Posts Tagged ‘arena’

50 anos da Revolução de 31 de março de 1964 que salvou o Brasil – Sem a Revolução hoje seríamos um país comunista

27/03/2014

1964 é Hoje   – – – 1964 é Hoje 

Estudantes comunistas da Universidade Federal de Santa Catarina tiram a Bandeira do Brasil e colocam a bandeira comunista,

Estudantes patriotas colocam a Bandeira do Brasil no mastro novamente.

14:00 TV ALERG censura pronunciamento:

Neste momento, TV ALERJ corta sinal e censura sessão sobre 31 de março conduzida por Flávio Bolsonaro. Se vivêssemos em uma democracia, haveria também uma sessão em Brasília.

1186263_202497713245812_1068077625_n

1964 é Hoje

1522194_278781315621720_1862649147_n

1535704_548653168586638_2013359848_n

1009954_404113936402129_1070646562_n

1499622_555368114571431_1120180699_n

1978692_439830369485449_1629176467_n

1555318_832820540068760_1823353768_n

Apesar da retirada pelo Governo do 31 de Março do calendário comemorativo nacional, a lembrança do glorioso Movimento em defesa da Democracia, desencadeado pelo Povo Brasileiro em 1964, permanece mais viva do que nunca na sua memória.

31 de março de 1964 é a data histórica que marcou um “basta” contra os desmandos e a ausência de autoridade que o próprio Governo instalado patrocinava, com o propósito de levar o País ao caos e ao descontrole institucional.

1070095_654749851247652_412839489_n

Tal anarquia atendia à estratégia final que levaria à iminente instalação no País de um regime totalitário-sindicalista com inspiração bolchevista.

Instadas pela própria população, as Forças Armadas assumiram o comando das ações, atuando emergencialmente para restaurar a ordem, e, finalmente, dominar a subversão em todas as formas em que se manifestou.

1966907_648986838470860_2141324522_n

Daí em diante, o controle do Estado foi definitivamente restabelecido e reorganizada a administração nacional, que alcançou um desenvolvimento sustentado com sucessivos recordes de crescimento econômico.

1011755_10152661973395130_22105855_n

O tempo passou, muita coisa aconteceu nesses quarenta e sete anos, quase meio século, e o País recebeu, entre outros, um excepcional legado de infraestrutura básica, adquirindo, desse modo, energia para garantir a continuidade do progresso econômico.

Infelizmente, uma parcela de inconformados ainda trabalha negativamente, tentando alcançar os mesmos objetivos retrógrados do passado.

Assim, nuvens negras voltam a pairar, ameaçadoramente, nos nossos horizontes.

1979543_10152672074615130_1400411105_n

Eles, hoje, atuam de forma diferente. Não pela ameaça do terrorismo ou das guerrilhas e, sim, pela letra do manual “gramsciano” – passo a passo – com paciência e perseverança, procurando anestesiar a opinião pública por meio do favorecimento financeiro e da propaganda insidiosa.

Essa estratégia de “aparvalhamento” da Sociedade apresenta-se com as seguintes faces:

•Ocupação dos cargos públicos (e muitos privados), em todos os níveis, por militantes do partido do Governo;

•Suborno coletivo com dinheiro público, mormente, junto às populações menos favorecidas e sem acesso à informação de qualidade;

•Propaganda governista, por parcela da mídia mercenária, no rádio, nos jornais, na televisão e no cinema;

1979892_427331857410436_1410705601_n

•Atuação no setor educacional pelo controle dos currículos e dos livros didáticos, incluindo, aqui, a sutil penetração nos estabelecimentos militares de ensino;

•Uma fraca oposição político-parlamentar, caracterizando a figura do “partido único”.

Todo esse aparato, dirigido pelo comando centralizado de uma minoria atuante, tem transformado o regime brasileiro em autêntica ditadura, travestida de democracia virtual.

Dentro desse quadro, as Forças Armadas, como Instituição não cooptável por tais manobras, passaram a ser alvos de irresponsáveis medidas que visam ao seu enfraquecimento ou eventual extinção/substituição. Não só pela prática de sistemática campanha que tenta aviltar a história militar brasileira, como pela gradativa e perigosa redução de sua capacidade operativa.

1487389_767668519923748_966417542_n

Com insuficientes orçamentos, protelação das decisões para renovação do material de defesa e constantes reduções do padrão salarial do pessoal militar, tentam atingir o moral e a vontade da Instituição.

É preciso que os neófitos entendam que só existe soberania se ela for respaldada por força de defesa competente, e que sem soberania não pode subsistir o Estado nacional.

No cenário internacional, temos tido freqüentes exemplos de imposição da vontade do mais forte sobre países de expressão militar limitada.

Urge, portanto, que a atual Presidente contenha os arroubos dessa minoria inconseqüente, procurando anular-lhes as intenções mesquinhas, que poderão fazer recrudescer animosidades do passado, dificultando as legítimas ações governamentais e, até mesmo, comprometendo o equilíbrio institucional do País.

