Posts Tagged ‘doutrina’

A Era de Aquárius já chegou

07/11/2013

Feminista ateia serrando uma cruz em ato de apoio à integrantes da banda Pussy Riots; condenadas na Russia após profanarem um templo católico.

Atualmente a liberdade de expressão, de opinião, de religião é ensinada como sendo o mais autêntico de todos os direitos do ser humano. Mas exceto para a Igreja Católica.

Professar a fé na sã Doutrina da salvação tornou-se “discriminação preconceituosa e extremista”, e pedir para ter sua fé tradicional respeitada tornou-se motivo de chacota…

Toda a sociedade ocidental renega suas raízes na moral cristã e, por conta disso, está a desmoronar.

O mundo passará, mas a Sagrada Cruz de Nosso Senhor continuará de pé e atraindo a humanidade.

1454911_613606052030065_1210520055_n

As 5 mentalidades políticas

09/03/2013

Renan Felipe – Direitas Já.

Quando falamos de ideologias, mesmo que não especifiquemos qual, tendemos a usar alguns atributos para descrevê-las. “Revolucionário”, “conservador”, “reacionário”, “radical”, “moderado”, etc.

Estas características inerentes de certas ideologias políticas antecedem-nas, e portanto podem ser usadas para traçar relações entre elas e entender como as ideologias se agrupam.  Primeiramente eu gostaria de esclarecer que não reconheço que o espectro político seja estanque, como uma linha reta: creio que há uma mobilidade grande dentro de um conjunto de matizes, mas que ainda assim tem suas limitações. Considero, por exemplo, que ideologias radicais e totalitárias não estão em extremos opostos mas sim compartilham características que permitem que agrupemos as mesmas num mesmo grupo, ou em grupos próximos.

Entender as diferentes mentalidades políticas é um passo para entender a base comum que compartilham certas ideologias. As cinco mentalidades que cito aqui são as mais básicas e mais facilmente identificáveis: reacionária, restauradora, conservadora, reformista, revolucionária. Eu poderia citar outras, mas como as outras duas que identifico (niilista e despótica) fogem dos esquemas ideológicos da política, optei por excluí-las deste artigo.​

I. O reacionário ou passadista.
O que define um reacionário é a sua defesa de uma volta ao passado. Contudo, não é de um passado histórico registrado, documentado e compreensível que ele fala. O passado para um reacionário é uma coisa idealizada, uma golden age. O reacionário prega uma ruptura radical com o mundo moderno para implantar um novo modelo de sociedade baseado numa idealização do que foi uma civilização passada.
Por exemplo, os nacional-socialistas queriam estabelecer uma civilização germânica baseada naquilo que os socialistas alemães acreditavam ser o espírito do povo (Volk) alemão, como a organização da sociedade nos moldes militares do socialismo prussiano, as tradições germânicas e a religião pagã. No entanto, é uma falha típica do reacionário desconsiderar a cadeia de eventos que se sucedeu desde o fim da civilização que ele almeja restituir. Os nacional-socialistas, por exemplo, precisaram abrir mão do paganismo porque ele jamais poderia ser restituído entre os alemães. É simplesmente impossível reverter todos os eventos da história.
Dado o seu caráter de rompimento com o modelo de sociedade vigente, o reacionário é sempre, também, um revolucionário. O que difere o revolucionário de um reacionário é que o último pretende estabelecer, após a revolução, um modelo de sociedade que busca imitar (em grande parte) uma sociedade anterior, à qual ele credita uma aura de pureza e perfeição.
Exemplos de ideologias que decorrem da mentalidade reacionária são o nacional-socialismo, o anarco-primitivismo e ideologias teocráticas em geral.


