Posts Tagged ‘dilma roussef’

Inclusão bandidal: No Brasil, bandido também vota:

05/10/2010

E quem ganhou estourado a votação para presidente nas cadeias?

Exatamente, a assaltante de bancos.

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,dilma-recebe-635-dos-votos-validos-de-presos-em-sp,620643,0.htm

Dr Celso Langoni Filho O Canto de Verônica Maldonado: Mulher quer pensão de Dilma Roussef

19/09/2010

==

NÃO SABEMOS SE ESTE CELSO LANGONI FILHO EXISTE MESMO OU ESSA VERONICA EXISTE, MAS ESTE É A NOTICIA QUE MAIS ROLA E MAIS PESQUISADA NO GOOGLE ATUALMENTE.

=

aperitivo, leia isto:

http://www.fraudeurnaseletronicas.com.br/

=

Dilma é Lésbica, garante suposta ex-amante.

“Dilma Rousseff é Lésbica, mas nunca quis assumir nosso romance publicamente”

A declaração é de Verônica Maldonado, uma doméstica que afirma ter tido um longo romance com a atual candidata à presidencia da república, Dilma Rousseff.

“Nos relacionamos durante mais de quinze anos, mas quando surgiu essa oportunidade em Brasília, ela nunca mais quis saber de mim”

Verônica afirma possuir fotos, cartas e outros documentos que comprovam a relação duradoura e pretende pleitear na justiça o direito à uma pensão mensal.

“Afinal nós tivemos um relacionamento durante mais de qinze anos, período em que deixei de trabalhar, estudar, apenas para ficar com ela. Acho que tenho direitos como qualquer outra mulher!”

Segudo o advogado de Verônica, Dr Celso Langoni Filho, a possibilidade de ganho de causa é concreta, uma vez que sua cliente é capaz de comprovar a existência de uma relação estável e duradoura. Ele cita o caso da Justiça de Pernambuco, que tomou uma decisão inédita este mês ao reconhecer a união estável de duas lésbicas para fins de pagamento de pensão.

“A decisão da juíza Paula Maria Malta, da 11ª vara da família e registro civil da capital pode abrir jurisprudência para que outros juízes sigam o parecer” Afirma Celso Longoni.

Em sua decisão, a juiza alegou que o artigo 226 da Constituição diz que a família é um bem da socedade e que tem proteção especial do estado. A lei se refere ao elacionamento entre homem e mulher, mas não fala em pessoas do mesmo sexo.

Revista Época pergunta sobre passado de Dilma e esquece a principal pergunta:

16/08/2010

=

Dilma participou do assassinato do Soldado Mário Kozel Filho?  Seus amigos participaram e ela não os denunciou?

revolução de 31 de março 1964 O GRUPO GUARARAPES ENDOSSA O MANIFESTO ASSINADO PELO GENERAL TORRES DE MELO, COORDENADOR DO GRUPO. íntegra do manifesto carta do grupo guararapes contra lula dilma PNDH -3 revanchismo guerrilhas e impunidade a terroristas Decreto nº. 7.037, de dezembro de 2009 terrorismo nunca mais

21/02/2010

https://homemculto.wordpress.com/2010/02/21/verdades-inconvenientes-no-brasil-do-faz-de-conta-kristhian-heluy-gomes-lula-e-o-comunismo-do-pt-e-a-contra-revolucao-democratica-de-31-de-marco/

 

O GRUPO GUARARAPES ENDOSSA O MANIFESTO ASSINADO PELO GENERAL TORRES DE MELO, COORDENADOR DO GRUPO. 

1 – INTRODUÇÃO 

Preocupações Iniciais. 

Acabo de ler, com todo cuidado, o texto do Decreto nº. 7.037, de dezembro de 2009 que aprova o PROGRAMA DE DIREITOS HUMANOS, assinado pelo Presidente da República e não lido, como se informou do palácio do Planalto.

Ao escrever estas linhas, muito meditei. Estarei eu certo ou cometo uma injustiça com os meus estimados bispos, meus amigos civis e militares que, sendo patriotas, parecem adormecidos enquanto a Nação brasileira se encontra em perigo?

Acabo de ler, com todo cuidado, o texto para um decreto nº. 7.037, de dezembro de 2009 que aprova o PROGRAMA DE DIREITOS HUMANOS, assinado pelo Presidente da República e não lido, como se informou do palácio do Planalto.

Na minha modesta análise, afirmo que se está criando o mais importante Órgão do Governo, pois tudo que se possa querer fazer, tem de ser se consultada a SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS, ligada diretamente à Presidência da República. O artigo 4º cria o Comitê (não seria o KOMINTERN?) de Acompanhamento e Monitoramento do PNDH-3, que na mão da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República terá, de fato, o papel de dono do País.

Ficou uma interrogação preocupante na formação desse COMITÊ. Qual ou quais as razões que não permitem aos ministérios da Agricultura e da Defesa fazerem parte do “KOMINTERN”? Será que o primeiro será substituído pelo MST e o segundo pelo Ministério da Justiça, que vem criando uma força não constitucional para substituir as Forças Armadas?

Aqui uma lembrança muito importante. Todos sabem que o PT não assinou a Carta Constitucional de 1988. Não será, portanto, a nova Constituição do Brasil? A esquerda tem sempre o mesmo objetivo em qualquer parte do mundo: “o domínio absoluto do Poder” e a busca deste objetivo pode ser pela força ou por meios não republicanos, até com assalto a banco como mandava Lenine e Stalin executava, ou como fizeram no Brasil nos anos 70, com a participação de membros do atual governo, inclusive a candidata à presidência da república, Dilma Rousseff.

O Plano não é mais do que a centralização de todo o sistema administrativo da Nação. É o controle vertical do município ao Palácio e todos subordinados ao Secretário Especial dos Direitos Humanos. É a mesma estrutura que foi utilizada na URSS no tempo de Stalin. DIREITOS HUMANOS como fachada e controle até da alma. Controle desde a Imprensa até ao Guarda de Quarteirão.

Parece que todos estão vendo a desgraça se aproximar e ainda não se aperceberam que o governo já domina duas áreas importantíssimas: MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E FINANÇAS. Agora, fecha-se o círculo, pois para se “ir à lua” temos que saber se o “foguete” prejudica os DIRETOS HUMANOS.