Por que não trabalharmos todos no sentido único de fazer crescer e desenvolver o Brasil no rumo de seu inexorável destino de grande nação?

O que querem, afinal, esses inconsoláveis perdedores?

1098423_486642188107430_1922216687_n

1486730_1415420378711216_260034876_n

1979611_1424234451158013_884480055_n

1009761_397706233672262_1635560534_n

AGORA VEJA O QUE É O PT NO GOVERNO

1150382_429040260575680_1633057595_n

Bj7EUJQIEAEeHGK

█ Jornalista que critica governo do PT é afastado de jornal do SBT no Paraná

O jornalista Paulo Eduardo Martins, evangélico e comentarista da Rede Massa, afiliada do SBT no Paraná, participou nesta sexta (28) pela última vez do “Jornal da Massa”, apresentado às 7 da manhã.

Em sua conta no Facebook, ele anunciou sua saída do matutino: “Amigos, hoje (28) fiz minha última participação no Jornal da Massa. Por uma decisão legítima da direção da Rede Massa, o telejornal não mais contará com comentaristas. Agradeço aos que acompanharam e compartilharam o programa, aos colegas de bancada Denian Couto, Ogier Buchi, Ruth Bolognese e também a todos da emissora por terem sustentado o formato que nos proporcionou fazer o debate e enfrentar as amarras culturais que envolvem a imprensa brasileira. Sigo como colunista do telejornal SBT Paraná. A vida segue”.

No estado, a informação é de que ele teria sido afastado do noticiário por pressão do governo federal, que ameaçou retirar os patrocínios de estatais do programa. Paulo Eduardo é um crítico ferrenho do governo do PT, que ele chama de “comunista” e “ditatorial”.

O notícia gospel, através do repórter Sandro Nascimento, entrou em contato com Paulo, que negou a versão que está correndo nas redes sociais.

Porém, ele disse que não está contente com fato e confessa que fazia algo diferente na TV brasileira, mas reafirma que sempre teve liberdade total nos comentários: “Sim, de fato eu e o outro comentarista, Ogier Buchi, fomos afastados do jornal. A empresa decidiu apostar em um formato mais convencional, apenas com notícias, apesar do programa ocupar o segundo lugar na audiência. Não posso dizer que estou contente, mas entendo como uma decisão legítima por parte da empresa. Ela têm liberdade para apostar nesse ou naquele formato. Sempre fui um crítico severo do governo do PT, mas não posso atribuir a mudança a uma intervenção do governo. Não tenho informação de nenhum movimento nesse sentido. Seria leviano da minha parte afirmar algo assim. Os recados chegam sempre de um ou de outro. É preciso reconhecer que o que vinha sendo feito não era lá muito comum no jornalismo televisivo. Lamento muito a mudança, pois o ‘JM’ nos proporcionou tratar de temas que a imprensa não tem interesse em tratar, como o Foro de São Paulo e o projeto totalitário do PT. E sim, sempre tive muita liberdade”.

Por fim, Paulo Eduardo Martins declara que não foi demitido do canal, já que ele continua com uma coluna no noturno “SBT Paraná”: “Eu continuo com a coluna no SBT PR, que é o telejornal noturno da emissora. Não fui demitido. Fui afastado do JM, que é o telejornal matutino. Ficou claro que um comentarista deve estar intelectualmente e emocionalmente preparado para realmente dizer e sustentar o que pensa, sem se assustar com bandos organizados e barulhentos que não compreendem a liberdade de expressão e ainda, que é preciso ter coragem e entender que a realidade dói e que a dor sempre causa reação”.

Procurada pelo NaTelinha, a assessoria de imprensa da Rede Massa não retornou os contatos até o fechamento desta matéria.A emissora, vale lembrar, pertence ao apresentador Ratinho, que a comprou em 2008. E é vice-líder isolada de audiência em todo o estado.

Os milhões de votos da ARENA – Aliança Renovadora Nacional foram anulados pelos professsores comunistas

29/08/2013

1280870_156557541217294_812041913_n

944781_641974995813304_2056307466_n

história da ARENA arena x mdb, eleições de 1970 1974 1978 ulisses sublegendas casuísmos eleitorais REGIME MILITAR APOIO CIVIL POLÍTICOS ARENISTAS POLÍTICOS ELEIÇÕES 1964 AI-2 MDB ARENA revolução de 1964 militares e política Aliança Renovadora Nacional

08/01/2010

A Aliança Renovadora Nacional (ARENA) era um partido político brasileiro criado com a intenção de dar sustentação política ao governo militar instituído a partir da Revolução de 1964 que foi feita para impedir a implantação do comunismo no Brasil.

No programa do partido, adotado em convenção nacional, realizada, em Brasília, em 21 de setembro de 1975, a ARENA assim se posicionou em relação à sua criação e sua existência:

Expressão política da Revolução de Março de 1964, que uniu os brasileiros em geral, contra a ameaça do caos econômico, da corrupção administrativa e da ação radical das minorias ativistas, a ARENA é uma aliança de nosso povo, uma coligação de correntes de opinião, uma aliança nacional“.