II. O restaurador ou regressista.
O regressista, tal qual o reacionário, tem uma visão idealizada do passado, o qual ele pretende restaurar. Porém, o regressista não prega uma ruptura radical com a sociedade moderna, nem pretende retornar a esta golden age através da imposição violenta. O regressista acredita que é possível fazer isso por etapas, com um jogo político progressivo (aliás, regressivo) e que pode ser conduzido sem violência ou grandes choques para a população.
O regressista, diferente do reacionário, consegue estabelecer objetivos mais realistas porque pauta o seu programa político num passado histórico que pode ser conhecido quase que na totalidade pelos registros disponíveis. As suas fundações não estão perdidas em tempos longínquos ou reinterpretações do passado: ele consegue estabelecer um caminho de volta através do estudo de leis, políticas e tradições que foram outrora estabelecidas, revogando as leis modernas que vão na direção contrária das mesmas.
Exemplos de ideologias regressistas são o tradicionalismo, e, no Brasil, o monarquismo.
​-

III. O conservador ou moderador.
O conservador defende que a sociedade em que vivemos deve ser conservada, preservada e protegida. Ele não acredita numa ruptura radical com o presente para arriscar um futuro utópico ou uma tentativa de restabelecer uma sociedade já extinta. O conservador acredita que as mudanças da sociedade devem ser feitas de maneira natural, lenta e gradual. Ele acredita que instituições lôngevas e que resistiram ao teste do tempo devem ser mantidas, pois tornam-se essenciais para a manutenção da sociedade. Por exemplo a moral religiosa, a família, a defesa dos mais necessitados. Toda e qualquer mudança que um conservador proponha tem o propósito único de corrigir aquilo que ele considera um desvio de rota, algo que possa destruir a sociedade vigente.
O conservador nutre um profundo respeito pelo passado, pela história e pela tradição, mas não as idealiza ao ponto de querer parar ou retroceder as formas de governo. O conservador não despreza as inovações técnicas e científicas, mas também não acredita que exista uma medida exata do progresso, nem que uma melhoria material deva antepor-se à conservação de uma ordem moral duradoura. O conservador não acredita que a novidade seja uma qualidade em si, que o novo seja necessariamente melhor que o velho. Pelo contrário, acredita que o que já está estabelecido é certo e o que é novo é duvidoso, tendo o inovador portanto o ônus da prova de que sua proposta é melhor que a vigente. O conservador é sobretudo um cético.
Exemplos de ideologias conservadoras são o conservadorismo burkeano e o conservadorismo latino (ou continental).

-​

IV. O reformador ou progressista.
O progressista, assim como o revolucionário, tem uma visão idealizada de um futuro que ele pretende tornar real. Porém, o progressista não prega uma ruptura radical com a sociedade moderna e não pretende instaurar esta nova sociedade pela violência. O progressista acredita que se deve construí-la em etapas, com avanços políticos progressivos e que podem ser conduzido sem grandes choques para a população.
O progressista, diferente do revolucionário, consegue estabelecer objetivos mais realistas porque pauta o seu programa político numa evolução histórica que pode ser inferida logicamente. Os seus objetivos não estão perdidos num futuro hipotético e surreal: ele consegue estabelecer um caminho através da implantação de leis, políticas e costumes que serão estabelecidas, atacando as leis e costumes que possam impedir este suposto progresso ou que ele julgue “reacionárias” (neste caso, regressistas ou conservadoras).
Exemplos de ideologias progressistas são o socialismo fabiano, o positivismo e a social-democracia.


V. O revolucionário ou futurista.
O que define um revolucionário é a sua defesa de uma ruptura com o passado e a instauração de um novo modelo de sociedade mais moderno, futurístico. Contudo, não é de um futuro previsível e realista que ele fala. O futuro para um revolucionário é uma coisa idealizada. O revolucionário prega uma ruptura radical com o mundo atual (“passadismo”) para implantar um novo modelo de sociedade baseado numa idealização do que a civilização deve ser.
Os comunistas, por exemplo, tentaram estabelecer uma sociedade socialista baseada naquilo que os bolcheviques acreditavam ser a melhor representação do socialismo marxista, com a organização da sociedade em moldes militares – formando verdadeiros exércitos de operários e camponeses, com a centralização de toda a Economia nas mãos do Estado, extinção da propriedade privada e abolição da religião. Porém, o erro típico do revolucionário é desconsiderar que muito daquilo que ele pretende destruir não só era um pilar da sociedade anterior como é também um princípio básico sobre o qual toda sociedade se sustenta. Ao extinguir a propriedade privada e tentar abolir a religião, os comunistas enfrentaram não só uma forte resistência como também desastrosas consequências econômicas que acabaram obrigando os comunistas não só a alinhar-se posteriormente com a Igreja Ortodoxa, como a implantar o NEP e, posteriormente, tentar emular o sistema de preços de mercados livres dentro de uma Economia planificada. Era simplesmente impossível manter o sistema econômico sem o sistema de precificação de mercado e simplesmente impossível planejar toda a Economia, e isto levou a sérios problemas que culminaram com a morte de dezenas de milhões de pessoas na URSS não só de fome, como também nos campos de trabalho escravo, agora necessários numa Economia planificada.
O que difere o revolucionário de um reacionário é que o primeiro pretende estabelecer, após a revolução, um modelo de sociedade completamente novo, planejado milimetricamente por seus proponentes, mas nunca antes testado.
Exemplos de ideologias revolucionárias são o socialismo (“marxismo”, “comunismo”) e o fascismo.