A nossa análise irá se restringir aos pontos mais polêmicos e que feriram diretamente a LIBERDADE. O documento procura manietar os setores que possam criar problemas na busca do controle total do PODER DO ESTADO. Ele vai em cima das Forças Armadas, Igreja, Agricultura e Imprensa. 

Criou-se um novo nome para expor o assunto. Eixo Orientador VI. Técnica comunista bem conhecida. Terceiro Setor, velho passou a ser idoso logo depois melhor idade e por ai vai. Vamos à nossa análise, onde vemos que a mentira é a grande arma que se apresenta como VERDADE. 

2 – 1 – Direito à Memória e à Verdade 

O título é lindo e parece que vivemos numa democracia. Vejam, meus bispos e meus amigos civis e militares: “o Brasil ainda processa com dificuldades os resgates da memória e da verdade sobre o que o correu com as vítimas atingidas pela repressão política durante o regime de 1964”..

Logo depois diz que “a história que não é transmitida de geração a geração torna-se esquecida e silenciada”. “O silêncio e o esquecimento das barbáries geram graves lacunas na experiência coletiva de construção da identidade nacional”.

O mais intrigante e infiel é que limita a história do Brasil entre 1937/1945 e 1964/1985 como se o passado de um país, como o nosso, fosse possível ficar limitado a 31 anos. Quais as razões de não colocar o período ditatorial de Getúlio de 1930/1934? Será que é para encobrir o roubo do comunista Carlos Prestes no tão conhecido caso dólar de MOSCOU ou fato da expulsão do representante comunista brasileiro na Conferência dos partidos comunistas por ter tido a coragem de duvidar de uma afirmativa do “Santo Canalha” STALIN, nos idos de 1920? 

Será que a violência da revolução de 1935 não faz parte da história? Precisa ser apagada do sistema educacional brasileiro? Quem já leu o Livro HISTÓRIA, 8ª série, CRÍTICA, de Mário Furley Schmilt, distribuído nas escolas brasileiras, onde o endeusamento da revolução russa de 1917 é uma realidade e se apresenta como salvadora de um novo mundo. Quando vai ensinar os jovens a revolta (INTENTONA COMUNISTA DE 1935) coloca a culpa na Aliança Libertadora Nacional e culpa Getúlio por acusar o Partido Comunista Brasileiro como o responsável pela Intentona. Vem mais de um quarto de página com um elogio a Olga Benário. Diz que ela é: alemã, judia, BRASILEIRA, internacionalista e não diz que é espiã soviética, paga pelo KOMINTERN para implantar uma revolução na América Latina. Era o ideal internacionalista. Não afirmam com toda ênfase que:

– aqui tivemos alemão, ucraniano, argentino, americano que, ao lado de Prestes fizeram a revolução de 1935. Mataram companheiros dormindo e estupraram e roubaram. Não falam o que fizeram em NATAL. Não falam do enforcamento da brasileira ELZA FERNANDES, pobre moça analfabeta e amante do comunista Antônio Maciel Bonfim, vulgo Miranda, morta enforcada com uma corda por ordem de CARLOS PRESTES e contra a vontade do PCB. Escondem A VERDADE sempre e colocam a culpa nos outros. 35 é culpa de Getúlio.

– o que desejam apurar de 1937 até 1945? Será o envio de DONA OLGA para a Alemanha por Getúlio Vargas? Todo mundo já sabe e Prestes deve ter apoiado, pois quando saiu da cadeia, em 1945, o que fez foi subir nos palanques defendendo o continuísmo de Getúlio, carrasco de sua mulher. Será que irão considerar como traição a declaração de CARLOS PRESTES que lutaria contra o BRASIL e ficaria ao lado da URSS? 

– e a 2ª Guerra Mundial não conta? Não vão fazer um filme mostrando a invasão da Polônia pela Alemanha e URSS? E o acordo MOLÓTOV-RIBBENTROP? Não vão dizer aos jovens a barbárie praticada pelos comunistas russos, matando friamente 14.000 militares poloneses na floresta de Katin. Não vão mostrar as desgraças dos campos de concentração alemães e dos GULAGs na União Soviética? Não defendem que: “O silêncio e o esquecimento das barbáries geram graves lacunas na experiência coletiva de construção da identidade nacional”. O mundo é global e não individual.

Dão um pulo de 1945 para 1964, como se a história não existisse. Será que não irão apurar o envolvimento de brasileiros em ligações com países comunistas e ditatoriais? Será que não irão ensinar aos jovens o discurso de Kruschov, mostrando a desgraça do governo de STALIN e seus expurgos de 1934 até 1938? Será que não irão dizer que antes de 1964 o Brasil existia e que Carlos Prestes era o representante da URSS no Brasil? Será que não irão dizer que os dirigentes das Ligas camponeses no Nordeste recebiam dinheiro de CUBA e gastavam em farras, como consta de documento encontrado dentro da mala do presidente do Banco de CUBA, num desastre num avião da VARIG, no PERU? Será que não vão ensinar a revolta dos sargentos, em Brasília, cujos coordenadores viajavam a custa de dinheiro dado pelo almirante do povo – Almirante Aragão, para implantar a ditadura no Brasil? Será que não vão falar que antes de 31 de março de 1964 a indisciplina nas Forças Armadas grassava abertamente, inclusive com indisciplina dos fuzileiros e o almirante levado nos braços dos indisciplinados pelas ruas do Rio? 

E os comícios do Automóvel Clube e Central do Brasil com militares fardados? E a renúncia do irresponsável Jânio Quadros e sua condecoração ao bárbaro CHE GUEVARRA Tão bem descrito no livro O VERDADEIRO CHE de Humberto Fontova, onde há páginas que mostram a falta de sentimento humano desde bandido internacional e defendido pela canalha que fez o PLANO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS? 