Fundada no dia 4 de abril de 1966, a ARENA era um partido político predominantemente conservador. A criação da ARENA se deu em decorrência do Ato Institucional Número Dois, de 27 de outubro de 1965, e do Ato Complementar nº 4, de 20 de novembro de 1965, baixados pelo regime militar, os quais terminaram com o pluripartidarismo existente, naquela época, no Brasil, e extiguiram os 13 partidos políticos legalizados, então existentes no Brasil, e determinaram a implantação do bipartidarismo no Brasil. Seus membros e eleitores eram chamados de “arenistas”.

Em 20 de dezembro de 1979, pela lei nº 6.767, o pluripartidarismo foi restaurado no Brasil, e, a ARENA foi rebatizada de Partido Democrático Social (PDS). Mais tarde, um grupo de políticos do PDS abandonaram o partido e formaram a “Frente liberal”, a qual, depois, tornou-se o Partido da Frente Liberal (PFL), atual DEM. O PDS, posteriormente, mudou o seu nome para Partido Progressista Renovador (PPR), e depois para Partido Progressista Brasileiro (PPB), que hoje se chama Partido Progressista (PP).

O bipartidarismo gerou, no Brasil, de 1966 a 1979, duas correntes políticas, a situacionista formada pela ARENA e a corrente oposicionista formada pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB). A ARENA era chamada de “A situação” e o MDB de “A oposição”.

Índice:

1 A Revolução de 1964

2 As eleições estaduais de 1965

3 O AI-2 e a criação da ARENA e do MDB

4 As questões sobre a história da ARENA

5 O Programa da ARENA de 1976

6 Conceito de ditadura e bipartidarismo

6.1 Ditadura

6.2 Bipartidarismo

7 A força da ARENA, as leis eleitorais e o “Caso Marcito”

8 Principais líderes da ARENA

9 A ARENA nas eleições de 1968 a 1978

10 De ARENA ao Partido Progressista e os Democratas

11 Ligações externas

12 Bibliografia

A Revolução de 1964:  Na tumultuada cena política de 1964, militares de baixa patente, em especial da Marinha e da Aeronáutica, declaravam seu apoio, em manifestações públicas, aos atos, atitudes e leis de caráter esquerdista do presidente da república João Goulart. Este dava indicações de querer dar um golpe de estado que teria o objetivo de conseguir sua reeleição à presidência e a implantação de um governo mais radical de esquerda ou um governo nos moldes de uma república sindicalista inspirada no peronismo da Argentina. Esse golpe de estado, que se acredita que João Goulart preparava, provocaria mudanças sociais e políticas contundentes no Brasil. Essa atitude de João Goulart desagradava os democratas e católicos no Brasil que não queriam e não querem um regime totalitário ateu no Brasil. Ontem hoje e nunca.

Então, no dia 2 de abril de 1964, o presidente do Congresso Nacional, Senador Auro Soares de Moura Andrade declara vago o cargo de presidente e o vice-presidente da república do Brasil, pois o sr. João Goulart havia se refugiado no Uruguai, na sequência de uma movimento armado iniciado em 31 de março e que contou com apoio da maioria dos governadores dos estados. O General Mourão Filho, que desencadeou o golpe militar em 31 de março de 1964, declarou que o presidente João Goulart fora afastado do poder porque abusava deste, e que os militares iriam defender a Constituição.

Assumiu o poder no Brasil, militares liderados pelo general Humberto de Alencar Castelo Branco que assumiu a presidência da república em 15 de abril de 1964. Os militares mantiveram os 13 partidos políticos existentes e o Congresso Nacional funcionando. Esse governo militar intitulou sua chegada ao poder de Revolução de 31 de março de 1964, (nome dado oficialmente pelo Ato Institucional AI-1 e mantido nos demais atos institucionais), e declarou ter, essa “revolução”, o objetivo de acabar com a subversão e a corrupção. Foram mantidas, a princípio, as eleições presidenciais marcadas para 3 de outubro de 1965, porém preferivelmente sem a presença de candidatos da extrema esquerda, pois Leonel Brizola e outros líderes esquerdistas tinham perdido seus direitos políticos e foram exilados.

Durante as conspirações que resultaram no golpe militar de 1964, Costa e Silva, que aderira na última hora ao golpe, tinha desempenhado o papel de coordenador das tropas golpistas na cidade do Rio de Janeiro, e, após o desenlace do golpe militar, Costa e Silva assumiu o ministério da Guerra e fez gradativamente crescer sua influência até se tornar o principal representante da linha dura do Exército que desejava um endurecimento maior do regime militar. Costa e Silva foi o segundo presidente da república do regime militar sucedendo a Humberto de Alencar Castelo Branco.

Excetuando-se Costa e Silva e alguns outros militares legalistas, a grande maioria dos militares, de alta patente, que participaram do golpe militar de 1964, tinham experiência revolucionária, tendo sido membros do tenentismo e participantes da Revolução de 1930, como Humberto de Alencar Castelo Branco, Emílio Garrastazu Médici e Geisel que chegaram à presidência da república, e também eram ex-tenentes de 1930: Cordeiro de Farias, Eduardo Gomes, Juraci Magalhães e Juarez Távora.

