayard Rustin e Jack O’Dell – ambos Comunistas. Stanley Levinson . . . que escreveu os seus discursos e geria a angariação de fundos, era também um Comunista. Aparentemente, a integridade de King foi também colocada em questão quando foi alegado que largas secções da sua Tese de Doutoramento era uma cópia outro documento. Ele teve também encontros com protitutas, algo que foi gravado pelos FBI e confirmado pelo seu sucessor. Ralph Abernathy. (And the Walls Came Tumbling Down, 1989)

GUERRA RACIAL COMO ARMA DA ELITE

Eu considero o preconceito, a discriminação e a segregação como coisas repugnantes. A humanidade é uma família de raças, cada uma com talentos próprios e todas elas trazendo algo de único. Ao mesmo tempo, sou de opinião de que se deve encontrar algum tipo de  equilíbrio uma vez que os grupos raciais e nacionais têm o direito de proteger o seu carácter racial. Acho estranho que países como Israel, China e o Japão possam fazer isso sem qualquer tipo de crítica mas os países da Europa e da América do Norte não possam. Negros, Judeus e Hispânicos podem fazer isto, mas os Brancos já não podem. Eu acho também que discriminação em favor duma “minoria” é tão má como discriminação contra ela.

Sou Canadiano e não sou perito no movimento dos Direitos Civis, mas se o CPUSA esteve envolvido, então havia uma agenda oculta. Esta agenda parece estar bem deliniada num documento com o nome de “Um Programa Racial Para o Século 20″ [A Racial Program for the 20th Century” (1912)], escrito por um Fabiano Britânico com o nome de  “Israel Cohen”, citado pelo Congressista Thomas Abernathy durante o debate em torno dos Direitos Civis (e que entrou nos registos Congressionais – 1957), página 8559. Se este documento for autêntico, ele é bastante revelador

Temos que nos aperceber que a arma mais poderosa do nosso partido [Comunista] é a tensão racial. Ao propagar no consciente das raças escuras que durante séculos elas foram oprimidas pelos brancos, nós podemos movê-los na direcção do programa do Partido Comunista. Na América teremos como propósito a vitória subtil.

Ao mesmo tempo que inflamamos os Negros contra os brancos, colocaremos nos brancos o complexo de culpa pela sua exploração dos Negros. Ajudaremos os Negros ascender para lugares de proeminência em todas as esferas da vida – nas profissões e no mundo do desporto e do entretenimento. Com este prestígio, o Negro será capaz de se casar os Brancos e isto dará início ao processo que entregará a América à nossa causa.

Lembrem-se disto: os banqueiros centrais encontram-se envolvidos numa enorme fraude de imprimir dinheiro pelo preço de papel, emprestá-lo e depois exigir pagamento com juros. A única forma que eles têm de perpetuar esta fraude é distraindo-nos até que sejam capazes de colocar cadeados em nós. Isto envolve criar inimigos. Para confirmar isto, basta olhar para a França e para a sua minoria de 5 milhões de Muçulmanos. Actualmente [ed: isto é, na altura em que este artigo foi feito] a juventude muçulmana está a provocar tumultos. O Ministro de Interior Nicolas Sarkozy afirmou na Quinta Feira que os tumultos “não eram espontâneos” mas “muito bem organizados.” (…) Os banqueiros centrais usam as minorias raciais como arma.

(….)

CONCLUSÃO:

A santificação de Comunista Rosa Parks prova mais uma vez que a elite política e culural americana se encontra irremediavelmente corrompida. Mudanças sociais não ocorrem nos EUA a menos que os banqueiros centrais e os seus parceiros mediáticos estejam por trás. O seu plano a longo prazo (tendo em vista a sua ditadura) é pintada como uma revolta popular que emana espontaneamente da sociedade civil.

De um modo cada vez mais óbvio, os órgãos de comunicação de maior dimensão, os governos os centros de ensino revelam as suas verdadeiras cores e se auto-desacreditam aos olhos do público.

.


Hoje a Marcha Contra o Aborto e pela Vida em Washington-DC – Papa pede apoio de todos ao Pro Life

25/01/2013
LifeNews.com
Very cool! Please like and share!
=
=

Hundreds of Thousands Gather for Record-Breaking March for Life

by Steven Ertelt | Washington, DC | LifeNews.com | 1/25/13 1:07 PM

More than 500,000 people are attending today’s March for Life in a massive attendance that could be well higher than that estimate and set records for the annual pro-life event challenging the mantra of unlimited abortion.Typically held on the anniversary of the Roe v. Wade decision that allowed virtually unlimited abortions at any point in pregnancy for any reason, the march for Life typically sees anywhere from 250,000 to 500,000 people lining the streets towards the Supreme Court building.

 

The huge crowd is expected to exceed last year’s 400,000 participants as they mark the 40th anniversary of the Roe v. Wade decision that, along with an accompanying ruling in Doe v. Bolton, allowed abortion on demand in all 50 states.

The official theme of this year’s march is “40 = 55M,” an equation meant to remember the enormous toll on human life that has resulted in nearly 56 million people losing their lives.

Sarah Torre of the DeVos Center for Religion and Civil Society at The Heritage Foundation, talked about the meaning of this year’s March for Life.

“Like many annual March for Life events before it, there will likely also be smaller groups of counter-protests by abortion advocates holding signs and chanting slogans championing the ethic of Roe that pledges unwavering allegiance to a right of abortion-on-demand, for any reason. But those now-tired slogans are no longer able to convince a new generation that denying life to some will lead to a more just society and freedom for others,” she said.

She continued, “It is a simple witness by a tireless pro-life movement over the past 40 years that has reoriented the hearts and minds of an entire generation toward the dignity and worth of every individual—born or yet to be. Despite obstacles, the pro-life movement has achieved notable victories in public opinion, law, and culture.”

Torre said, “Today, roughly half of Americans now identify themselves as “pro-life,” including many of the millennial generation who will make up the crowds at today’s march.”

“As the March for Life draws to a close and Americans look to yet another year under the waning, yet still deadly ethic of Roe, there remains hope that government will one day soon return to a deeper respect of the principles that founded and sustain America by ensuring the basic rights of liberty and life to everyone—including those yet to be born,” she said.

 

As hundreds of thousands of right-to-life activists march up Capitol Hill today to the U.S. Supreme Court to commemorate the 40th anniversary of Roe v. Wade, many carry the iconic “STOP ABORTION NOW!” signs distributed by National Right to Life.

“The right-to-life movement remains more committed than ever to protecting unborn children and providing compassionate, life-affirming alternatives to their mothers,” observed National Right to Life President Carol Tobias. “What profoundly scares abortion supporters gives us enormous confidence in the future: young people are more and more pro-life.”

“Our movement is re-energized and renewed every year when we see the March for Life and the rallies and marches held by our state affiliates featuring younger and younger participants,” Tobias added.

Para Baixar Download LIVRO NEGRO DO COMUNISMO, Crimes do Comunismo

26/09/2009
Bons pesadelos!

http://www.4shared.com/get/60191141/fbccc2e6/O_LIVRO_NEGRO_DO_COMUNISMO_-_Crimes_Terror_E_Represso.html