Créditos:
http://direitasja.com.br/2012/03/27/as-cinco-mentalidades-politicas/

catequese catecismo renovada atentado contra a fé, carta a Montfort, o que é a catequese moderna

22/03/2010

Catequistas modernos: um atentado contra a Fé.

Prezado professor Orlando e equipe do site Montfort! Que a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo e o amor de Maria estejam convosco. 

Primeiramente, gostaria de parabenizá-los pelo excelente trabalho que vocês desenvolvem! Precisamos, neste mundo cada vez mais afastado de Deus, de pessoas que defendam a sã doutrina da Igreja de Cristo. 

Minha carta tem um intuito de desabafo. Sou catequista e tive uma formação religiosa extremamente rígida. Confesso que me entristeço ao ver a qualidade dos catequistas modernistas. Contaminados pelo modernismo e pelas idéias ambíguas do Concílio Vaticano II, toleram heresias e são a favor do uso da camisinha e de pílulas. Muitos, infelizmente, não ensinam o CATECISMO, ou seja, a Doutrina da Igreja. 

Vejo que as salas de catequese de nossas paróquias estão sob a neblina do protestantismo, que para o mundo moderno, parece ser “mais amena, mais tolerante”. Prega-se um Deus tolerante demais para os pecados, para as heresias, o que a meu ver, incentiva as pessoas a viverem sob o livre-arbítrio, naquele sofisma de “Ah, eu peco, mas Deus me perdoa, porque tenho fé.” Não podemos cair na idéia herege da Sola Fide, ou seja, sou justificado pela fé. 

Como cristão-católico que sou acredito (perdoe-me e corrija-me se eu estiver equivocado), que, com certeza, Deus é misericordioso para conosco, DESDE QUE, nos arrependamos de nossos erros. E a meu ver, o arrependimento EXIGE mudanças comportamentais. É como um ladrão que rouba e se diz arrependido, mas ao voltar para sociedade rouba novamente. Onde está o arrependimento deste indivíduo? Atualmente, por causa da contaminação modernista, abusa-se da misericórdia de Deus. É por isso que vemos um mundo cada vez mais herege, afastado de Deus e imoral. Cristo nos disse: 

“Nem todo aquele que me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus”. (Mt 7,21) 

A nossa fé precisa ser refletida em nossas ATITUDES. Senão ela é uma fé morta. 

“Assim como o corpo sem a alma é morto, assim também a fé sem obras é morta”. (Tg 2,26) 

Dizem ter fé e amar a Deus, mas pouco se importam em guardar e por em prática a doutrina cristã: 

“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama. E aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e manifestar-me-ei a ele”. (Jo 14,21) 

“Aquele que diz conhecê-lo e não guarda os seus mandamentos é mentiroso e a verdade não está nele”. (1Jo 2,4) 

Nossas ações, boas ou más, se refletem de algum modo na sociedade como um todo: 

“Há de se notar que um indivíduo, vivendo em sociedade, constitui de certo modo uma parte ou um membro desta sociedade. Por isso, aquele que faz algo para o bem ou para o mal de um de seus membros atinge, com isso, a toda a sociedade” (Santo Tomás de Aquino, “Summa Theologiae”, I-II, q. 21, a. 3). 