As eleições estaduais de 1965:

Em 3 de outubro de 1965 realizaram-se eleições diretas para eleição de governadores em onze estados. Não foi realizada a já marcada eleição direta para a presidência da República. O mandato do presidente Castelo Branco foi prolongado até 15 de março de 1967. A esta altura, grande parte do entusiasmo popular inicial pela Revolução de 1964 tinha diminuído, a classe média brasileira dos grandes centros urbanos estava em situação financeira difícil e iniciara-se o achatamento salarial resultante do combate à inflação feito em 1964 e em 1965.

Apesar do veto a determinados candidatos por parte da chamada “linha dura das forças armadas”, a oposição triunfou em estados importantes como Guanabara e Minas Gerais, onde saíram vitoriosos dois políticos do PSD (Francisco Negrão de Lima e Israel Pinheiro da Silva respectivamente). Ambos eram ligados ao ex-presidente da república cassado Juscelino Kubitschek, o que preocupou o grupo que pregava a implantação de um regime político autoritário.

O AI-2 e a criação da ARENA e do MDB:

Sob a pressão desse grupo linha-dura ligada a Costa e Silva, e, em virtude da derrota do governo militar nas eleições de 1965 na Guanabara e em Minas Gerais, o presidente Castello Branco baixou o AI-2, em 27 de outubro de 1965, logo após as eleições de 3 de outubro de 1965. Constava, nesse Ato Institucional, a extinção do pluripartidarismo, com a extinção dos 13 partidos políticos existentes no Brasil.

Dizia o AI-2, no seu artigo 18: “Ficam extintos os atuais Partidos Políticos e cancelados os respectivos registros”, Parágrafo único – Para a organização dos novos Partidos são mantidas as exigências da Lei nº 4.740 (Lei Orgânica dos Partidos Políticos), de 15 de julho de 1965, e suas modificações”.

Em seguida ao AI-2, foi baixado o Ato complementar nº 4 de 20 de novembro de 1965, que dizia:

O Presidente da República, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 30 do Ato Institucional nº 2, resolve baixar o seguinte Ato Complementar: Art. 1º Aos membros efetivos do Congresso Nacional, em número não inferior a 120 deputados e 20 senadores, caberá a iniciativa de promover a criação, dentro do prazo de 45 dias, de organizações que terão, nos termos do presente Ato, atribuições de partidos políticos enquanto estes não se constituírem.”

Como a Câmara dos Deputados só dispunha de 350 deputados, matematicamente, só era possível formarem um máximo de 3 partidos políticos. O mesmo para o Senado Federal que tinha apenas 66 senadores.

O AI-2, o Código Eleitoral de 15 de julho de 1965, o Ato Complementar nº 4 de 20 de novembro de 1965, (alterado pelo Ato complementar nº 7, de 31 de janeiro de 1966, e pelo Ato Complementar nº 29, de 26 de dezembro de 1966), e a lei orgânica dos partidos políticos (lei nº 4.740 de 15 de julho de 1965, substituída, em 21 de julho de 1971, pela lei nº 5.682), e que dispunham sobre a organização dos partidos políticos, criaram grandes empecilhos para a formação de partidos políticos no Brasil.

Na prática, somente foi possível formalizar mais uma legenda além da legenda governista, a ARENA (criada em 4 de abril de 1966), que apoiava o regime militar. Foi criado, então, o MDB que faria oposição ao regime militar e cujos membros eram chamados de “emedebistas”. Houve a tentativa por parte de Pedro Aleixo de tentar viabilizar uma terceira legenda, o PDR – Partido Democrático Republicano, mas foi em vão.

A “Lei Orgânica dos Partidos Políticos”, lei nº 5.682 de 1971, no seu artigo 7º, o qual vigorou até 1979, dizia: Só poderá pleitear sua organização, o Partido Político que conte, inicialmente, com 5% (cinco por cento) do eleitorado que haja votado na ultima eleição geral para a Câmara dos Deputados, distribuídos em 7 (sete) ou mais Estados, com o mínimo de 7% (sete por cento) em cada um deles.

A ARENA, cujo primeiro presidente foi o senador gaúcho e udenista Daniel Krieger, foi formada com políticos vindos dos partidos extintos, especialmente o Partido Social Democrático, da UDN, de membros do PL de Raul Pilla, do PSP de Ademar de Barros, do PR que fora fundado por Artur Bernardes, do PRP de Plínio Salgado e do PDC.

A maioria dos líderes municipais nordestinos e dos políticos tradicionais do sul e de São Paulo se filiaram à ARENA. Em Santa Catarina, por exemplo, a tradicional família de políticos, os Konder Reis, ingressou na ARENA. Na Guanabara, a maior parte dos lacerdistas se abrigou no MDB, após o episódio da Frente Ampla, apesar de lacerdistas radicais como Sandra Cavalcanti e Amaral Netto entrarem para ARENA. Por seu lado o MDB abrigou muitos políticos oriundos do antigo PTB, do PSD e do clandestino e ilegal PCB.

