Posts Tagged ‘áfrica’

Black lady campaigning against White genocide, United Kingdon

26/12/2013

EUROPENEWSNEWS FOR EUROPE

by  • December 26, 2013

Maria de Jesus-Lucungo is a Black lady from Angola, campaigning to have a national blond.

She has made it her life goal to protect the UK’s blonde population, and white population as well.

Although she does not see that the policies are forced (and therefore genocide), she says whites, and blondes in particular are becoming extinct, and if they disappear “the world will not be so attractive in beauty any more”, and she wants a “National Blonde day” to celebrate them.

Maria has tried to achieve this goal through flyering, an online petition, and multiple letters sent to 10 Downing Street (Prime Minister’s office).

One of her flyers says:

“Please preserve the Natural Blondes. Don’t damage their angelic looks and the blondness surrounding them. Thank You”

Her internet petition hosted on IPetitions.com says : “The natural blonde population is in decline, and we are running a petition to see if we can have a natural blonde preservation day bank holiday to support them.”

It carries on to say that the campaign is in the name of all colors of light hair, and “the rest of the fair skinned white people”.

In an interview with Vice.com, Maria said “If you go to Africa, you expect to see a black African. If someone from Africa comes to Europe, the first thing they should see should be a blond”

“Africans aren’t becoming extinct. Go to Africa – you’ll see they have lots. If blondes disappear, then you will have to explain to your grandchildren that, once upon a time, we used to have another type of white people and the child might not believe it.

This is what I’m trying to avoid; we don’t have to let it get that far.”

DSC_0553

“In England, we need somebody to stand up for blondes in the House of Commons. It’s like if you have a garden and one flower is dying out, then the gardener will do something to revive it.

His concentration will be on that particular one. So my focus is on this particular one, but it doesn’t mean that I don’t like all the others. I like everyone all the same.”

“The first thing would be the National Blonde Day. But it would be a celebration of the whole white community”

“Something has to be done and someone has to do it. We have to carry on banging on about the same subject until they listen.”

O dogma politicamente correto de que não existe raça começa a desmoronar

23/12/2013

DNA Evidence Debunks the “Out-of-Africa” Theory of Human Evolution

Australian Original - Wake Up World

16th December 2013

By Steven Strong

Contributing Writer for Wake Up World

Scientific evidence refuting the theory of modern humanity’s African genesis is common knowledge among those familiar with the most recent scientific papers on the human Genome, Mitochondrial DNA and Y-chromosomes. Regrettably, within mainstream press and academia circles, there seems to be a conspicuous – and dare we say it – deliberate vacuum when it comes to reporting news of these recent studies and their obvious implications.

This article was inspired by a comment made recently by Australian historian Greg Jefferys. So before continuing a scientific assessment of DNA evidence, I will first open this discussion by outlining Greg Jefferys’ comments.

The whole ‘Out of Africa’ myth has its roots in the mainstream academic campaign in the 1990′s to remove the concept of Race. When I did my degree they all spent a lot of time on the ‘Out of Africa’ thing but it’s been completely disproved by genetics. Mainstream still hold on to it.

It did begin the early 90’s. And the academics most responsible for cementing both the Out-of Africa theory and the complementary common ancestral African mother – given the name of “Eve” – in the public arena and nearly every curriculum, were Professors Alan C. Wilson and Rebecca L. Cann. In their defense, the authors of this paper were fully aware that genealogy is not in any way linked to geography, and that their placement of Eve in Africa was an assumption, never an assertion. In their seminal paper The Recent African Genesis of Humans, they even stipulated “that all humans today can be traced along maternal lines of descent to a woman who lived about 200,000 years ago, probably in Africa.”

So how is it that their “probably” has morphed into our collective “definitely”?

Over time, even the two researchers came to discover that the research of Original Mitochondrial DNA was fundamentally flawed. Both separately conducted further tests on Mitochondrial DNA found within the blood of full-descent Original people, arriving at the same conclusion, both recanted their previous assumptions by acknowledging that Homo sapien sapiens originated in Australia.

Professor Alan Wilson came to Australia in 1987 and 1989 to personally supervise the collection of Original blood from a variety of locations throughout Australia. With a mutation rate of 70% from the samples analysed, which is manifestly higher than any other race, Wilson was compelled to admit that:

… it seems too far out to admit, but while Homo erectus was muddling along in the rest of the world, a few erectus had got to Australia and did something dramatically different – not even with stone tools – but it is here that Homo sapiens emerged and evolved.

