Posts Tagged ‘Christianity’

How Soviet Intelligence Promoted Christian Marxism

30/12/2013

October 4, 2013 by 
Click Heredis

 

When you can’t beat them, join them. That’s what the Soviet Union did to curtail Christianity’s anti-communist influence. In a new book titled Disinformation, a covert campaign to discredit Pope Piux XII is revealed. In addition, the Soviets tried to influence the church with a Marxist-friendly version of Christianity.

The communists’ strategy against the church had three pillars: A propaganda offensive; the implanting of agents of influence and the promotion of Liberation Theology, an anti-Western spin on scripture.

Disinformation is written by Ion Mihai Pacepa, the highest-ranking Soviet bloc defector and Ronald Rychlak, Professor of Law at the University of Mississippi. A related documentary has also been released, titled Disinformation: The Secret Strategy to Destroy the West. They disclose how a primary target of Soviet “active measures” was Pope Pius XII.

“The Soviets understood that Pius XII was a mortal threat to their ideology, despising communism as much as he did Nazism. They thus embarked on a crusade to destroy the pope and his reputation, to scandalize his flock, and to foment division among faiths,” Rychlak told me in an interview.

The claim that Pope Pius XII was “Hitler’s Pope” originates in a 1945 broadcast from Radio Moscow or, in other words, the Soviet propaganda apparatus. Later, the Soviets reacted to his death in 1958 with a new disinformation campaign. It’s a lot easier to lie about someone when they can’t respond.

Pacepa, who was serving in Romanian intelligence at the time, says Soviet Premier Khrushchev approved the KGB-drawn plan in February 1960. It was code-named “Seat-12” and Pacepa says he was the Romanian representative for it. He is now publicly detailing his involvement.

Revealing this operation against Pope Pius XII isn’t only important for historical analysis. It teaches us a sober lesson about the effectiveness of enemy influence operations that are undoubtedly ongoing.

“It tells us that disinformation experts can convince us of anything. They took a person widely regarded as a champion of the Jews and other victims—someone who was despised by Adolf Hitler—and convinced the world that he was a virtual collaborator,” Rychlak said.

The second leg of the KGB’s anti-church strategy was to influence those it could not destroy using East Bloc churches, particularly the Russian Orthodox Church.

KGB defector Vasili Mitrokhin provided a secret 1961 directive to infiltrate the Russian Orthodox Church. The objective was to implant agents of influence that could then push out “reactionary” and “sectarian” church figures that were seen as threats to communism.

Mitrokhin disclosed a secret meeting of senior East Bloc intelligence officers in Budapest in July 1967. Two KGB officers gave instructions regarding “work against the Vatican; measures to discredit the Vatican and its backers; and measures to exacerbate differences within the Vatican and between the Vatican and capitalist countries.”

Pacepa illustrates the success of this operation with multiple examples. For example, in January 2007, the newly-appointed archbishop of Warsaw had to resign amidst revelations that he had been a secret collaborator with the Polish secret service during the Cold War.

Rychlak said that Soviet efforts to influence Protestants were also targeted. In 1944, the Soviets established the All-Union Council of Evangelical Christian Baptists, now named the Union of Evangelical Christian Baptists of Russia.

The president of the Institute on Religion and Democracy, Mark Tooley, haswritten about the communist use of the World Council of Churches.  He notes that hundreds of Protest and Orthodox churches belonged to it as it towed the Soviet line and even went so far as to finance Marxist guerillas.

The third leg was promoting an anti-capitalist, anti-Western brand of Christianity. If the KGB could not eliminate Christianity, it reasoned it might as well manipulate it. Liberation Theology was born.

Pacepa recalls hearing Khrushchev say in 1959, “Religion is the opiate of the people, so let’s give them opium.” He flatly says that Liberation Theology is “KGB-invented.” He has first-hand knowledge of secret Romanian agents being dispatched to Latin America to spread it among the religious masses.

Pope John Paul II had a Vatican committee study Liberation Theology in 1984, Pacepa documents in a 2009 article for FrontPage. It concluded that it was a mixture of “class struggle” and “violent Marxism.”

Robert. D. Chapman writes in the International Journal of Intelligence and Counterintelligence:

“Without doubt, the Theology of Liberation doctrine is one of the most enduring and powerful to emerge from the KGB’s headquarters. The doctrine asks the poor and downtrodden to revolt and form a Communist government, not in the name of Marx or Lenin, but in continuing the work of Jesus Christ, a revolutionary who opposed economic and social discrimination.”