As questões sobre a história da ARENA:

Apesar do grande volume de estudos acerca do governo militar no Brasil (1964-1985) pouco se sabe sobre a ARENA. Esta teve grande atuação no período, porém, escassamente abordada. Muitas são as lacunas que permaneceram em relação a história da ARENA devido à falta ou destruição de documentos ou mesmo pela inexistência desses devida a censura imposta ao Brasil, ou mesmo por falta de interesse dos historiadores. Ficam, portanto, dúvidas históricas sobre:

A formação da ARENA:

Os fatores que levaram muitos políticos a apoiar a ditadura militar através da ARENA;

O grau de influência dos militares sobre os políticos da ARENA;

O grau de influência dos políticos da ARENA sobre os militares;

Como os ex-membros do PSD (os pessedistas) e os ex-membros da UDN (os udenistas) se relacionavam dentro da ARENA;

Como a ARENA se posicionava frente ao conflito entre o grupo de militares “linha-dura” e o grupo “castelista” (os seguidores do presidente Castelo Branco);

Até qual ponto os membros da ARENA eram militares e políticos simultaneamente;

Quais foram os verdadeiros motivos do governo militar em adotar um sistema bipartidário;

Os motivos da adesão da grande maioria da UDN à ARENA;

O que levou os ademaristas a aderirem à ARENA, considerando que Ademar de Barros fora cassado pelos militares;

Quais correntes ideológicas permearam o estatuto e o programa da ARENA, e o quanto os influenciaram;

Como os políticos tradicionais influíram no programa revolucionário dos militares;

Se a ARENA era ou não um partido independente em relação ao governo militar.

O Programa da ARENA de 1976:

O último programa de partido político que a ARENA teve foi aprovado por convenção nacional de seus filiados, em 1976, tendo Jarbas Passarinho como relator-geral, e tinha entre seus principais itens:

– A busca de uma democracia representativa, repúdio à corrupção, apoio à soberania nacional, à integridade territorial, à integração nacional e ao desenvolvimento econômico com paz social.

– A opção pela economia de mercado e pelo crescimento econômico acelerado, apoio à correção dos desequilíbrios setoriais e regionais, à ocupação da Amazônia e à reforma agrária.

A força da ARENA, as leis eleitorais e o “Caso Marcito”:

A ARENA elegeu todos os presidentes da república de Costa e Silva a João Figueiredo, sendo derrotado pela primeira vez, nas eleições indiretas para presidente, em 1985, por Tancredo Neves. A ARENA também conseguiu fazer a maioria das cadeiras na Câmara dos Deputados em todas as eleições que disputou: 1966, 1970, 1974 e 1978.

Elegeu, também, todos os Governadores de Estado em todo o período, com a exceção do Estado da Guanabara, em 1970, e, do Estado do Rio de Janeiro, em 1978, sendo que, em ambas as ocasiões, com a eleição indireta de Chagas Freitas pelo MDB. Os territórios (Rondônia, Amapá, Roraima e Fernando de Noronha) eram governados por militares, assim como, na maior parte do tempo, o Distrito Federal, e, muitos municípios considerados “Área de segurança nacional”, tinham seus prefeitos nomeados, não eleitos.

A ARENA também manteve, em todo o período militar, maioria no Congresso Nacional, graças a sua forte presença nos pequenos municípios, e por ter sido beneficiada diretamente por leis eleitorais, como a reforma política chamada de Pacote de Abril de 1977, e outras leis, que aumentaram a representação dos pequenos estados no Congresso Nacional, garantindo a eles, um mínimo de 8 vagas na Câmara dos Deputados. O “Pacote de Abril” (termo cunhado pelo Arcebispo de Olinda e Recife D. Helder Câmara) criou o “senador biônico”, (através da Emenda Constitucional nº 8 de 14 de abril de 1977). O “senador biônico” seria eleito indiretamente. Assim, em 1978, havendo duas vagas a serem disputadas em cada estado, um senador era eleito em eleições diretas e o segundo era eleito por um colégio eleitoral composto pelos “membros da respectiva Assembléia Legislativa e de delegados das Câmaras Municipais do respectivo estado”, forma idêntica a ser usada na escolha do governador de estado, cujo eleição voltou a ser indireta. O apelido “biônico” foi tirado da série de televisão mais popular da época: Cyborg.

A fusão do Estado do Rio de Janeiro com o Estado da Guanabara em 1975, e a criação do Mato Grosso do Sul em 1978, foram apontados como expedientes que ajudaram o partido governista, a ARENA, a se fortalecer. Assim, com a criação do estado do Mato Grosso do Sul, criou-se mais 8 vagas de deputado federal e de 3 senadores em estado pequeno, e, com a extinção da Guanabara, desapareceram as vagas de senadores e deputados federais em um estado francamente emedebista.

