Posts Tagged ‘josé serra’

A infame Carta Capetal é daquelas que quando falta argumento berra: Racista, …..

12/12/2013

Início Outros Site Escola Sem Partido tem texto censurado por decisão judicial surrealmente contraditória e vaga

CENSURA BRUTAL E AINDA QUERER QUE NÃO SE DIVULGUE O CRIME CONTRA OS DIREITOS HUMANOS, QUEREM MULTAR QUEM DIVULGA TANTO O CRIME DE DOUTRINAÇÃO QUANTO O CRIME BÁRBARO DE CENSURA.

Site Escola Sem Partido tem texto censurado por decisão judicial surrealmente contraditória e vaga

By on 12 de dezembro de 2013 • ( 0 )

censura_3.jpg.554x318_q85_crop

Não se pode esperar coerência judicial quanto a esquerda leva suas brigas para o campo da guerra jurídica. Ações absurdas e sem o menor sentido tendem a aparecer. O objetivo é o mesmo de sempre: censurar opiniões discordantes e fugir do debate. É uma regra da propaganda: quem controla o fluxo de informações vence o jogo.

As solicitações da esquerda sempre são ilógicas, como no caso da ação judicial lançada contra o site Escola Sem Partido, que usa o recurso da vagueza intencional, o qual será identificado aqui.

A ação começou por que a professora Cléo Tibiriçá não gostou que o site Escola sem Partido tenha denunciado sua doutrinação esquerdista em sala de aula. Ao invés de contra-argumentar, Cléo lançou uma ação judicial absurda. Acredite se quiser, a juíza Daniela Nudeliman conferiu a tutela antecipada, beneficiando a professora, configurando um caso absurdo de censura à divulgação de informações públicas e implementação de crime de opinião.

Vejamos o que diz a decisão de Daniela:

Recebo a petição inicial presentes os requisitos legais. No mais, defino parcialmente a tutela antecipada pleiteada.

Ok, vamos avaliar os motivos…

Isso porque, embora o requerido tenha direito a manifestar sua opinião sobre as aulas ministradas pela autora, existem indícios nos autos de que ele está extrapolando este direito, ao veicular críticas ofensivas à requerente, lesando, assim, a sua honra.

Se existe o direito à manifestação de opinião, qual seria o evento a causar a extrapolação deste direito? Quais críticas são ofensivas? Quais são as ofensas? Quais destas críticas “lesam a honra” da requerente? Isso abre um precedente para que nenhuma crítica desse tipo possa ser feita na mídia? Por exemplo, quando uma ombudsman da Folha diz que existe uma “direita hidrófoba” ou o Brasil247 ofende verbalmente Rodrigo Constantino, Reinaldo Azevedo e Olavo de Carvalho, estas ofensas são mais ou menos lícitas de acordo com a juíza? Por que ela não descreveu critérios a partir dos quais podemos, de forma universal, definir quais conteúdos podem ou não ser divulgados? Se em sala de aula as críticas da professora à direita tiverem o mesmo tom, as aulas podem ser proibidas também? Em suma, QUAL É O CRITÉRIO?!?!

Detalhe: não sou a favor de censura, seja por opinião, seja pela divulgação de fatos. Mas é importante entender o critério, e, de forma inacreditavelmente vaga, a decisão de Daniela não explica absolutamente nada disso.

Com isso, ressalto que o direito à livre manifestação é limitado pelo direito à imagem e à honra daqueles sobre quem se manifesta. Assim, não pode o reú sob o fundamento de dar sua opinião contrária sobre o conteúdo das aulas ministradas pela autora, ofende-la em sua dignidade.

Mas por que a juíza não explica o que é ofensa à dignidade? Por que ela não traz casos que possam funcionar como um checklist? Do jeito que está escrito pela juíza, pode-se usar o precedente para que José Serra possa bloquear o site Conversa Afiada por chamá-lo de Cerra? Contra o mesmo site de PHA, a Marina Silva pode bloquear o mesmo site por chamá-la de Bláblárina? Estranhamente, a decisão da juíza não dá nenhuma informação a respeito desssa regras de conduta, que, se não atendidas, configurariam “ofensa a dignidade a ponto de merecer censura judicial”. Em processos corporativos, costumamos dar exemplos de “como fazer” e “como não fazer”, para evitar a vagueza. Mas ela simplesmente escreve sobre “ofensa à dignidade” e não nos dá um roadmap de como podemos automaticamente ser protegidos de “ofensa à dignidade” nos mesmos casos. A regra que vale para proteger a professora da FATEC vale para os outros? Mas cadê a regra?