In my interview with Rychlak, Pacepa’s co-author of Disinformation, he remarked that the book was written today for a reason. These strategies are still in play.

“When Nazism was removed from Germany, we had de-Nazification panels…That never happened when the Soviet Union fell. The same people were left in charge,” Rychlak said.

He continued, “In fact, today Russia is run by a former KGB officer who has surrounded himself with his old associates. We are looking at the first superpower that is being run by intelligence officers.”

Pacepa is trying to wake the West up about how its enemies, including him in his past life, exploited its weaknesses. It isn’t easy to admit that one has been manipulated or beaten in some way but the West must, or it will happen again.

This article was sponsored by the Institute on Religion and Democracy.

O Natal narrado por Lucas, um grego:

22/12/2013

O nascimento de Jesus, (Yeshua  – Ya Salvará – Mesmo nome do sucessor de Moisés, Josué – e isso não é coincidência) considerando como sendo em 25 de dezembro – a Anunciação à Myrian, (Maria), foi, então, em 25 de março; isto supondo a gravidez da mulher durasse os mesmos 9 meses de hoje. Isso há 2 mil anos.

O significado do nome Myrian é incerto.

Maria não contou nada a ninguém como até hoje as hebreias guardam segredo enquanto podem. Considerado uma benção, não saem contando vantagem.

José (de Ioseph, a forma latina do grego Ιωσηφ, o qual vem a partir do nome hebraico יוֹסֵף que significa “EL Acrescentará” – nome também sugestivo e com relação direta com o acontecido, como ocorre com todos os nomes de pessoas na Bíblia), quando percebe a gravidez (em junho talvez), também não fala com Maria a respeito.

Caso José denunciasse, Maria morreria; fugindo José, menos mal; Maria seria mãe solteira, teria vida extremamente difícil, e José tido como o pai da criança (Yeshua Ben יוֹסֵף). José seria visto como alguém que engravidou, e, fugiu em seguida.

Maria quando disse sim, em 25 de março, sabia da tremenda dificuldade que ia passar.

Lucas, apesar de ser grego, narra de forma extremamente fiel ao comportamento hebraico. Se contasse uma história romana ou ateniense, seu evangelho seria apócrifo.

Uma moça brasileira, de hoje, 2013, não vê o menor sentido neste texto, pois, sai logo, correndo a contar a gravidez, logo que começam os enjoos.

Outro aspecto do Evangelho de Lucas que é totalmente fiel aos hebreus é o Magnificat: – Um judeu famoso, comentando esta passagem de Lucas, contou que soube que sua mãe também fez um louvor deste tipo a Deus; ela que jamais ouvira falar do Evangelho (Anúncio) de Lucas.

O Magnificat é um apanhado de vários trechos bíblicos, mostrando Maria como profunda conhecedora da Bíblia (Tanack).

Exemplo: de Ben Sirac 10.14: “O Senhor derrubou do trono os soberbos, e sobre ele fez sentar-se os oprimidos“.

Tanto José, quanto Maria, jamais contaram nada, sendo visto Jesus, por todos sempre, em Nazaré, como filho legítimo de José, e, filho legítimo de Maria. Nem legitimado, nem natural, nem exposto; filho legítimo (Yeshua Ben יוֹסֵף).

Refuting Obama’s Statement that America was not a Christian Nation

02/12/2013

“Whatever we once were, we are no longer a Christian nation.”

– President Barack Obama, June 28, 2006

Wouldn’t it be interesting to find out “whatever we once were”?

Originally, laws that governed personal behavior were under states’ jurisdiction, not federal.

ChristianNation01

 

People today are aware that some states allow minors to consume alcohol, and others do not; some states have smoking bans, and others do not; some states allow gambling, and others do not; some states attempt to limit the Second Amendment, and others do not; some states allow gay marriage, and others do not; and one state allows prostitution, while the rest do not.

At the time the Constitution was written, religion was under each individual state’s jurisdiction, and each state expanded religious tolerance at its own speed.

The U.S. Constitution went into effect June 21, 1788, when two-thirds of the states ratified it.

What was in those original 13 state Constitutions concerning religion at the time those states ratified the U.S. Constitution? [Caps added throughout for emphasis.]