2 – 2 – 1964 – 1985 

Não foram os militares sozinhos que fizeram a contra-revolução de 1964. Foram os civis, principalmente, seus artífices, com a participação de toda a sociedade brasileira. Havia militares, mas LACERDA – MAGALHÃES PINTO, ADHEMAR DE BARROS e milhares de políticos estavam envolvidos na salvação nacional e podemos afirmar esta VERDADE POR DECLARAÇÕES de três eminentes esquerdistas brasileiros: 

– Luis Carlos Prestes: Foi até Moscou prestar contas ao secretário do Partido Comunista KRUSCHEV e dizer que o comunismo já estava no governo e só faltava tomar o PODER. Pergunto: O que tinha KRUSCHEV com o Brasil? O que o comunista Carlos Prestes tinha que prestar contas a um governo estrangeiro? E foi também, até CUBA, para convencer FIDEL a não apoiar Francisco Julião, pois seria um desastre e acabou recebendo a desfeita bem merecida: ”Eu sou um grande vitorioso num pequeno país e você um derrotado num grande país”. Colocou o rabo entre as pernas e voltou. 

– Miguel Arraes chegando ao Recife foi perguntado se haveria golpe e ele respondeu: “GOLPE VAI HAVER. OU NOSSO OU DELES. NÃO SEI QUEM É O PRIMEIRO?

– Francisco Julião lider das Ligas Camponesas, aquele que gastava o dinheiro de CUBA em bacanais e whiskeys caros, afirmou, num comício em HAVANA, que a revolução comunista no Brasil já tinha data marcada, para 1 de janeiro de 1964. 

Perderam o trem da história e ficaram tontos. É eleito Castello Branco, pelo Congresso Nacional. O cargo estava vago, pois o presidente tinha fugido para o Uruguai para evitar derramamento de sangue, conforme declaração dele próprio. Tudo volta ao normal e a esquerda perdida procura a URSS, CUBA, ALBÂNIA e CHINA. O Brasil começa a marchar e é criado o Plano Nacional de DESENVOLVIMENTO COM SEGURANÇA. Nova Constituição e posse de Costa e Silva. O País vivia o Estado democrático de Direito. 

Desorientada a esquerda, começa o terrorismo. Antes do AI-5 (dez de 1968) 19 pessoas foram mortas:  Seguem os nomes das 19 pessoas assassinadas antes do AI-5 . 

AS VÍTIMAS DAS ESQUERDAS ANTES DO AI-5

1 – 12/11/64 – Paulo Macena, Vigia – RJ Explosão de bomba.

2 – 27/03/65- Carlos Argemiro Camargo, Sargento do Exército – Paraná Emboscada.

3 – 25/07/66 – Edson Régis de Carvalho, Jornalista – PE Explosão de bomba no Aeroporto Internacional de Guararapes

4 – 25/07/66 – Nelson Gomes Fernandes, almirante – PE

Morto no mesmo atentado citado no item 3. Além das duas vítimas fatais, ficaram feridas 17 pessoas, entre elas o então coronel do Exército Sylvio Ferreira da Silva. Além de fraturas expostas, teve amputados quatro dedos da mão esquerda. Sebastião Tomaz de Aquino, guarda civil, teve a perna direita amputada.  

5 – 28/09/66 – Raimundo de Carvalho Andrade – Cabo da PM, GO

Morto durante uma tentativa de desocupação do Colégio Estadual Campinas, em Goiânia.

6 – 24/11/67 – José Gonçalves Conceição (Zé Dico) – fazendeiro – SP

Morto por Edmur Péricles de Camargo, integrante da Ala Marighella.

7 – 15/12/67 – Osíris Motta Marcondes, bancário – SP

Morto quando tentava impedir um assalto terrorista ao Banco Mercantil, do qual era o gerente.

8 – 10/01/68 – Agostinho Ferreira Lima – Marinha Mercante – Rio Negro/AM

No dia 06/12/67, a lancha da Marinha Mercante “Antônio Alberto” foi atacada por um grupo de nove terroristas.

9 – 31/05/68 – Ailton de Oliveira, guarda Penitenciário – RJ

O Movimento Armado Revolucionário (MAR) montou uma ação para libertar nove de seus membros que cumpriam pena na Penitenciária Lemos de Brito (RJ) e matou Ailton de Oliveira. O autor dos disparos que atingiram o guarda Ailton foi o terrorista Avelino Brioni Capitani

10 – 26/06/68- Mário Kozel Filho – Soldado do Exército – SP

No dia 26/06/68, Kozel estava no serviço de sentinela do Quartel General do II Exército. Às 4h30, um tiro é disparado por um outro soldado contra uma camioneta que, desgovernada, tenta penetrar no quartel. Ela explode ao colidir com o aquartelamento. Kozel morre despedarçado.

11 – 27/06/68 – Noel de Oliveira Ramos – civil – RJ

Morto com um tiro no coração em conflito na rua.

12- 27/06/68 – Nelson de Barros – Sargento PM – RJ

No dia 21/06/68, conhecida como a “Sexta-Feira Sangrenta”, realizou-se no Rio uma passeata contra o regime militar. Cerca de 10.000 pessoas ergueram barricadas, incendiaram carros, agrediram motoristas, saquearam lojas, atacaram a tiros a embaixada americana e as tropas da Polícia Militar. No fim da noite, pelo menos 10 mortos e centenas de feridos. Entre estes, estava o sargento da PM Nelson de Barros, que morreu no dia 27.

13 – 01/07/68 – Edward Ernest Tito Otto Maximilian Von Westernhagen – major do Exército Alemão – RJ

Morto no Rio, onde fazia o Curso da Escola de Comando e Estado Maior do Exército.

14 – 07/09/68 – Eduardo Custódio de Souza – Soldado PM – SP

Morto com sete tiros por terroristas de uma organização não identificada quando de sentinela no DEOPS, em São Paulo.

15 – 20/09/68 – Antônio Carlos Jeffery – Soldado PM – SP

Morto a tiros quando de sentinela no quartel da então Força Pública de São Paulo (atual PM) no Barro Branco.

16- 12/10/68 – Charles Rodney Chandler – Cap. do Exército dos Estados Unidos – SP

Herói na guerra com o Vietnã, veio ao Brasil para fazer o Curso de Sociologia e Política, na Fundação Álvares Penteado, em São Paulo/SP. No início de outubro de 68, um “Tribunal Revolucionário”, composto pelos dirigentes da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), Onofre Pinto (Augusto, Ribeiro, Ari), João Carlos Kfouri Quartin de Morais (Maneco) e Ladislas Dowbor (Jamil), condenou o capitão Chandler à morte, porque ele “seria um agente da CIA”. Morto impiedosamente na presença da esposa e filhos.

17 – 24/10/68 – Luiz Carlos Augusto – civil – RJ

 Morto, com 1 tiro, durante uma passeata estudantil.