A primeira e mais grave discordância entre parte da ARENA e o governo militar se deu, em 1968, no chamado “Caso Marcito”, quando o governo Costa e Silva pediu autorização à Câmara dos Deputados para processar o deputado do MDB Márcio Moreira Alves. Muitos deputados federais arenistas votaram contra a autorização para se processar o deputado “Marcito”. A resposta do governo foi o AI-5 e o fechamento do Congresso Nacional em dezembro de 1968. Este só foi reaberto em outubro de 1969 porque o novo presidente Emílio Garrastazu Médici exigiu que o Congresso Nacional fosse reaberto para sua cerimônia de juramento e posse na presidência da república.

Principais líderes da ARENA:

Vários líderes arenistas já eram importantes próceres políticos do Brasil em 1964, como Auro de Moura Andrade, José Maria Alkmin, Filinto Müller, Vitorino Freire, Gustavo Capanema, Benedito Valadares e Armando Falcão, oriundos do PSD e José de Magalhães Pinto, José Sarney, Abreu Sodré, Adauto Lúcio Cardoso, Aureliano Chaves, Herbert Levy, José Bonifácio Lafayette de Andrada, Rondon Pacheco e Pedro Aleixo, oriundos da UDN.

Tidos como grandes articuladores políticos, a ARENA teve, em seus quadros, Petrônio Portela, Flávio Marcílio, Célio Borja, Nelson Marchesan, Marco Maciel e Prisco Viana. Abrigou também tradicionais políticos nordestinos como Teotônio Vilela (que passou depois para o PMDB), Arnon Afonso de Farias Melo e Dinarte Mariz.

Pertenceram à ARENA, juristas como o citado Célio Borja, Manuel Gonçalves Ferreira Filho e Orlando Zancaner, além do ex-governador de São Paulo Carlos Alberto Alves de Carvalho Pinto.

Alguns eram militares reformados como os “3 coronéis de Ceará”: César Cals, José Adauto Bezerra e Virgílio Távora. Também eram militares reformados: Jarbas Passarinho e Ney Braga. Tiveram também grande influência na ARENA, políticos do estilo “tocador de obra” como Paulo Salim Maluf, Hélio Garcia e Antônio Carlos Magalhães. Outros eram tidos como técnicos experientes, (na época, chamados, pelos emedebistas, de “tecnocratas”), como Antônio Delfim Netto, Roberto Campos e Mário Henrique Simonsen.

Continuam em atividade política até hoje José Sarney, Paulo Salim Maluf, Marco Maciel, Gerson Camata, João Castelo e Eliseu Resende, entre outros.

A ARENA nas eleições de 1968 a 1978:

A estréia da ARENA, em eleições diretas, se deu, em 1968, para prefeituras e câmara de vereadores no Brasil, na qual saiu vencedora contra o seu rival MDB. Em 1970, a ARENA teve sua maior vitória, elegendo o MDB, apenas três senadores. Foi na época do “Milagre Econômico” do presidente Médici. Os líderes do MDB chegaram a pensar na dissolução do partido que quase não teve a votação mínima (20%) para poder continuar existindo. O primeiro presidente do MDB, senador Oscar Passos, que não conseguiu se reeleger senador, em 1970, renunciou ao cargo de presidente do MDB, e passou o comando do MDB ao deputado Ulisses Guimarães.

Em 15 de novembro de 1972, a ARENA vence as eleições municipais na maioria dos municípios. A ARENA tinha diretórios em todos os municípios brasileiros, e, em muitos municípios, apresentava candidato único, ou apresentava sublegendas (até 3) permitidas pela lei eleitoral, lançando 2 ou três candidatos a prefeito no mesmo município, o que acomodava as diversas correntes do partido. Assim, em um município paulista, os janistas (seguidores de Jânio Quadros), podiam usar a ARENA-1 e os ademaristas (ex-membros do PSP de Ademar de Barros) lançarem um candidato pela ARENA-2. As sublegendas foram instituídas, em 29 de novembro de 1966, pelo Ato Complementar nº 26.

O líder ademarista Mário Beni calculou que, em 1972, 65% dos prefeitos eleitos em São Paulo eram oriundos do PSP de Ademar de Barros, e, na sua maioria, estando abrigados na ARENA.

Em 1973, ocorre a crise do petróleo, a alta dos preços e a inflação. A ARENA sofre, então, sua maior derrota nas eleições de 15 de novembro de 1974.

A derrota da Arena em 1974 foi inesperada: O MDB temendo nova derrota eleitoral em 1974, como aquela sofrida em 1970, não se arriscou a lançar seus líderes mais importantes como candidatos ao Senado Federal, colocando-os como candidatos à Câmara dos Deputados onde a eleição era menos disputada. Assim, Ulisses Guimarães não se candidatou ao Senado, nem Tancredo Neves, nem Thales Ramalho, abrindo espaço para jovens políticos como o prefeito de Campinas Orestes Quércia, o prefeito de Juiz de Fora Itamar Franco e o também jovem Marcos Freire, que acabaram sendo eleitos senadores por São Paulo, Minas Gerais e Pernambuco respectivamente. Em 1974, o MDB elegeu 17 senadores e a ARENA apenas 5.