DELAWARE – first to ratify the U.S. Constitution, stated in its 1776 state constitution:

“Every person … appointed to any office … shall … subscribe … ‘I … profess faith in GOD THE FATHER, and in JESUS CHRIST His only Son, and in the HOLY GHOST, one God, blessed for evermore; and I do acknowledge the Holy Scriptures of the Old and New Testament to be given by Divine inspiration.’”

PENNSYLVANIA – second to ratify the U.S. Constitution, stated in its 1776 state constitution, signed by Ben Franklin:

“Each member, before he takes his seat, shall … subscribe … ‘I do believe in one GOD, the Creator and Governor of the Universe, the Rewarder of the good and the Punisher of the wicked. And I do acknowledge the Scriptures of the Old and New Testament to be given by Divine Inspiration.’”

NEW JERSEY – third to ratify the U.S. Constitution, stated in its 1776 state constitution:

“All persons, professing a belief in the faith of any PROTESTANT sect, who shall demean themselves peaceably under the government … shall be capable of being elected.”

GEORGIA – fourth to ratify the U.S. Constitution, stated in its 1777 state constitution:

“Representatives shall be chosen out of the residents in each county … and they shall be of the PROTESTANT religion.”

CONNECTICUT – fifth to ratify the U.S. Constitution, retained its 1662 Colonial Constitution, which was established PROTESTANT CONGREGATIONAL, till 1818:

“By the Providence of GOD … having from their ancestors derived a free and excellent Constitution … whereby the legislature depends on the free and annual election. … The free fruition of such liberties and privileges as humanity, civility and CHRISTIANITY call for.”

MASSACHUSETTS – sixth to ratify the U.S. Constitution, stated in its 1780 state constitution, written by John Adams:

“Any person … before he … execute the duties of his … office … [shall] subscribe … ‘I … declare, that I believe the CHRISTIAN religion, and have a firm persuasion of its truth.’ … The legislature shall … authorize the support and maintenance of public PROTESTANT teachers of piety, religion and morality.”

MARYLAND – seventh to ratify the U.S. Constitution, stated in its 1776 state constitution:

“No other test … ought to be required, on admission to any office … than such oath of support and fidelity to this State … and a declaration of a belief in the CHRISTIAN religion.”

SOUTH CAROLINA – eighth to ratify the U.S. Constitution, stated in its 1778 state constitution:

Read more: http://freedomoutpost.com/2013/12/refuting-obamas-statement-america-christian-nation/#ixzz2mJ855SC2
Read more at http://freedomoutpost.com/2013/12/refuting-obamas-statement-america-christian-nation/#DOPc773PQw2RK4JG.99

A Visão de Estadista de Margareth Thatcher

15/09/2013

Margaret Thatcher insistia que:

“Não façamos projetos, sigamos princípios. Seguindo princípios, cada um os aplicará no caso concreto à sua vida e ao seu projeto pessoal. Ao invés de obrigar por meio de um plano governamental a “abolição da propriedade privada da terra”, como determinava a Constituição da União Soviética no art. 3º (e também determinava no mesmo artigo a “impiedosa repressão da resistência dos exploradores” que se opusessem a isso), Thatcher adotou o princípio da liberdade e da propriedade e deixou que cada cidadão britânico os aplicasse em suas vidas particulares, em seus próprios projetos, sem o governo a controlar-lhes e a dizer como seriam suas vidas. O resultado foi o maior boom econômico da história recente da Grã-Bretanha.

Princípios são perenes; princípios e valores são válidos em todos os tempos, em todos os lugares, para todos. Qual homem nunca quis ser realmente livre? Qual homem nunca defendeu sua casa – sua propriedade – e sua família que lá morava? Qual homem nunca buscou a felicidade?

Vida, liberdade e a busca da felicidade, estes são os fins da sociedade humana, os fins a que o governo deve sempre servir. Esses princípios nos fornecem o critério pelo qual o nosso progresso deve ser julgado” (Margaret Thatcher, Discurso “A consciência pode fazer de todos nós homens livres”, 14 de dezembro de 1978).