18 – 25/10/68 – Wenceslau Ramalho Leite – civil – RJ

Morto, com quatro tiros de pistola Luger 9mm durante o roubo de seu carro, na avenida 28 de Setembro, Vila Isabel, RJ.).

19 – 07/11/68 – Estanislau Ignácio Correia – Civil – SP

Morto pelos terroristas Ioshitame Fugimore, Oswaldo Antônio dos Santos e Pedro Lobo Oliveira.

Quem quiser detalhes leia os livros: a REVOLUÇÃO IMPOSSÍVEL – CAMARADAS – COMBATE NAS TREVAS – A VERDADE SUFOCADA – A GRANDE MENTIRA – GUERRILHA DO ARAGUAIA – A REVOLUÇÃO ENVERGONHADA – STALIN a CORTE DO TZAR VERMELHO – e outros, inclusive o LIVRO NEGRO DO COMUNISMO. Outros foram mortos em nº. de 120 no total e um deles, um marinheiro inglês metralhado porque passeava na praça Mauá, vestido com seu uniforme, pois , para a esquerda malsã, representava um símbolo do imperialismo e do capitalismo. Podem dar aula de direitos humanos?

A esquerda acusa e acusava que a contra-revolução de 1964 contou com o apoio dos EUA. Faz um barulho dos diabos. Ela não diz que contou com dinheiro, arma e curso de guerrilha de CUBA, CHINA, ALBÂNIA URSS. Como é que pode até roubar cofre com dinheiro, roubar do Estado, matar a coronhadas como fizeram com o tenente Mendes da PMSP, criar guerrilha, seqüestrar e vem com a conversa de que o período de 1964/1985 é negro por causa de tortura. Eles torturaram, mataram roubaram, assaltaram e o que queriam que o Estado Brasileiro fizesse? Fosse combater em XAMBIOÁ. REGISTRO, CAPARAÓ e na guerrilha urbana com rosas e flores.

Mataram e nós matamos em defesa da sociedade.

Perderam novamente e agora que chegaram ao governo estão implantando a VIGANÇA, não aceitando a LEI DA ANISTIA, que para eles só é válida para um lado. Não falam que a aventura do criminoso internacional CHE GUEVARRA na Bolívia não contou com nenhum partido comunista da América Latina, nem do próprio Fidel, que se fala a boca pequena que o traiu. Moscou estava noutra, tomada do poder pelo voto enquanto CHINA – CUBA – ALBÂNIA queriam o emprego da força e daí as guerrilhas, os roubos e assaltos praticados por eles.

2 – 3 – COMISSÃO DA VERDADE

Nenhum brasileiro sério é contra a VERDADE. Todo brasileiro sério é contra a mentira e a canalhice. O que estamos vendo no Brasil é a implantação da mentira como VERDADE. Este é o método empregado no comunismo em todo mundo. São cínicos e capazes de tudo. “O fim justifica os meios”. Ficaram calados quando a Polônia foi esmagada, quando o exército Russo invadiu Praga e Budapeste.

Não dizem quando Ulisses Guimarães ficou contra Brizola e Miguel Arraes na lei da Anistia. Foi João Figueiredo que os defendeu, dizendo que todos eram brasileiros. Não falam quando roubaram um pobre comerciante do interior e jogaram numa ladeira da serra da Ibiapaba. Vamos à VERDADE. A VERDADEIRA. 

Vamos dizer quem matou, torturou, roubou mala com dinheiro, quem seqüestrou, quem assaltou banco, quem assassinou, quem assaltou trem pagador e carro pagador. A sociedade precisa saber quem fez curso de guerrilha, de onde vieram as armas, onde colocaram o dinheiro roubado.

A sociedade brasileira precisa saber quem estava na guerrilha e hoje no Poder? Quem fez parte do mensalão e de outros dinheiros – na cueca, na mala, no exterior? Quanto o governo brasileiro pagou às famílias que tiveram seus entes queridos mortos pelos comunistas brasileiros? Quem hoje assaltam os cofres públicos em mais de 2 bilhões de reais, que, segundo se noticia, chegarão a 4 bilhões e o que fizeram para merecer?. A sociedade brasileira quer saber quem traiu quem e se as famílias dos que foram justiçados, (assassinados por eles mesmos) na palavra deles, foram indenizados e se eles tinham o PODER LEGAL DE MATAR?

Respondam! Não venham com mentira que ninguém acredita mais. Se assassinaram, assumam a responsabilidade. Presidente da República não pode ser um mentiroso e tem que assumir a RESPONSABILIDADE DE SEUS ATOS.

3 – 1 IGREJA

“O homem é teimoso na sua estupidez e prefere seus preconceitos à VERDADE”. Do livro Os servos de DEUS. Perfeita afirmativa que bem se enquadra nos capítulos em que o tal PLANO NACIONAL DOS DIRETOS HUMANOS aborda os problemas com a Santa Igreja. Três itens são chocantes:  15:02 (32 minutos atrás)  Jacaré

– Apoiar a aprovação do projeto de lei que descriminaliza o ABORTO, considerando a autonomia da mulher para decidir sobre o seu corpo;

– Apoiar projeto de lei que disponha sobre a união civil entre pessoas do mesmo sexo;

– Desenvolver mecanismos para impedir a ostentação de símbolos religiosos em estabelecimento públicos da União.

3 – 1- 1 – ABORTO

Todas as civilizações do mundo se afirmaram ou desapareceram quando deixaram de considerar a mulher como a viga mestra da sociedade. Nas sociedades antigas, ROMA, por exemplo, a mulher ROMANA era o pedestal do orgulho romano. A família, o filho nas Legiões e a esposa e mãe o grande sustentáculo do poderio do grande Império. Há um senador romano que disse uma grande VERDADE; “ROMA ACABOU-SE. A MULHER NÃO É MAIS O ESPELHO DA VIRTUDE”. Roma foi destruída.

Quando a mulher deixa de ser a coluna da família e passa a ser um bem material que vale pelas medidas de seu corpo tudo vai de água abaixo. As Pompadours, as Du Barry e as donas das casas da luz vermelha são exemplos de vida que indicam a degringolada da sociedade. Quando o comunismo quer conquistar o Poder usa com todo descaramento a fòrmula: SEXO+PODER+DINHEIRO=CORRUPÇÃO. O aborto livre é a conseqüência do tal amor livre sem nenhum controle. 