Catequistas modernistas tendem a destruir toda a doutrina que Cristo nos deixou e que é ensinada através da Igreja. Não devemos aceitar a modernização doutrinária. Sobre isto, disse o Papa Pio X: 

“Assim, pois, temos o caminho aberto à íntima evolução do dogma. Eis aí um acervo de sofismas, que subvertem e destroem toda a religião! Ousadamente afirmam os modernistas, e isto mesmo se conclui das suas doutrinas, que os dogmas não somente podem, mas positivamente devem evoluir e mudar-se” (Encíclica Pascendi Dominici Gregis, 1907). 

Fica aqui o meu desabafo e a minha tristeza diante de toda essa modernização e tolerância para as coisas anticristãs. 

Fiquem a vontade para me corrigirem caso eu tenha me equivocado em algum ponto, afinal quero ser um defensor da fé cada vez mais sábio e conhecedor da doutrina católica. 

Em Cristo!

Doutrina e táticas dos comunistas, Como se defender de pressão ideológica, como é a argumentação dos comunistas, Como o comunista tenta fazer sua cabeça.

07/08/2008

“”Como se defender de pressão ideológica

Antes de mais nada, gostaria de dizer que não pretendo impor minha opinião a ninguém. O objetivo deste texto é apenas dar uma alerta sobre a indústria de manipulação de opinião que notei, e quem sabe, fornecer meios para se defender dessa (de)formação de opinião. Não o considero como uma verdade suprema, apenas um conjunto de observações, junto com algumas dicas de como lidar com discursos prontos e manipulação. Caso seja o que você procura, espero que encontre aqui.

AVISO: Como o texto é longo, eu o dividi em tópicos. Assim, fica mais fácil ir lendo aos poucos e pensando sobre cada passo, e depois no todo.

Os traços e técnicas que notei nesses grupos e em seu discurso são:

1-Imagem auto-idolatrada
Normalmente, esses grupos usam uma causa justa como “bandeira”. Mas na prática, isso serve apenas para que eles construam para si uma falsa imagem de autoridade, que costumam impor aos outros na falta de argumentos, e usar como escudo contra críticas.
Sua estratégia consiste em tentar impor uma falsa lógica onde, se UMA de suas idéias estiver certa, todas as outras serão provadas automaticamente, por associação (mesmo que elas não tenham nenhuma ligação demonstrada com a idéia legítima). Essa lógica torta ainda inclui uma definição confusa de onde terminam os fins e começam os meios, justamente para que eles possam incluir seus interesses pessoais como se fossem parte dos objetivos legítimos, e taxar de “mau, egoísta e inimigo de um mundo melhor” quem criticar os métodos questionáveis que eles venham a usar.
Alguns exemplos do que eles costumam fazer, apoiados nessa lógica torta e falsa autoridade incluem impor opiniões pessoais como se fossem verdades absolutas, reescrever conceitos, usar dois pesos e duas medidas, e achar que tem que ser blindados e incriticáveis. Também não se contentam com parte, ou mesmo a maioria. Exigem TUDO.

2-Demonizam críticos e questionadores
Talvez pelo excesso de subterfúgios que usam, eles não suportam ver qualquer erro ou falha seu ser exposto, mesmo sendo verdade e havendo provas. Críticas os fazem espumar de ódio, ainda que embasadas. Parecem pensar que não basta reconhecer suas qualidades, é preciso concordar com TUDO, sem questionar. E encontrar qualquer ponto negativo em seu discurso ou ideologia é tratado como uma heresia mortal. Às vezes, eles parecem querer usar a teoria do mal necessário, mas ao mesmo tempo não querem que esse mal os atinja, nem admitem que ele seja associado à sua “imagem”.
Mas existe outro motivo para isso. Com essa tática, eles criam um “rótulo” para impor aos “inimigos”. Um ataque pessoal disfarçado, que explora uma variação da falsa lógica descrita no item 1. Aqui, eles tentam passar o falso conceito de que, se provarem UM erro, falha ou ponto negativo em seus inimigos/críticos/questionadores, então TUDO que eles disserem vai ser automaticamente errado, falho, negativo, nazista, fascista, elitista, e outros da lista de ofensas prontas que eles tem. E isso, mesmo que as outras coisas ditas não tenham nenhuma ligação ou relação com o erro provado.
Dessa forma, eles tem um meio bastante eficiente de desacreditar seus oponentes, pois criam nas pessoas uma rejeição pessoal a seus críticos, fazendo com que muitos desconsiderem seus argumentos sem realmente analisá-los. Sem falar que várias pessoas se sentem coagidas a concordar sem questionar, por medo de ficar rotulado como “fascista” e outros. Afinal, muitas vezes, eles não respeitam nem inocentes ou neutros. Ou melhor, não reconhecem sua existência. Basta não querer se envolver ou mesmo não se impressionar com seu discurso, para ser considerado “inimigo”.