Rebecca Cann was more expansive and specific in declaring that the Original “Mitochondrial DNA puts the origin of Homo Sapiens much further back and indicates that the Australian Aborigines arose 400,000 years ago from two distinct lineages, far earlier than any other racial group.” The notions of a “far earlier” time frame when estimating when, and the existence of “two lineages” in Australia when grappling with who, are constant themes that can be found within many other reports investigating the make up of the genes and chromosomes of Homo sapien sapiens.

The very recent mapping of the Original Genome only reinforces the stance taken by both Cann and Wilson twenty years earlier, and highlights the inconsistencies and illogicality of any and every Out-of-Africa theory. A Danish genetic research team, led by Dr. Eske Willerslev, found that Original people came into existence at least 70,000 years ago, 40,000 years before both the European and Asian race first appeared. They assumed that because Africans made their way across the entire Asian continent and never stopped or settled, and remained in transit until reaching Australia “some 50,000 years ago.” Once ensconced in this foreign land where they managed to keep “the whole continent to themselves without admitting any outsiders”, their genes should be very African.

The problem being, as they openly admit, such a premise is “based on a mixture of statistics and best guesses”, and more importantly as Wilson and Cann came to realise, “we really can’t put geography in there.” Granted, they did concede that “the Aborigine occupation of Australia presents a series of puzzles” and especially so in relation to “the nature of their stone tools found in Australia” which “are much simpler than the Upper Paleolithic tools… at the same era.” Professor Richard Klien (Paleoanthropologist Stanford University) highlighted the contradictory nature of the stone tool technology in Australia when observing that “I don’t understand why they looked so primitive.”

Basically this means that the people who invented and sailed the first boat capable of carrying many people over 100 kilometres of open sea, regressed markedly in technology once arriving on these new shores. Or perhaps in ancient days until quite recent times, no-one ever sailed to, but from, Australia, which would explain why the Original technology was so unlike anything outside their home base.

Noted by Dr. Savolainen from the Royal Institute of Technology in Stockholm, even the arrival of the only dog to reach Australia until the British invasion is an “enigma”.

I would humbly suggest that proclaiming any genetic absolutes, when dealing with Australian history, is risky business and best left to the Original Elders.

What only complicates the convenient versions of history is the totally unexpected addition to the ever-expanding hominid family: the Denisovans. Just after the release of a paper on the mapping of the Original Genome from a piece of hair collected 100 years ago, the first news of a new species of hominid – called the Denisovans – reached the public arena. All evidence found – especially in relation to the mtDNA extracted from the little finger of a Denisovan woman believed to be 80,000 years old – widens the geographic boundaries and time-scales of this recurring “enigma”. First and foremost, the resulting mtDNA of this sub-species of modern humans was compared against every race and tribe on the planet, and the closest genetic match was, as we would have predicted, the Australian Original people.

Thirty thousand years before the first Africans supposedly entered Australia, Original, not African, genes turn up in Siberia. The real issue at stake is that the Denosovans are considered a lesser species of early human, placed somewhere below Neanderthals, while the Original people, according to every model, are fully Homo sapien sapiens. So how is it possible that this regression took place? And did so, so far from home?

Some commentators proposed that this contact was not due to Original people sailing from Australia, but the Denisovans sailing to Australia. But alas, to for the Denisovans to have done so is in opposition to every accredited theory on the rise of Homo sapien sapiens, where they alone mastered the art of sailing to other continents in numbers large enough to genetically sustain their founding populations. Apparently, the Denisovans, who are well down the Hominid tree, were able to communicate, construct a boat of sizeable proportions, and navigate a successful voyage of thousands of kilometers on the open seas. This hypothesis just doesn’t make sense. What does sound more logical was that Homo sapiens were actually sailing from Australia and bestowing wisdom, culture and genes, with the Denisovans gratefully receiving all of these gifts.

Now the plot thickens and unravels.

An article in the New York Times on 4th December 2013 lays claim to a “baffling 400,000 year old clue to human origins”. On this occasion, humanity’s indirect ancestry was traced back to Spain during pre-Homo sapien sapiens times, and once again Denisovan genes are at play. So it appears the same hominid who is most closely linked to the Original genes of Australia was wandering around the Spanish countryside some 400,000 years ago, well before any African Homo sapien could be claimed to have stepped in, on or outside African soil.

“Scientists have found the oldest DNA evidence yet of humans’ biological history. But instead of neatly clarifying human evolution, the finding is adding new mysteries”. The femur bone found in cave was analysed by Dr. Matthias Meyer (geneticist Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology). When Meyer and his colleagues “drilled into the femur, they found ancient human DNA inside, just as they hoped”.