A Igreja prega a SANTA FAMÍLIA e tem na MÃE DE CRISTO a certeza da dignidade do homem, filho de DEUS e não filho do materialismo histórico, que considera a RELIGIÃO “o ópio do povo”. Como podemos pregar DIREITOS HUMANOS sem respeito ao próprio homem ou à mulher? Quando destruírem a família vão querer criar uma nova cujo o Estado é o responsável pelo formação do jovem alienado e não mais o pai ou a mãe. O ABORTO é o assassinato de quem não pediu para morrer.

3 -1 -2 CASAMENTO COM PESSOAS DO MESMO SEXO.

É a dissolução dos costumes legais. Tudo pode ser aceito dentro de normas justas. Não é normal esta união, mas deve-se respeitar que vivam juntos. Não é preciso se chegar aos extremos. Nesta caminhada a sociedade vai se enfraquecendo e os costumes chegam aos extremos que ameaçam a vida em comunidade. A LIBERDADE passa a ser LICENCIOSIDADE e dentro de pouco tempo teremos o caos social, onde se perde a noção do respeito mútuo. Tudo passa a ser aceito – do roubo ao crime, como já assistimos na história dos povos. Chegou-se aos GULAGs ou aos CAMPOS DE CONCENTRALIZAÇÃO pela doença de pregação falsa da liberdade, que termina nas prisões. É isto que querem para o Brasil?

3 – 1 -3 PROIBIR SÍMBOLOS RELIGIOSOS EM ESTABELECIMENTOS PÚBLICOS DA UNIÃO.

Desde que o mundo é mundo o homem vive em torno de símbolos. Os Deuses antigos, a mitologia grega, a Estrela de David, a Cruz de Cristo, as Bandeiras são símbolos que unem os homens e os identificam. Qual o mal de termos O Símbolo de Cristo nos prédios públicos? Desejam colocar outros? Já tentaram colocar a estrela vermelha do PT no Palácio do Governo. Estão lembrados? 

O mundo, no século XX, viveu dois símbolos que representaram a desgraça da morte. O símbolo nazista foi a suástica orientada no sentido dos ponteiros do relógio e um outro que trazia na sua bandeira vermelha a foice e o martelo. Chegou-se a ter um momento que se uniram para desgraça do mundo. Milhões de pessoas morreram pela mão de dois loucos. Se computarmos as mortes totais pode-se chegar a mais de 260 milhões de pessoas. Ambos lutaram para destruir a LIBERDADE. O primeiro foi abolido com a derrota de Hitler e o 2º ainda existe em alguns lugares que não sabem a desgraça do comunismo, como no Brasil.

Pode-se perguntar: O Símbolo da Cruz precisa ser substituído pela FOICE E O MARTELO? Respondam os meus queridos BISPOS?

4 – 1 AGRICULTURA

Na Europa, onde O SLOGAN PAZ, TERRA E PÃO de LININE quase que acaba com ela (Europa), já se torna proibido a FOICE E MARTELO na Polônia. Prometeram PAZ e foram guerra e expurgos. Prometeram TERRA e tomaram as TERRAS e prometeram PÃO e duas fomes mataram mais de 30 milhões de pessoas. Estão ai com o MST e tem gente dando dinheiro para eles inclusive o governo e todos calados. Temos aqui a escola da guerra no campo. Podem fazer o que quiserem que nada acontece, pois direitos humanos não existe para o proprietário da terra que tem sustentado este país. É preciso acabar com a agricultura como fizeram na Rússia para que o povo seja enganado e passe fome e fique recebendo bolsa família ou bolsa prisão. Todos presos e sem poder falar.

5 – 1 IMPRENSA

Quando as Comissões entrarem nos jornais, TV e rádios para imporem os programas dos DIREITOS HUMANOS teremos o domínio total do Estado. Estão copiando o modelo imposto por LENINE. Será que teremos um navio cheio de intelectuais embarcados à força e mandado para fora da URSS como aconteceu por ordem de LELINE ou teremos mesmo a censura e as prisões lotadas como no tempo da KGB de Stalin? Quem poderá responder é a própria Imprensa. Não sou do ramo. Penso que estamos perto.

6 – CONCLUSÃO

Escrevi o que penso. Acho que o meu Brasil marcha para o caos. Mostrei com cores vivas a desgraça do domínio do Estado Brasileiro por uma minoria comunista.

Mostrei o trabalho para desmoralização das Forças Armadas. Indiquei a vontade de acabar com a influência da Igreja Católica na sociedade brasileira. Mostrei o perigo que corre a agricultura e indiquei o fim da Imprensa Livre.

Indiquei o perigo de um Presidente que mente, que não assume a responsabilidade do cargo e cerca-se de uma equipe que deseja a destruição da nação para criar uma outra com o HOMEM NOVO e que seja escravo do Estado.

Mostrei que pregam direitos humanos e apóiam governos totalitários, criminosos terroristas e não votam com a ONU na defesa da dignidade humana.

Cumpri o meu Dever e estou fazendo o que posso.

EMPRESÁRIOS, INDUSTRIAIS, MAÇONS, OS QUE ACREDITAM EM DEUS, OS BISPOS DE TODAS AS RELIGIÕES, OS ADEPTOS DE OUTRAS RELIGIÕES, OS FAZENDEIROS, OS AGRICULTORES, OS ATEUS, O MEU POVO VERDE, AMARELO, AZUL E BRANCO, OS MÉDICOS SEM REMÉDIOS, OS ADVOGADOS QUE LUTAM PELA JUSTIÇA, JUIZES QUE ZELAM PELO CUMPRIMENTO DAS LEIS: UNIDOS PARA SALVAR O BRASIL!

A NAÇÃO BRASILEIRA CORRE PERIGO!

O PERIGO DE TORNAR-SE UMA REPÚBLICA SOCIALISTA COMUNISTA! 

General de Divisão Reformado FRANCISCO BATISTA TORRES DE MELO.

A PÁTRIA NOS CHAMA!