3-Só sabem contar até dois
Os itens 1 e 2, separados, já podem ser bem perigosos. Mas a combinação deles é ainda pior. Aqui, eles impõem o falso conceito de que o mundo se divide em apenas dois “lados”, e o que não está de um, pertence automaticamente ao outro, sem meio termo.
Com isso, deixa-se de analisar as coisas por fatos e detalhes, e adota-se um critério errado de julgar baseando-se em pertencer ao lado “certo” ou “errado”, como se algo fosse automaticamente válido ou intolerável por estar ligado a um “título”, independente dos fatos.
Mas esse raciocínio torto, onde o certo ou errado é julgado por um lado ou posição, ao invés de por dados concretos, gera uma das maiores contradições desse discurso, onde vemos exigirem respeito sem respeitar, e querer fiscalizar sem ser fiscalizados, entre outros. Todas essas contradições acontecem porque os “lados” não são bem definidos, já que eles pegam qualquer grupo, ideologia ou outra coisa que possa ajudar a conseguir popularidade ou credibilidade, e misturam sem critério, tentando forjar uma ligação que não existe entre eles, e ainda incluem seus interesses pessoais nessa confusão. O resultado é uma colagem malfeita, onde não há, na prática, como saber o que define cada lado.
Um bom exemplo disso são os “defensores da tolerância intolerantes”, que falam em ser aceitos, mas no fundo não querem ser aceitos. Querem ter o poder de definir suas idéias/atitudes/grupos como os únicos certos e taxar todos os outros de “intolerantes” e “intoleráveis”, para logo em seguida despejar todo seu ódio contra eles, através de atitudes que, vindo de seus inimigos, seriam “violentas”, “fascistas”, etc…mas vindo deles passam a ser “caminho para um mundo melhor”, “correção de injustiças, desigualdades e desequilíbrios”, entre outros.
Usar dois pesos e duas medidas pode ser válido em alguma situação? Talvez. O problema é que, além disso, eles criam artifícios para que seus próprios relativismos não os atinjam caso ocorra uma situação semelhante mas que esteja CONTRA eles.

4-Idéias “embutidas”, por associação e insinuadas
Apenas para lembrar, o conceito de “idéia embutida”, aqui, é lançar dois ou mais conceitos, de modo que um pareça fazer parte do outro, e de um jeito que não se consiga perceber a “mistura”. Alguns exemplos já foram dados acima, como o caso que eles usam um interesse legítimo para empurrar seus interesses pessoais junto. Mas existem outras que são parte do discurso deles. Uma das principais é a falsa definição de respeito que eles impõem, onde só “respeita” quem concorda automaticamente com tudo que dizem, sem questionar. Claro que eles não dizem isso com todas as letras, mas na prática, exigem que seja assim.
Outra idéia embutida é a de certos pseudo-humanistas que pegam o conceito (verdadeiro) de que a situação social influencia na criminalidade, e aproveitam para impor junto com esse conceito as suas próprias idéias falsas de que repressão ao crime atrapalha a justiça social. Claro que eles não dizem isso com todas as letras, mas note que é só questionar se não existem meios de fazer ressocialização sem deixar o bandido à vontade e de um jeito que mantenha a segurança da sociedade, que eles já te chamam de fascista, simplesmente por ser realista e lembrar que o criminoso pode voltar a fazer das suas.
Quanto a idéias insinuadas, eles possuem muitas táticas para lançar conceitos de um jeito que tendam a ser entendidos como convém a seus interesses. Seria difícil listar todos os métodos aqui, mas cuidado especialmente com pressão psicológica. Um dos sinais mais visíveis dessa estratégia é quando eles tentam impor sentimento de culpa a alguém, simplesmente porque essa pessoa questiona, e quer analisar melhor, ao invés de ir engolindo sem pensar sua “maravilhosa” ideologia.