Há valores válidos de forma eterna e universal: a vida – sem a qual nenhum direito pode ser garantido –, a liberdade, a propriedade, a família, o direito de buscar a própria felicidade, o direito de falar…

“Enumerei os princípios que eu acredito que devem nos guiar. Sugeri que há alguns que devem ser observados sempre e em toda parte, princípios que são preceitos morais, não apenas metas desejáveis ​​do esforço humano […]. Quaisquer que sejam as licenças que tenhamos de dar quando aplicamos os nossos princípios em face da diversidade e do erro humano, nós ainda podemos manter os nossos princípios claros. Nós não podemos justificar o que é injustificável, aceitar como verdade o que sabemos ser falso, podemos evitar colocar o nosso selo de aprovação sobre o que não pudermos impedir. ‘Acima de todas as liberdades’, escreveu Milton, ‘dê-me a liberdade para saber, para proferir e discutir livremente de acordo com a consciência.’ A consciência pode fazer de todos nós homens livres” (Margaret Thatcher, Discurso “Conscience can make free men of us all”, 14 de dezembro de 1978).

Os princípios que defendeu, os valores pelos quais lutou: este é o mais importante legado de Margaret Thatcher, o que ela realmente quis deixar para a posteridade.

Vida, liberdade e busca da felicidade

Como vimos há pouco, Thatcher mencionava essa tríade de princípios como a mais fundamental. De fato, há diversos outros valores perenes, mas todos encontram sua substância nestes três. A vida é o mais fundamental de todos: sem ela é impossível qualquer um ser livre, ter sua propriedade e buscar a própria felicidade. A busca da felicidade, por sua vez, é o ideal do homem: já Aristóteles dizia que a busca incessante do homem era a felicidade, e Cristo propunha a salvação, isto é, a bem-aventurança e felicidade completa em Deus.

Mas Thatcher, apesar de enumerar a tríade que ela considerava fundamental nos princípios que defendia, cresceu e atuou politicamente numa conjuntura em que um deles, em especial, era atacado de todos os lados: a liberdade.

O valor da liberdade é o que mais encontramos na vida e nos discursos da Dama de Ferro. Ela desenvolveu um verdadeiro corpo de ensinamentos sobre a liberdade. Thatcher entendia que, para buscar a própria felicidade, o ser humano deveria ser livre e não tutelado por um governo controlador que lhe dissesse o que devia fazer, como acontecia nas ditaduras comunistas que enfrentou em sua época. O governo não deveria determinar como as pessoas deviam usar seu dinheiro ou seus bens, mas cada um deveria investir onde entendesse lhe dar mais retorno. Thatcher promoveu uma verdadeira reforma econômica e desoneração de tributos, no que ela chamava de “capitalismo popular”: dar a cada cidadão, do mais pobre ao mais rico, o direito de ter sua propriedade, de ter algo para chamar de seu, e de investir nela livremente. Liberdade econômica que levou ao crescimento.

“A essência de uma sociedade livre é que há áreas inteiras da vida onde o Estado não tem nada que ver, não tem o direito de interferir. O movimento espontâneo de união das pessoas em torno de um interesse comum leva a relações criativas entre elas de uma maneira que grupos criados pela força da autoridade nunca poderiam competir. Muitos dos melhores resultados da nossa história derivam disto” (Margaret Thatcher, Discurso “The Ideals of an Open Society”, 6 de Maio de 1978).

Mas era mais do que só liberdade econômica. Era também a liberdade de viver, de falar e de pensar sem o controle da burocracia governamental, mas pela própria consciência – “A consciência pode fazer de todos nós homens livres”, dizia ela, citando Milton.

Óbvio que, se de um lado Thatcher lutava contra as ditaduras – e era também uma luta contra as “ditaduras disfarçadas”, aqueles países que diziam ser livres e controlavam a vida dos cidadãos por uma série de leis restritivas de pensamento e de propriedade, como é o modelo brasileiro atual –, a Dama de Ferro estava ciente de que havia um outro perigo: o risco de que a liberdade se tornasse libertinagem.

Nem tanto ao mar, nem tanto à terra. Se há liberdade, não se pode esquecer de que há valores morais que legitimam esta liberdade. Não há liberdade para fazer o mal ou defender o erro: liberdade de assassinar, de roubar, de destruir famílias; não existe. A liberdade é uma liberdade de fazer o bem, não o mal. É por isso que toda liberdade deve estar amparada na moralidade. Cristo dizia que “conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará”, condicionando a liberdade à verdade. Há, portanto, um conjunto de valores morais verdadeiros que tornam a liberdade – também ela – verdadeira. Sem isso esta se perderia em libertinagem. E as leis do estado só são legítimas se protegem esse conjunto de valores: uma lei que protege a vida e a família deve ser seguida, pois garante a verdadeira liberdade; uma lei que ofende a vida e a família é ditatorial e destrói a liberdade.