Publicada em: 21/02/2010 

http://www.fortalweb.com.br/grupoguararapes/msg.asp?msg=834

dilma roussef dá coxinha para voto de cabresto para pobres do nordeste aparecerem no comício ilegal e uso da máquina administrativa federal nas eleições de 2010 e desrespeito a lei eleitoral volta da república velha do voto comprado e do coronel e caciquismo

23/01/2010

VEJA 4 – A política do requeijão sábado, 23 de janeiro de 2010 | 5:05 VEJA 4 – A política do requeijão sábado, 23 de janeiro de 2010 | 5:05 Cristiano Mariz

 FILA DA COXINHA “Militantes” que ganharam transporte e lanche aguardam para entrar em evento com Dilma A campanha da ministra Dilma Rousseff ainda não empolgou a militância petista – ou o que ainda resta dela.

Isso tem ficado evidente nos diversos eventos de que a ministra e o presidente Lula têm participado. Em Jenipapo, não se viam camisas vermelhas nem bandeiras com a estrela do PT.

Os espectadores eram lavradores, empregadas domésticas, pedreiros, gente muito humilde, meio calada, atraída pela promessa de lanche no evento, como o lavrador Antônio Cesário, morador de Granjas, a cerca de duas horas do local da barragem, que decidiu comparecer à inauguração de olho na promessa que lhe fizeram os funcionários da prefeitura. “Pão e requeijão”, conta. “Em casa, só tem requeijão quando vai uma visita muito importante”, comentou. Depois de duas horas apertado em um ônibus superlotado, com mais de cinquenta pessoas, o lavrador diz ter tirado a sorte grande.

 Encontrou coisa muito melhor que pão com requeijão: 45 000 salgadinhos feitos por um dos bufês mais caros de Belo Horizonte. Tudo de graça. O mesmo método de atração de militantes foi usado com mais eficiência no Maranhão uma semana antes, no lançamento da pedra fundamental da Refinaria Premium I da Petrobras, em Bacabeira, perto de São Luís. Cerca de trinta ônibus transportaram recrutas de vários pontos do estado.

Funcionários públicos e estudantes de colégios estaduais foram liberados de suas obrigações para engrossar a claque de apoio à família Sarney, ao presidente Lula e, é claro, a Dilma Rousseff.

Na porta do local onde será erguida a refinaria, cabos eleitorais esperavam os moradores dos grotões do estado com bandeiras de plástico que estampavam a frase: “Obrigado, presidente”. A maior evidência de que o quórum nas aparições da pré-campanha petista é artificial pode estar no fracasso da inauguração da escola técnica em Araçuaí, cidade vizinha a Jenipapo de Minas.

A estrutura foi montada para comportar 7 000 pessoas, mas apenas 500 testemunharam Lula elogiar sua candidata. Lá, a máquina pública não participou da engrenagem para atrair “militantes”. Não houve o aluguel de ônibus, nem lanchinho, nem requeijão, nem refrigerante. Os poucos que compareceram tiveram de se contentar com um copo de água.

Currículo da ministra e candidata Dilma Stela Roussef – Voto consciente

16/11/2008

atgaaablwclsv-qni4uez62h_d1drxeta1bgpqzszwjntsdu9asf4ugzskp4vsi-urtbb5p9h1c3sv248332lwlzud38ajtu9vc7jmmmwnwwed7vksry3mtnzme7ka

brasileiros vítimas terror anos 1970, direitos das vítimas, indenização, Das vítimas dos terroristas, ninguém fala, ninguém defende.

16/09/2008

Clic na foto para ampliá-la

42 anos sem o soldado Mário Kozel Filho

26/06/2008

wikipedia: Abaixo projeto de lei que inscreve o Mário no Livro dos Heróis da Pátria:

http://www.camara.gov.br/sileg/integras/319323.pdf 

Mário Kozel Filho (São Paulo, 6 de julho de 1949 – São Paulo, 26 de junho de 1968), foi um Soldado do Exército Brasileiro morto em um ataque terrorista praticado pela Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) ao Quartel General do II Exército, o atual Comando Militar do Sudeste, na Cidade de São Paulo, durante o governo do marechal Costa e Silva, segundo Presidente da República do Brasil durante Regime militar no Brasil (1964-1985).

Filho de Mário Kozel e Therezinha Lana Kozel, Mário Kozel Filho, o “Kuka”, tinha dezoito anos quando deixou de frequentar as aulas e de trabalhar para iniciar o serviço militar obrigatório no 4º Regimento de Infantaria Raposo Tavares em Quitaúna, no município de Osasco, em 15 de janeiro de 1968. Em Quitaúna passou a ser o soldado nº 1.803 da 5ª Companhia de Fuzileiros do Segundo Batalhão.

Na madrugada de 26 de junho de 1968, após seis meses de iniciação no serviço militar, morreu em um atentado a bomba. Diógenes José Carvalho de Oliveira, Pedro Lobo de Oliveira e José Ronaldo Tavares de Lira e Silva, integrando um grupo de onze militantes da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), lançaram um carro-bomba, sem motorista, contra o Quartel General do II Exército, no bairro de Ibirapuera, em São Paulo. A guarda disparou contra o veículo, que bateu na parede externa do Quartel General. Mário foi em direção ao carro-bomba. A carga com 50 quilos de dinamite explodiu em seguida, atingindo uma área de raio de 300 metros. O corpo de Mário Kozel Filho foi despedaçado e saíram feridos gravemente outros seis militares.[1]

Os militares que saíram gravemente feridos no atentado foram: o Coronel Eldes de Souza Guedes e os soldados João Fernandes de Sousa, Luiz Roberto Juliano, Edson Roberto Rufino, Henrique Chaicowski e Ricardo Charbeau[2]. Foi sepultado com honras militares no Cemitério do Araçá. No atentado foram utilizados três automóveis Volkswagen Fusca e uma camionete. O atentado só não fez mais vítimas porque o carro-bomba não conseguiu penetrar no Quartel-General por ter batido em um poste.