Desta forma, defiro parcialmente a tutela antecipada, a fim de que o réu retire no prazo de 24 horas do seu site/blog o artigo “Doutrinação Ideológica na FATEC – 1º parte”, bem como se abstenha de publicar qualquer artigo que mencione a autora ou o curso por ela ministrado, sob pena de multa diária de R$ 1.000,00, a ser revertida em indenização em favor da autora.

Essa parte esta bem clara, mas nos abre outras questões. Pelo que se entende, Miguel Nagib não pode nem lançar um novo artigo citando o caso? Independemente do seu conteúdo? Se ele substituir o artigo original por um outro, isso também não é possível? Ou seja, por lei temos um cidadão que não pode falar absolutamente nada a respeito da professora em questão. Mas a professora pode falar algo sobre o caso? A Revista Forum publicou uma matéria sobre o assunto, e à favor da professora. Veja: Professora da FATEC é perseguida por grupo que prega a neutralidade em sala de aula. Também fiz uma busca no site da Carta Capital, e encontrei quatro artigos defendendo a professora e atacando o site Escola Sem Partido. Depreende-se de que estes artigos não estão proibidos, certo? Se não estão proibidos, podemos entender que elogiar a professora é permitido, mas criticá-la não é? Nesses artigos, Miguel Nagib é chamado de “perseguidor”, “macartista” e a denúncia dele é chamada de “ridícula”. Segundo os critérios da juíza, essas críticas não “ofendem à honra” e não atentam contra o “direito de imagem” de Nagib?

Em um dos artigos da Carta Capital, um comentarista diz: “Parabéns ao juiz. Esse blog é racista, hipócrita, ideológico, mentiroso e deve ser fechado!” Pelas regras da juíza, isso vale? Se qualquer artigo tiver frases assim, a juíza emitiria uma tutela antecipada vetando os conteúdos da Revista Fórum e da Carta Capital (publicações assumidamente de esquerda)?

Da mesma forma, sendo responsável por repassar o conteúdo de seu artigo a terceiros, deverá o réu cuidar para que os mesmos, citados pela autora, se abstenham de divulgar qualquer notícia ou informação sobre a requerente e seu curso, sob pena de arcar com a multa supramencionada.

Mas a própria publicação da decisão judicial é um noticiamento a respeito da requerente (no caso, de uma decisão judicial a favor dela). Se a divulgação de “qualquer notícia é proibida”, então como a juíza noticiou sua decisão? Deixe-me clarear um pouco: será que está proibida a divulgação de “qualquer notícia” só se for no site do Nagib? Mas devemos entender que a própria divulgação de que existiu uma decisão judicial a favor da professora é proibida? A sentença simplesmente não deixa isso claro.

Caso o réu não consiga cessar a divulgação feita por terceiros, deverá comprovar que tentou cumprir a decisão, sem êxito, sob pena do pagamento de referida multa.

Quais são as provas que ele deverá trazer neste caso? Quais os mecanismos de controle ele terá? Assim fica difícil… Em tempo: Emissão de opiniões a respeito da ação judicial são permitidas?

Outrossim, quanto à varredura de qualquer material alusivo à autora, entendo que tal obrigação é impossível de ser cumprida pelo réu, da forma como pleiteada pela requerente, razão pela qual fica indeferido o pedido neste tocante.

Ufa, isso deve ter sido um alívio para o Nagib. Sem comentários.

Uma pergunta: se eu disser que a sentença da juíza é vaga em vários pontos estou ofendendo a honra da juíza?

Nota-se que nesta republiqueta de bananas parece que agora temos que nos precaver. Entretanto, em qualquer país de primeiro mundo, solicitações como a da professora seriam claramente definidas como litigância de má fé.

José Serra é e sempre foi comunista – PSDB – A falsa oposição – Saco de pancadas de Lula

21/05/2013

000000000000 serra

Lançamento do Livro do Lobão denunciando golpe comunista do PT foi dia 6 de maio de 2013 e não contou com a presença de nenhum político tucano.

05/05/2013

merdaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.

Covardes, omissos, falsa oposição.

COMPRE O LIVRO DO LOBÃO:

http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/4891350/lobao-manifesto-do-nada-na-terra-do-nunca

00000

FALOU O QUE TODO POLÍTICO SABE E TEM MEDO DE DIZER:
LEIA AQUI SOBRE O GOLPE COMUNISTA QUE O PT PREPARA PARA ESSE ANO: O GRANDE SALTO:
http://desmascarandoaesquerda.blogspot.com.br/2013/04/pt-anuncia-golpe-de-estado-no-brasil-propaganda-2013.html

Compositor lança “Manifesto do Nada na Terra do Nunca” com duras críticas a figuras dos meios artístico e político do país; capítulo dedicado à presidente é intitulado de:

“Vamos Assassinar a Presidenta da República?”