“Isso significa que devemos ter liberdade e devemos ter moralidade – sozinhas não são suficientes. Porque a liberdade torna o homem livre para fazer o mal tanto quanto para fazer o bem, ela só pode florescer sob a proteção de uma lei justa e imparcial. O papel mais importante do estado em uma democracia é defender o Estado de Direito.” (Margaret Thatcher, Discurso “Conscience can make free men of us all”, 14 de dezembro de 1978).

“Eu trabalho por uma sociedade livre e responsável. Liberdade não é sinônimo de uma vida fácil. Na verdade, a minha fé na liberdade não se baseia em última instância em argumentos utilitaristas. […] Há muitas coisas difíceis sobre a liberdade: ela não lhe dá segurança, ele lhe cria dilemas morais, exige auto-disciplina, impõe grandes responsabilidades, mas esse é o destino do homem e, em tal consiste a sua glória e salvação. Mais ainda: mesmo quando a liberdade parece estar trabalhando contra a harmonia social, como às vezes acontece, é preciso lembrar que ele tem o seu próprio valor intrínseco, justamente porque os homens e as mulheres nasceram para ser livres” (Margaret Thatcher, Discurso “I BELIEVE – A Speech on Christianity and Politics”, 30 de março de 1978).

E se a liberdade se torna libertinagem, já não é mais liberdade, é escravidão à desordem, ao caos, à destruição:

“A liberdade destruirá a si mesma se não for exercida dentro de algum tipo de embasamento moral, um corpo de crenças comuns, alguma herança espiritual transmitida através da Igreja, da família e da escola. Ela também irá destruir a si mesma se não tem nenhum propósito. Há uma oração bem conhecida que se refere ao serviço de Deus como ‘perfeita liberdade’. Meu desejo para o povo deste país é que haveremos de ser ‘livres para servir’” (Margaret Thatcher, Discurso “I BELIEVE – A Speech on Christianity and Politics”, 30 de março de 1978).

Modernidade demais, valores de menos

Margaret Thatcher foi uma mulher dos nossos tempos. E, nestes nossos tempos, defendeu os princípios de sempre, mostrando que eles não são coisa de museu, que têm lugar nos dias atuais. Ela era consciente de que sem estes princípios não havia propósito algum para viver, a sociedade e o ser humano se destruiriam a si próprios por não terem um caminho seguro pelo qual trilhar. Por causa disso, a luta pelos valores era a luta mais importante. Não bastava derrubar a União Soviética, destruir pela guerra uma ditadura. Não. Era preciso restaurar a cultura, restaurar os princípios esquecidos. Ainda hoje essa é a luta mais importante: idéias não são destruídas por armas, mas por outras idéias. “Precisamos apenas substituir as más idéias por idéias melhores”, dizia o economista Ludwig Von Mises, uma das influências da Dama de Ferro.

“Nunca antes os nossos valores mais básicos, os valores cristãos que vão de encontro às tradições hebraicas e gregas, foram tão ameaçados como são hoje. A vida em família, a inocência das crianças, a decência pública, o respeito pela lei, o orgulho de um bom trabalho, o patriotismo, o democracia, todos estão sob ataque. […] Para derrotar os sabotadores precisamos de coragem moral fundamentada em crenças e valores atestados. Armados desta coragem, podemos erguer-nos perante a ameaça, o escárnio e a difamação. Nossos antepassados ​​se levantaram contra coisas muito piores e venceram” (Margaret Thatcher, Discurso “Heritage under Attack”, 9 de setembro de 1977).

Eis o verdadeiro legado de Margaret Thatcher.

_____

Nota: Todos os trechos de discursos de Margaret Thatcher foram traduzidos a partir dos originais disponíveis em Margaret Thatcher Foundation (http://www.margaretthatcher.org).

Quem merece Surra são os pais e padrinhos

19/08/2013

Antes dos 25/30 anos, essas menininhas bonitinhas adoram um paus no cu de traficante, bandido e vagabundo…

Só depois de ter rodado de bunda na pica desses meliantes é que elas se dão conta que os que valem a pena, são aqueles otários que faziam a lição e trabalho escolar DELAS ou algo parecido..