Participaram da ação os seguintes integrantes do VPR: Waldir Carlos Sarapu (“Braga, “Rui”), Wilson Egídio Fava (“Amarelo”, “Laercio”), Onofre Pinto (“Ari”, “Augusto”, “Bira”, “Biro”, “Ribeiro”), Diógenes José Carvalho de Oliveira (“Leandro”, “Leonardo”, “Luiz”, “Pedro”), José Araújo de Nóbrega (“Alberto”, “Zé”, “Pepino”, “Monteiro”), Oswaldo Antônio dos Santos (“Portuga”), Dulce de Souza Maia (“Judith”), Renata Ferraz Guerra de Andrade (“Cecília”, “Iara”), José Ronaldo Tavares de Lira e Silva (“Dias”, “Joaquim”, “Laurindo”, “Nunes”, “Roberto Gordo”, “Gordo”), Pedro Lobo de Oliveira (“Getúlio”, “Gegê”), Eduardo Collen Leite (“Bacuri”, “Basilio”), integrante da REDE, outro grupo guerrilheiro.[3]

Em decreto de 15 de julho de 1968, Mário Kozel foi admitido no grau de cavaleiro no quadro ordinário do Corpo de Graduados Efetivos da Ordem Post-Morten da Ordem do Mérito Militar, pelo presidente da república Costa e Silva, que era o grão-mestre daquela ordem. Em consequência desse decreto, foi promovido, post-mortem, à graduação de 3º sargento.

Em sua homenagem, a avenida que passa em frente ao Comando Militar do Sudeste passou a ter o nome de “Avenida Sargento Mário Kozel Filho”.

Em 20 de agosto de 2003, através da lei federal nº 10.724, os pais de Mário Kosel Filho foram indenizados com uma pensão mensal de R$ 300,00 e depois aumentada para R$ 1.140,00, pela lei federal nº 11.257 de 27 de dezembro de 2005.

Em 2005, os deputados Elimar Máximo Damasceno e Jair Bolsonaro apresentaram um projeto de lei (PL-5508/2005)[4], na Câmara dos Deputados, que inscreve o militar Mário Kozel Filho no Livro dos Heróis da Pátria. Jair Bolsonaro apresentou também um projeto de lei (PL-1446/2007)[5] promovendo-o, ao posto de capitão, para que a pensão recebida pelos pais de Mário Kozel pudesse ser aumentada.

DILMA STELA ROUSSEF COLINA E O CASO DO COFRE DO ADHEMAR DE BARROS! Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e o Comando de Libertação Nacional (COLINA)

03/11/2007

RECORDANDO A HISTÓRIA

ADHEMAR

“A AÇÃO GRANDE OU O ROUBO DO COFRE DO ADHEMAR”