Faltou chamar de cúmplice do assassinato do soldado Mário Kozel Filho e ladra do Cofre do Doutor Adhemar Pereira de Barros.

lobão dilma torturadora

Em livro, Lobão chama Dilma de torturadora (Foto: Divulgação)

O músico e compositor Lobão ataca novamente de escritor. Depois de vender 150 mil exemplares de sua autobiografia (“Lobão – 50 Anos a Mil”, editora Nova Fronteira), agora ele lança “Manifesto do Nada na Terra do Nunca”.

11990_431581803604090_1158724994_n

Com tiragem inicial de 40 mil exemplares, o livro traz duras críticas a figuras dos meios artístico e político do país.

561168_137369656449957_162004199_n

A presidente Dilma Rousseff é chamada de “torturadora” – em capítulo cujo título é “Vamos Assassinar a Presidenta da República?”-, Roberto Carlos, de “múmia deprimida” e os Racionais MCs, de “braço armado do PT”.

000000000

Além disso, ele explica sua briga com os organizadores do festival Lollapalooza, no ano passado, quando desistiu de se apresentar por ter se considerado subestimado.

946249_158055531031150_1438659832_n

De acordo com o jornal comunista Falha de S.Paulo, Lobão acredita que sua apresentação na Virada Cultural, em maio, será um termômetro da reação do público.

FICHA CRIMINAL DO TEMPO DO ROUBO DO COFRE DO DOUTOR ADHEMAR PEREIRA DE BARROS.

e Ficha de bandido no DOPS,

0 00 0

“Quando escrevia o livro, tive medo de ser ‘simonalizado’ [referência a Wilson Simonal], tachado de reacionário. Vamos ver se terei espaço para trabalhar.”

217556_431580233604247_735866253_n

Claro que vai ser xingado de tudo quanto é nome feio pelos petralhas imundos.

Serra critica Bolívia e Evo , motivos para votar em candidato 2010 José Serra o que fez e o que vai fazer razões para votar em josé serra sabe que GOVERNAR É ABRIR ESTRADAS vicinais paulistas estradas levam alimentos até sua casa e é o gasto mais social que existe melhor caminho

22/05/2010

maravilha de rodoanel http://aluizioamorim.blogspot.com/2010/05/rodoanel-veja-aqui-aquilo-que-grande.html

Novo metrô nova linha:

Melhor Caminho

Melhor Caminho preserva estradas rurais e facilita o escoamento da produção agrícola

O Programa Melhor Caminho é uma iniciativa da Secretaria de Agricultura e Abastecimento que visa melhorar a condição de escoamento da produção agrícola do Estado.

O objetivo é aperfeiçoar o sistema de transporte incluindo construção, recuperação e manutenção das estradas de terra.

Daniel Guimarães Melhor Caminho
Aperfeiçoamento do sistema de transporte diminui as perdas da safra.
====

Desde 2007, em parceria com as prefeituras de 566 municípios, o Melhor Caminho já recuperou 3,4 mil quilômetros de estradas, com um investimento de, aproximadamente, R$ 237,6 milhões. Para 2010, estão previstos investimentos de R$ 80 milhões, recuperando mais mil quilômetros.

Nos primeiros dez anos do programa, criado em 1997, foram concluídas as obras de recuperação de 5 mil quilômetros.

Os benefícios desta iniciativa vão além dos sentidos pelo agricultor. A questão da sustentabilidade ambiental das estradas recuperadas está entre as preocupações do Melhor Caminho.

O projeto, feito pelos engenheiros da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (Codasp), garante melhores condições de escoamento, armazenamento e infiltração das águas pluviais, controlando e prevenindo a erosão e o assoreamento dos mananciais e aumentando a recarga do lençol freático.

Serra critica Chaves Chávez por se meter interferir em outros países, leitor da venezuela apóia as críticas

10/05/2010

Candidato brasileño José Serra criticó a Chávez “por interferir en otros países”

Foto archivo.

El candidato socialdemócrata a suceder al presidente brasileño, Luiz Inacio Lula da Silva, en las presidenciales de octubre en Brasil, José Serra, criticó al Mercosur y al presidente de Venezuela, Hugo Chávez, en su primera gran entrevista preelectoral, este lunes en la radio CBN.

“El Mercosur tiene que ser reformado”, expresó Serra, al considerar que “no existe libre comercio” entre sus miembros, y que “las reuniones de presidentes del Mercosur pasaron a ser más un espectáculo”, donde “no hay avance concreto”.