5-Clichês e outras táticas
Eles tem um verdadeiro arsenal de frases prontas, estatísticas, obras literárias e pesquisas, para parecer “científicos”. Mas, quando olhamos melhor, vemos que as frases prontas não resistem a uma análise e/ou escondem entrelinhas e idéias implícitas, as estatísticas e livros são feitas por seguidores da ideologia (havendo, portanto, uma grande chance de seus dados serem tendenciosos), e suas pesquisas e estimativas são feitas com o “sistema” de só procurar dados e argumentos a favor, de qualquer lado e lugar, e juntar todas, mas ignorando o que não convém. Também é comum recorrerem a comparações e paralelos incompletos onde, se acham UM ponto em comum entre dois grupos, ideologias, situações ou qualquer coisa, já saem falando que “são iguais”.
Um exemplo dessa desonestidade intelectual é a tática de recorrer a um pensador (de preferência um pouco conhecido), alegar que quem não leu a obra dele é ignorante e incapaz de discutir o assunto, e decidir que venceram o debate. Ainda tem uns que vão além: No caso do oponente conhecer esse livro ou autor, vão colocando como “exigência de capacidade para debater” outras obras, ou mesmo partem para a alegação de que o problema é que seus críticos não entenderam a “maravilhosa” mensagem de sua ideologia, mesmo conhecendo-a. Ou seja, apenas floreiam para disparar a frase pronta de que só são inteligentes os que concordam com eles em tudo, sem questionar.
Outra tática muito comum é repetir uma idéia mil vezes, para tentar fazer com que acabe aceita como verdade…mas o truque aqui não é tão óbvio, porque eles repetem mil vezes com palavras diferentes, ou usam outros artifícios para que suas estratégias não sejam percebidas.

 
6-Linha de ação
Para resumir seu “modus operandi”: Primeiro, eles repetem sua ideologia mil vezes, para tentar convencer pela pressão. Em seguida, tentam parecer engajados e politizados, disparando toneladas de conceitos incompletos e mal explicados, mas que levam tempo para ser rebatidos de forma adequada. No fim, quando alguém consegue desmascará-los, eles já fizeram a cabeça de várias pessoas, e já estão bem estabelecidos, com seguidores, imagem, lobby, e conseguem vencer ou ao menos se instalar, sem precisar ter razão.
Antigamente, havia guerras para conquistar territórios. Hoje, não é mais tão fácil fazer isso, porque existe a soberania dos países. Então, algumas pessoas “guerreiam por mentes e almas”, criando artifícios para que sua “ideologia” esteja infiltrada em todos os lugares, e seja capaz de trapacear fronteiras e soberania.

Nota final: As táticas descritas aqui são as que considero principais, mas seria impossível listar todas em detalhes. Por isso, vou lembrar que o mais básico para não se deixar levar por esse tipo de discurso é analisar e observar bem tudo que for dito. Boa parte da estratégia deles se baseia em usar pressão psicológica e pegar as pessoas de guarda baixa com seu discurso inflamado e rebuscado. Então, esteja prevenido e não aceite coação moral, e já deve ser capaz de evitar esse atropelamento ideológico.
Por sinal, um dos sintomas que indica um usuário dessas técnicas é que, ao ser pressionado, ele costuma disparar uma metralhadora de clichês, alguns até ofensivos, ou mesmo uma única frase de efeito, esperando soterrar a questão sob uma tonelada de frases prontas, ou confundir os questionadores com uma falsa pose de confiança. Assim, eles esperam passar uma falsa impressão de que “venceram”, e “deixaram os oponentes sem resposta” (novamente, como descrito no 6, exploram a dificuldade natural de se elaborar argumentos racionais contra seus artifícios) “””””””””” do orkut

Doutrina e táticas comunistas por eles mesmos.

20/06/2008

www.dhnet.org.br/dados/livros/memoria/mundo/marigue.htm