1. A FORMAÇÃO DA VAR-P
Em meados de 1969, duas organizações de linha foquista, a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) e o Comando de Libertação Nacional (COLINA) debatiam-se sufocadas pelo cerco dos órgãos de segurança. Esprimidas entre os sucessos dos atos terroristas e dos assaltos a bancos e as amarguras da prisão de dezenas de seus militantes, ambas buscaram, na fusão, um modo de rearticularem-se, formando uma única organização, mais poderosa e de âmbito quase nacional.
Assim é que, em junho e em julho, em duas casas do litoral paulista, respectivamente, em Peruíbe e em Mongaguá, os dois comandos nacionais realizaram a denominada Conferência de Fusão, em cujo Informe, datado de 07 de julho, já aparecia o nome da nova organização, a Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P), que iria, também, ganhar a adesão de militantes da Dissidência do Partido Comunista Brasileiro de São Paulo (DI/SP).
Foi eleito o seguinte Comando Nacional (CN), três oriundos de cada organização: Carlos Lamarca, Antônio Roberto Espinosa e Cláudio de Souza Ribeiro, da VPR, e Juarez Guimarães de Brito, sua esposa Maria do Carmo Brito e Carlos Franklin Paixão Araújo, do COLINA.
Apesar da fusão ter sido concretizada, as discussões da conferência não foram tranqüilas, transcorrendo num clima tenso e, por vezes, tumultuado. Os “massistas” oriundos do COLINA, melhor preparados politicamente, criticavam os “militaristas” da VPR, pelo “imediatismo revolucionário” que defendiam. Ao mesmo tempo, entrando com 55 milhões de cruzeiros e um grande arsenal de armas, munições e explosivos, os oriundos da VPR sentiam-se moralmente fortalecidos, em face do nenhum dinheiro e das duas metralhadoras Thompson e quatro pistolas trazidas pelo COLINA.
Entretanto, tudo foi esquecido quando Juarez Guimarães de Brito apresentou o seu trunfo, o planejamento da ” ação grande”, que poderia dar, à nova VAR-P, sua independência financeira.
2. A “AÇÃO GRANDE”
Gustavo Buarque Schiller, o “Bicho”, era um secundarista da então Guanabara que havia participado das agitações estudantis de 1968 e, através de militantes do diminuto Núcleo Marxista Leninista (NML), havia-se ligado ao COLINA. De família rica, morava no bairro de Santa Tereza, próximo à casa de seu tio, o médico Aarão Burlamaqui, que a havia cedido para ser a residência de sua irmã – tia do “Bicho”, Anna Gimel Benchimol Capriglione, tida como sendo a “amante do Adhemar”, ex-Governador de São Paulo. Ao ouvir que no cofre do casarão de sua tia, que morava na Rua Bernardino dos Santos, havia milhões de dólares,levou esse dado à organização.
No início de maio de 1969, “Bicho” recebeu de Juarez Guimarães de Brito a incumbência de realizar levantamentos mais acurados, com croquis e tudo, para um futuro assalto. Descobriu, então, que não havia só um, mas dois cofres, o segundo num escritório em Copacabana. Descobriu, também, que neles deveria haver de 2 a 4 milhões de dólares, além de documentos que poderiam incriminar, por corrupção, o ex-Governador Adhemar de Barros.
Juarez vislumbrou a ” ação grande”: num assalto simultâneo, arrecadaria recursos financeiros nunca antes conseguidos por uma organização e, com os documentos, poderiadesmoralizar um dos articuladores da Revolução de 1964.
Necessitando de mais dinheiro para o roubo dos cofres, Juarez decidiu executar o que denominou de “ação retificadora”, chefiando, em 11 de julho, o assalto à agência Muda do Banco Aliança, com os seguintes sete militantes da VAR-P: Darcy Rodrigues, Chael Charles Schreier, Adilson Ferreira da Silva, Fernando Borges de Paula Ferreira, Flavio Roberto de Souza, Reinaldo José de Melo e Sonia Eliane Lafoz. O assalto não proporcionou o resultado esperado: além de só terem conseguido 17 milhões de cruzeiros, foram perseguidos pela polícia, quando Darcy Rodrigues assassinou o motorista de táxi Cidelino Palmeira do Nascimento, causando “reflexos políticos negativos” para a nascente organização.
Por outro lado, o assalto ao cofre de Copacabana necessitava um tempo maior de planejamento, o que a “revolução” não poderia conceder. Decidiu, então, roubar o de Santa Tereza.
Na tarde de 18 de julho de 1969, os seguintes treze militantes da VAR-P, comandados por Juarez Guimarães de Brito (“Juvenal”, “Júlio”), invadiram o casarão de Anna Capriglione, disfarçados de policiais à cata de “documentos subversivos”: Wellington Moreira Diniz (“Lira”, “Justino”, “Mario”, “Lampião”, “Virgulino”), José Araújo de Nóbrega (“Alberto”, “Monteiro”, “Zé”, “Pepino”), Jesus Paredes Sotto (“Mário”, “Reis”, “Lu”, “Roque”, “Tião”, “Elmo”), João Marques de Aguiar (“Braga”, “Jeremias”, “Topo Gigio”), João Domingos da Silva (“Elias”, “Ernesto”), Flávio Roberto de Souza (“Marques”, “Mário”, “Juarez”, “Ernesto”, “Gustavo”), Carlos Minc Baumfeld (“Orlando”, “José”, “Jair”), Darcy Rodrigues (“Sílvio”, “Léo”, “Batista”, “Souza”), Sônia Eliane Lafoz (“Bonnie”, “Mariana”, “Clarice”, “Paula”, “Rita”, “Olga”), Reinaldo José de Melo (“Rafael”, “Maurício”, “Otávio”, “Douglas”), Paulo Cesar de Azevedo Ribeiro (“Ronaldo”, “Hilton”, “Comprido”, “Glauco”, “Ivo”, “José”, “Luiz”, “Osvaldo”, “Pedro”, “Rui”) e Tânia Manganelli (“Simone”, “Glória”, “Marcia”, “Patrícia”, “Sandra”, “Vera”).
Após confinarem os presentes a uma dependência do térreo da casa, um grupo subiu ao 2º andar e levou, através de cordas lançadas pela janela, o cofre de 200 Kg, colocado numa Rural Willys. Em menos de 30 minutos, consumava-se o maior assalto da subversão no Brasil.
Levado para um “aparelho” localizado próximo ao Largo da Taquara, em Jacarepaguá, o cofre foi arrombado com maçarico e com o cuidado de, antes, ser enchido de água através da fechadura, para evitar que o dinheiro se queimasse. Aberto, “os militantes puderam ver, maravilhados, milhares de cédulas verdes boiando”. Penduraram as notas em fios de nylon estendidos por toda a casa e secaram-nas com ventiladores. Ao final, 2.800.064,00 dólares atestavam o sucesso da ” ação grande”.
Entretanto, entre os documentos encontrados só havia cartas e papéis pessoais, nada que pudesse incriminar Adhemar de Barros, além das inevitáveis especulações sobre as origens da fabulosa quantidade de dólares.
3. O DESTINO DO BUTIM
O destino dado ao dinheiro nunca foi devidamente esclarecido, perdido nos obscuros meandros da cobiça humana sobrepondo-se à ideologia.
Juarez e Wellington Moreira Diniz deixaram todo o dinheiro no “aparelho” da Rua Oricá, 768, em Braz de Pina, sob a guarda de Luiz Carlos Rezende Rodrigues (“Chico”, “Negão”) e Edson Lourival Reis Menezes (“Miranda”, “Sérgio”, “Wander”, “Emílio”, “Gilson”). Dias depois, Juarez foi buscar o dinheiro e determinou que essas duas “testemunhas” viajassem para a Argélia: Luiz Carlos embarcou em 12 de agosto, a fim de comprar armas, e Edson, via Argélia, foi fazer um curso de guerrilha em Cuba. Cinco meses depois, já no início de 1970, de volta ao Brasil, Luiz Carlos pediu para o militante Jorge Frederico Stein levar a quantia de 220 milhões de cruzeiros do Rio Grande do Sul para a Guanabara, em duas viagens.
Cerca de 300 mil dólares foram colocados em circulação e sabe-se que muitos militantes receberam, cada um, 800 dólares para emergências e que os dirigentes passaram a viver sem dificuldades financeiras. Inês Etienne Romeu (“Alda”, “Isabel”, “Leda”, “Nadia”, “Olga”, “Tania”) recebeu 300 mil. Cerca de 1,2 milhão foi distribuído pelas regionais, para a aquisição de armas, “aparelhos” e carros, além da implementação das possíveis áreas de treinamento de guerrilhas. No final de setembro, Maria do Carmo Brito (“Lia”, “Madalena”, “Madá”, “Sara”) entregou ao Embaixador da Argélia no Brasil, Hafif Keramane, a quantia de 1 milhão de dólares. Em contas secretas da Suíça – depois transferidas para a França, foram depositados 250 mil dólares, dos quais 120 mil foram divididos, em 1974, pelos grupos remanescentes da VAR-P e 130 mil foram abocanhados por Lalemant, um francês intelectual de esquerda, editor e dono da livraria Marterout, em Paris.
Quanto ao Gustavo Buarque Schiller, o “Bicho”, seu destino foi mais claro, se não trágico, do que o dos dólares que ajudou a roubar. Logo após o assalto, passou para a clandestinidade, escondendo-se com Herbert Eustáquio de Carvalho, o “Daniel”. Depois, fugiu para o Rio Grande do Sul, onde usou os codinomes de “Luiz” e “Flávio”. Preso no final de março de 1970, foi banido para o Chile em 13 de janeiro de 1971, em troca da vida do embaixador suíço. Depois de passar longos anos de dificuldades financeiras na França, retornou ao Brasil com a anistia, em novembro de 1979. Movido por “conflitos existenciais”, suicidou-se em 22 de setembro de 1985, atirando-se de um edifício em Copacabana.
Com dólares, armas e militantes preparados, a VAR-P nascia grande e prometia tornar-se a maior das organizações subversivas brasileiras. Os conflitos ideológicos entre seus integrantes, originados de uma fusão que nunca desceu da cúpula dirigente às bases, acabariam por dividi-la e enfraquecê-la, facilitando a sua posterior destruição.

F. Dumont

TERRORISMO NUNCA MAIS

http://www.ternuma.com.br/historia.htm