Serra propuso fortalecer la función original de área de libre comercio del Mercosur (Argentina, Brasil, Paraguay, Uruguay y Venezuela en proceso de adhesión) y sugirió dejar de lado el resto de las ambiciones, como la negociación en bloque con terceros países.

“Creo importante salvar al Mercosur, y ahí hay que dar un paso atrás para poder dar dos adelante. O sea, fortalecer el libre comercio”, dijo.

Consultado sobre las relaciones con Venezuela y con el presidente Hugo Chávez, Serra dijo defender “una relación amistosa con Venezuela”.

Pero fue tajante al afirmar que en esa relación no cabe “meterse en asuntos de otros países como Venezuela acostumbra hacer. Chávez lo hace, interfiere en otros países y eso Brasil no lo puede apoyar de ninguna manera”.

También dijo que cuando el asunto sean los derechos humanos, si se entiende que hay una violación de derechos fundamentales, “Brasil tiene que asumir una posición”.

En una reciente visita a Brasil, Chávez declaró su preferencia por la candidata de Lula, la ex ministra jefa de gobierno Dilma Rousseff. “Chávez tiene sus preferencias electorales, yo también las tendría, no le habría votado”, respondió Serra.

Serra, de 68 años, lidera las intenciones de voto en Brasil, con 36% según una reciente encuesta de Ibope, contra 29% de la candidata de Lula a sucederlo. Las elecciones tendrán una segunda vuelta si ninguno de los candidatos alcanza 50% de los sufragios en la primera.

Vía Agence France-Presse

LANÇAMENTO DA CANDIDATURA JOSÉ SERRA EM BRASÍLIA À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ELEIÇÕES 2010 notícia no El País

10/04/2010

El exgobernador del Estado de São Paulo, José Serra, es oficialmente desde ayer el precandidato del Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB) a disputar las elecciones presidenciales que se celebrarán el próximo tres de octubre.

En un acto de carga festiva celebrado en Brasilia, ante la presencia de 3.500 personas y con profusión de personalidades de los partidos de la oposición, Serra proclamó: “Quiero ser el presidente de la Unión. Vamos juntos, brasileños y brasileñas, porque Brasil puede más”.

Ésta última frase resume a la perfección el talante del político que se enfrentará a la candidata del Partido de los Trabajadores (PT) y del propio presidente Lula da Silva, Dilma Rousseff.

 Serra no buscará de momento la colisión frontal con Lula ni con su candidata, porque sabe de sobra que el apoyo popular a la gestión del Ejecutivo que ha gobernado durante los últimos ocho años está blindado a prueba de obuses. 

El precandidato del PSDB dejó traslucir ayer una estrategia electoral centrada en la idea de que Brasil ha mejorado mucho en los últimos años, no sólo por mérito de Lula, sino también por el trabajo realizado durante los Gobiernos anteriores a enero de 2003, y que ahora ha llegado el momento de que el país dé un nuevo salto cualitativo.

Serra destacó que hay que redoblar los esfuerzos en políticas de sanidad, educación, seguridad pública, agricultura y medio ambiente. De esta manera, se desmarcaba sutilmente del discurso del actual Gobierno, que airea a los cuatro vientos sus logros en materia de disminución de la desigualdad social con la introducción de una vasta red de programas sociales. 

Entre las tibias críticas que Serra hizo ayer a la gestión de Lula destacó la referente a la política exterior brasileña: “Para mí, los derechos humanos nos son negociables. No cultivemos ilusiones: las democracias no condenan o encarcelan a las personas por pensar diferentes de quien está en el Gobierno. Las democracias no tienen a trabajadores muriendo en huelgas de hambre porque no están de acuerdo con el régimen”.

Serra se refería al apoyo explícito dado por el Gobierno de Lula a los regímenes cubano, venezolano e iraní, con los que mantiene unas excelentes relaciones. 

El que fuera ministro de Salud durante el último Gobierno de Fernando Henrique Cardoso defendió ayer los valores éticos y morales de la política – no en vano, ya que el primer mandato de Lula estuvo salpicado por escándalos de corrupción que llegaron a la cúspide de su Gobierno y del PT -. En el más reciente sondeo de intención de voto difundido por Datafolha, Serra aventaja a Rousseff en nueve puntos.

Será prácticamente imposible que pueda mantener esta holgada distancia hasta el final de la campaña, ya que Lula invertirá a partir e ahora todo su carisma y los éxitos de su Gobierno en revertir la situación y aupar a Rousseff a la Presidencia.