.Ae, já com idade avançando, elas encontram Jesus e se fingem de santa pra ver se algum desses OTÁRIOS assumem filhos de penitenciários, ou ex-penitenciários e outros vagabundos do “gênero”..

971589_427095264075707_294445255_n

Seis crentes de Jesus Cristo, uma Padre e cinco fiéis, assassinados na Missa do Galo de 2012, na Nigéria. Devemos ser tolerantes com os assassinos, é a cultura deles. É o que nossa cultura politicamente correta ensina.

25/12/2012

Quando os Cristãos vão entender que o Islã quer nos destruir?

Deu no Le Figaro:

 

http://www.lefigaro.fr/international/2012/12/25/01003-20121225ARTFIG00070-nigeria-six-chretiens-abattus-pendant-la-messe-de-minuit.php?fb_action_ids=4895975724847&fb_action_types=og.likes&fb_source=other_multiline&action_object_map=%7B%224895975724847%22%3A138396036315671%7D&action_type_map=%7B%224895975724847%22%3A%22og.likes%22%7D&action_ref_map=%5B%5D

 

Nigeria : six chrétiens abattus pendant la messe de minuit

Mots clés : 

Par lefigaro.frMis à jour le 25/12/2012 à 20:07 | publié le 25/12/2012 à 16:53 Réactions (60)

L'église Sainte Thérèse à Madalla avait été visée par un attentat le 25 décembre 2011.
L’église Sainte Thérèse à Madalla avait été visée par un attentat le 25 décembre 2011. Crédits photo : Sunday Aghaeze/AFP
  • inShare

Cette attaque d’une eglise évangélique au nord du pays porte la marque du groupe islamiste Boko Haram.

Comme l’année dernière, les fêtes de Noël auront été endeuillées par un attentat anti-chrétien au Nigeria. Des hommes armés ont attaqué dans la nuit de lundi à mardi une église dans le nord du pays, tuant six personnes, dont le prêtre. «Un groupe d’hommes armés a fait irruption dans le village à minuit et ils sont allés directement dans l’église (…) Ils ont ouvert le feu et tué le prêtre et cinq fidèles. Puis ils ont mis le feu à l’église», rapporte Usman Mansir, un habitant du village de Peri, près de Potiskum, la capitale économique de l’Etat de Yobe.

Selon lui, c’est une branche de l’Eglise évangélique d’Afrique de l’Ouest qui a été visée. Alors que la population de Yobe est majoritairement musulmane, le centre commercial de Potiskum compte une importante minorité chrétienne.

L’attentat, qui n’a pas encore été revendiqué, semble porter la marque deBoko Haram. Ce groupe islamiste affilié à al-Qaida a en effet mené récemment plusieurs attaques à Yobe, proche de la ville de Maiduguri, berceau du groupe. Leur objectif est de créer un État islamique dans le nord du Nigeria, dont les habitants se plaignent d’être délaissés par rapport au sud majoritairement chrétien, plus développé et où se trouvent les puits de pétrole.

 

Une voiture carbonisée près de l'église Sainte Thérèse à Madalla,
Une voiture carbonisée près de l’église Sainte Thérèse à Madalla,Crédits photo : Sunday Aghaeze/AFP

 

Depuis le début de l’année, Boko Haram a commis 14 attaques contre des églises catholiques ou des rassemblements de fidèles, ainsi qu’un attentat contre un temple évangélique.

3000 morts depuis 2009

Ces attaques ont commencé en 2009. Elles ont souvent entraîné des représailles de la part des chrétiens et une dure répression par les forces de l’ordre. Une véritable guerre qui a déjà fait plus de 3000 morts au Nigeria, pays le plus peuplé d’Afrique et principal producteur de brut du continent.

Au Vatican, le pape Benoît XVI a lancé mardi plusieurs appels pour des solutions de paix en Afrique, notamment au Nigeria et au Kenya, frappés par «d’atroces» attentats islamistes visant des lieux de culte. Le pape a demandé «le retour de la concorde au Nigeria, où d’atroces attentats terroristes continuent à faucher des victimes, en particulier parmi les chrétiens, et condamné «les sanglants attentats qui ont touché la population civile et les lieux de culte» au Kenya. Il a aussi évoqué les conflits en RDCongo et au Mali