But past this point, nothing went according to their script. Much to their surprise, the DNA they recovered – the oldest yet by over 100,000 years – “most closely resembles DNA from an enigmatic lineage of humans known as Denisovans”, originally thought to be 80,000 years old and confined to the Northern Asian region. This finding was the cause of great consternation. “Everyone had a hard time believing it at first” Dr. Meyer said. “So we generated more and more data to nail it down”. Not surprisingly, their further research only confirmed the original results.

As Meyer quite rightly observed: “right now, we’ve basically generated a big question mark”.

As was the case with the Genome studies of Original hair, “the new finding is hard to reconcile with the [accepted] picture of human evolution”. None of what they found fits into any traditional version of human ascension, and according to Dr. Luis Asauaga (Paleoanthropologist, Universdad Complutense de Madrid) this discovery demands that “we have to rethink the whole story”.

And that last statement by Dr. Asauaga really sums up the case for the entire Out-of-Africa theory: it is a “story”, it was never a fact. From the very beginning it was always a “probably” at best. But this is only one half of the story… all of the evidence we have presented relates to women’s side of the genetic pool, and until the male’s Y-Chromosome is factored into this ancient narrative, any “rethink” of the “whole story” is incomplete.

What really does reinforce Greg Jeffreys’ contention that the genetic evidence is in stark contradiction to any Out-of-Africa theory, is that time after time the many Y-Chromosome papers released over the last decade stand united in their denial of any African input. And this is by no means a recent occurrence, as evidenced by a paper released in 1999 by Australian researchers Vandenburg and colleagues. As it was with other studies, the results were as inconvenient as they were unexpected. Vandenburg found that “Australian Y-chromosome diversity is surprisingly limited”. In contrast with the Genome researchers’ assumption that Australian was literally sealed off genetically until their land was stolen in 1788, Vandenburg made note of “two haplotypes unique to Australian Aboriginals”. But if indeed Africans sailed to Australia and were immediately isolated genetically, this just should not happen – every Original haplotype should have close to an identical African match.

Further information added to the African inconsistencies, while also reinforcing an observation offered by Rebecca Cann in relation to mtDNA evidence that suggested the first Original Homo sapien sapiens were sourced from “two lineages”.

The results gathered “were compared with other worldwide populations” which “produced 41 unique haplotypes”. Instead of an even spread amongst so many haplotypes, in Australia a far more intense clustering was present in that “most (78%) of Australian haplotypes fell into two clusters, possibly indicating two original, separate lineages of Aboriginal Australians”. To that end, since at least two Original haplotype groups have no African counter-part, there can be no African involvement, mtDNA or Y-chromosomes in either of the “two lineages”.

As such, a very recent paper on Y-chromosomes released in 2012, (Re-Examing the “Out of Africa” Theory and the Origin of Europeoids (Caucasians) in the Light of DNA Genealogy written by Anatole A. Klyosov and Igor L. Rozhanski) only confirms the denial of any African ancestry in Australia, and strongly supports the existence of a “common ancestor” who “would not necessarily be in Africa. In fact, it was never proven that he lived in Africa”.

Central to results of this extensive examination of haplogroups (7,556) was the absence of any African genes. So lacking was the sampling of African genetic involvement, the researchers stated in their introduction that:

“the finding that the Europeoid haplogroups did not descend from “African” haplogroups A or B is supported by the fact that bearers of the Europeoid, as well as all non-African groups do not carry either SNI’s M91, P97, M31, P82, M23, M114, P262 …”

There are 11 more entries in this list of non-starters, all missing from both Europeoids and “all non-African groups,” which obviously includes the Original Australians. With the Original people exhibiting an intense clustering into two groups, haplogroups not present in any African genes and an absence of dozens of African genetic markers, it is very difficult nigh on impossible to sustain any link between Africa and Australia.

The researchers are adamant that their extensive study “offers evidence to re-examine the validity of the Out-of-Africa concept”. They see no genetic proof substantiating an African precedence in theHomo sapien tree, and maintain that “a more plausible interpretation might have been that both current Africans and non-Africans descended separately from a more ancient common ancestor, thus forming a proverbial fork”.

We regard the claim of “a more plausible explanation” as a gross understatement, since there is absolutely nothing plausibly African turning up in any test tubes. In fact, the researchers made note of their repeated absence stating “not one non-African participant out of more than 400 individuals in the Project tested positive to any of thirteen ‘African’ sub-clades of haplogroup A”.