Para as eleições de 1974, o presidente Geisel liberou os debates na televisão, e, em São Paulo, onde a televisão já atingia quase todos os municípios, o histórico debate entre Orestes Quércia e o candidato da ARENA ao Senado, o ex-governador Carvalho Pinto, tido como franco favorito, foi decisivo para a vitória do MDB.

Isso fez com que Geisel voltasse atrás, e, pela Lei Falcão, (lei nº 6.339, de 1 de julho de 1976), nas eleições de 1978, os candidatos podiam apenas apresentar sua fotografia na televisão. O MDB teve a maioria dos votos em 1978, mas continuou em minoria no Congresso Nacional, especialmente pela força que a ARENA tinha nos pequenos municípios. Isto fez com que o MDB, (chamado, depois de 1980, de PMDB), usasse, a partir de então, a estratégia de atrair arenistas para seus quadros. Assim, em 1982, o PMDB venceu a eleição para governador de Minas Gerais por ter tido como vice na chapa de Tancredo Neves, o ex-arenista Hélio Garcia, profundo conhecedor das pequenas cidades mineiras.

Essa força da ARENA nos pequenos municípios levou o então governador de Minas Gerais, Francelino Pereira a classificar a ARENA como o “maior partido político do ocidente”, e levou Tancredo Neves a chamar os pequenos municípios onde a ARENA sempre ganhava de “grotões”.

Ainda em 1978, a ARENA, pela primeira vez, diz não à indicação, por um presidente da república, de um candidato a governador de estado. Em São Paulo, o indicado pelo presidente Geisel para ser escolhido como governador, por um colégio eleitoral de acordo com as regras do “Pacote de Abril”, havia sido o ex-governador de São Paulo Laudo Natel. Porém, o ex-prefeito da cidade de São Paulo, o ademarista Paulo Salim Maluf, com ostensivo e paciente trabalho de cooptação do apoio de delegados arenistas, vence a convenção da ARENA e é indicado pela ARENA candidato a governador, e é eleito governador com amplo apoio dos ademaristas da ARENA.

A ARENA, geralmente, tinha um discurso de valorização do desenvolvimento econômico e fazendo sempre referências às obras realizadas pelo governo militar, enquanto o MDB reclamava do custo de vida e pedia abertura política. Como se dizia que a ARENA apoiava o governo em tudo, a ARENA recebeu o apelido de “O Partido do Sim Senhor”, enquanto o MDB, por ser contra tudo que o governo militar fazia, era chamado, pelos arenistas, de “O Partido do Não”. O MDB chegou a se opor à construção da Usina Hidrelétrica de Itaipu, chamada, por Franco Montoro, de “obra faraônica”.

De ARENA ao Partido Progressista e os Democratas:

A nova lei orgânica dos partidos políticos, lei nº 6.767, de 20 de dezembro de 1979, que diminuiu as exigências para a criação de partidos políticos no Brasil, permitindo que ressurgisse o pluripartidarismo, impôs a obrigação de as agremiações políticas fazerem constar em seu nome, obrigatoriamente, a palavra “partido”. Acreditam muitos que essa norma foi uma forma que o governo militar encontrou para tentar acabar com o antigo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), atual PMDB, que fazia oposição ao regime militar e estava muito forte naquele momento. O MDB passou então a chamar PMDB, e o desgastado nome ARENA desapareceu, surgindo o PDS, nome inspirado no SPD alemão que estava no poder, naquela época, na antiga Alemanha Ocidental, país de origem da família do presidente Geisel.

O PDS, posteriormente alterou seu nome para Partido Progressista Renovador (PPR), depois para Partido Progressista Brasileiro (PPB) e hoje se chama Partido Progressista (PP).

Logo após a volta do pluripartidarismo, em 12 de fevereiro de 1980, foi criado o Partido Popular (PP), formado por ex-arenistas e ex-emebistas, liderados por José de Magalhães Pinto e Tancredo Neves. Esse partido não chegou a disputar eleições, foi incorporado ao PMDB em 20 de dezembro de 1981. Seus líderes tomaram a decisão de extinguir o PP porque as novas leis eleitorais, aprovadas em 1981, para regularem as eleições de 1982, tornavam difíceis a atuação dos pequenos partidos políticos.

Nas eleições de 1982, o PDS conseguiu fazer a maioria das cadeiras no Congresso Nacional e no colégio eleitoral destinado a eleger o novo presidente da república em 15 de janeiro de 1985. Em 15 de novembro de 1982, o PDS elegeu 12 dos 22 governadores de estado.

Em 1984, surgiu uma dissidência no PDS, denominada “Frente Liberal” que posteriormente tornou-se o partido político PFL, Partido da Frente Liberal, atual Democratas. A Frente Liberal, depois PFL, nasceu de uma dissidência do PDS, aberta quando Paulo Maluf, ex-governador de São Paulo, venceu a disputa interna dentro do PDS, contra o ministro do Interior Mário Andreazza, e foi escolhido, pelo PDS, para ser seu candidato à presidência da República e enfrentar Tancredo Neves, no Colégio Eleitoral, em 15 de janeiro de 1985.

Os rebelados do PDS, liderados pelo vice-presidente da República Aureliano Chaves e pelos senadores Marco Maciel e Jorge Bornhausen, entre outros, criaram uma ala dentro do PDS chamada Frente Liberal que viria a ser o embrião do PFL, e que votou em Tancredo Neves no colégio eleitoral. A Frente Liberal resolveu transformar-se em partido, com o nome de PFL. Com o apoio da Frente Liberal, Tancredo Neves foi eleito presidente da república. O vice-presidente de Tancredo Neves foi José Sarney que havia sido presidente do PDS.

Em 2007, o PFL mudou seu nome para Democratas, inspirados no Partido Democrata dos EUA.

Em 2008, o PP, Partido Progressista, sucessor da ARENA, continuava sendo um partido forte nos pequenos municípios como a ARENA o era, obtendo o terceiro lugar, no ranking do TSE dos partidos que elegeram um maior número de prefeitos: O PMDB elegeu, em 2008, 1200 prefeitos, o PSDB 784, e o PP 547 prefeitos. O DEM obteve 497 prefeituras. Juntos PP e DEM, que antes compunham a antiga ARENA, elegeram um total de 1044 prefeitos de um total de 5562 prefeituras. Portanto, atualmente, os sucessores da ARENA, PP e DEM, governam 18,8% dos municípios brasileiros.

Bibliografia:

_______, História Oral do Exército – 1964 – 31 de março, Biblioteca do Exército Editora, 2006.

BESSONE, Darcy, Idéias políticas, 3ª edição, Rio de Janeiro, Editora Forense Universitária, 1987.

BONAVIDES, Paulo, Ciência política, 5ª edição, Rio de Janeiro, Editora Forense Universitária, 1983.

CASTELO BRANCO, Carlos, Os militares no poder, Editora Nova Fronteira, 1976.

CHACON, Vamireh, História dos partidos brasileiros, volume 5, Editora da UNB, 1985.

CHARLOT, Jean, Os partidos políticos, Brasília, Editora UNB, 1982.

COUTO, Ronaldo Costa, Memória do regime militar – Brasil: 1964-1985 – Depoimentos, Editora Record, 1999.

DANTAS, Ivo, Ciência política, Rio de Janeiro, Editora Rio, 1976.

D´ARAUJO, Maria Celina, CASTRO, Celso, orgs., Ernesto Geisel, Editora FGV, 1997.

DULCE, Otávio, A UDN e o antipopulismo no Brasil, Belo Horizonte, Editora UFMG/PROED, 1986.

DURGER, Maurice, Os partidos políticos, 3ª edição, Rio de Janeiro, Editora Guanabara, 1987.

FALCÃO, Armando, Tudo a declarar, Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1989.

LEISCHER, David Verge, org., Os partidos políticos no Brasil, Brasília, Editora da UNB, 1981.

FRENTE NACIONAL DO TRABALHO, Debate – Partidos Políticos, 1980.

FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE BRASÍLIA, Partidos políticos e sistemas eleitorais no Brasil, Brasília, UnB, 1982.

GRINBERG, Lucia, Uma memória política sobre a ARENA: dos revolucionários de primeira hora ao partido do sim, senhor, In: AARÃO REIS, Daniel et alli, org., 1964: 40 anos depois, Bauru, EDUSC, 2004.

GRINBERG, Lucia, Partido político ou bode expiatório: Um estudo sobre a Aliança Renovadora Nacional (Arena) – (1965-1979), Rio de Janeiro, Editora Mauad X, 2009.

GRINBERG, Lucia, Adauto Lúcio Cardoso: da UDN à Arena, In: Perfis cruzados, trajetórias e militância política no Brasil, Organizado por Beatriz Kushnir, Rio de Janeiro, Editora Imago, 2002.

IANNI, Octavio, O colapso do populismo no Brasil, 3ª edição, Rio de Janeiro, Editora Civilização Brasileira, 1976.

KRIEGER, Daniel, Desde as Missões… Saudades, Lutas, Esperanças, Editora José Olympio, 1977.

NERY, Sebastião, Folclore político – 1950 histórias, Geração Editorial, 2002.

PASSARINHO, Jarbas Gonçalves (Relator Geral), Programa da Aliança Renovadora Nacional, Brasília, Senado Federal – Centro Gráfico, Brasília, 1976.

PEREIRA, Eleições no Brasil Pós 64, Global Editora, São Paulo, 1984.

PINHEIRO, Luís Adolfo, A república dos golpes (de Jânio a Sarney), São Paulo, Editora Best Seller, Círculo do livro, 1993.

PORTO, Walter Costa, O voto no Brasil, Editora Topbooks, Rio de Janeiro, 2001.

SARTORI, Giovanni, Partidos e sistemas partidários, Brasília, Editora da UNB, 1982.

SOUZA, Maria do Carmo de, Estados e partidos políticos no Brasil (1930 a 1964), São Paulo, Alfa e Ômega, 1976.

SKIDMORE, Thomas, Brasil: de Getúlio a Castelo, 8ªedição, Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 1985.