The only remaining uncertainty relates to the identity of this “more ancient common ancestor”. All that can be stated with confidence is that humanity’s ancestor did not reside in Africa, but “probably” Australia.

When an Original Elder of high standing recently declared that “all peoples of the world come from us”, it seems he had a large body of genetic science standing beside him.

Previous articles by Steven Strong:

About the author:

Steven Strong

Steven Strong is an Australian-based researcher, author and former high school teacher with a background in archaeology. He was involved in the formation of a Graduate Diploma of Aboriginal Education for the NSW Department of Education, writing units on Traditional Law and Contemporary History. He also co-authored the highly successful “Aboriginal Australia: A Language and Cultural kit”.

Together with his son Evan, Steve has co-written 4 books: Constructing a New World MapMary Magdalene’s Dreaming and Forgotten Origin (published by University Press of America) and their latest publication Shunned, which challenges the Out-of-Africa theory of human history and examines the archaeological and DNA evidence that Australia is where modern human beings derived.

Steve has written over a dozen articles on Original history and lore for the National Indigenous Times, with four articles appearing in New Dawn magazine. With close to 30 years of contact with original Gumilaroi people and tribes of the Bundjalung Language Confederation, and the benefit of extensive consultation with many Original Elders, Steve’s work is to reveal the story of the Original people, a narrative that was almost lost to aggressive European colonisation.

For more information visit ForgottenOrigin.com.

 

O Legado de Sangue de Nelson Mandela – That’s Nelson Mandela’s legacy

08/12/2013

white-women-raped-and-murdered-sa

1471274_788468021167461_1332185126_n

Sunday, December 8, 2013

Nelson Mandela’s Legacy: 210 White Farmers Murdered by Blacks (Per Year) Since 1994 in South Africa
A verdadeira face de Nelson Mandela

por Paulo Kogos, segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Leia esta outra aberração de Nelson Mandel: Os velhos líderes mundiais unidos para destruírem o Cristianismo:https://homemculto.com/2013/12/12/mandela-a-reengenharia-anticrista-das-religioes-e-o-the-elders/


mandela-skull.jpgDedico este artigo ao povo sul-africano, especialmente às vítimas do apartheid, do terrorismo comunista, da barbárie de Mandela, do regime do CNA e dos genocídios. Descansem em paz.

 

PRÓLOGO

Para o historiador John Dalberg-Acton, o 1º barão Acton, o guia da História não é Clio, uma das musas gregas inspiradoras das ciências, literatura e arte. Este papel caberia a Radamanto, um dos juízes do mundo dos mortos, carrasco dos injustos e vingador dos inocentes.

Nunca este espírito foi tão necessário quanto hoje, em um mundo onde a mídia de massa distorce os fatos a serviço das mais infames agendas políticas.

Nelson Mandela, assim como muitos falecidos, goza de uma injusta reputação de herói e libertador perante a opinião pública. Seus métodos, motivação e legado, porém, são nefastos.

A finalidade deste artigo é expor a verdadeira face do mais querido assassino e terrorista da História.

INTRODUÇÃO À TRAGÉDIA SUL-AFRICANA

“O racismo é a forma mais baixa e mais cruelmente primitiva de coletivismo. É a noção de atribuir significado moral, social ou político à linhagem genética de um homem – é a noção de que os traços caracterizadores e intelectuais de um homem são produzidos e transmitidos por sua química corporal interna. O que quer dizer, na prática, que um homem deve ser julgado, não por sua índole ou ações, mas pelas índoles e ações de um coletivo de antepassados.” — Ayn Rand

30safrica_600.jpg
África do Sul, dias atuais

O inimigo do meu inimigo não é necessariamente meu amigo. Os infames bolcheviques de Lenin lutaram contra a cruel tirania czarista dos Romanov. Seus métodos eram horrendos, vitimando inclusive as crianças inocentes da família real. Ao assumir o poder Lenin e seus sucessores perpetraram horrores inauditos contra seu povo.Analogamente, Nelson Mandela lutou contra o Partido Nacionalista da África do Sul, que impunha o grotesco sistema de políticas racistas conhecido como Apartheid. Seus métodos foram diabólicos. Uma vez no poder, ele e seus sucessores espalharam o terror pelo país. E seu objetivo? O mesmo que o de Lenin.

Mandela foi um terrorista. Seu modus operandi incluía uso de minas e explosivos contra civis inocentes, assassinato de negros não alinhados à sua causa, incêndios contra negócios cujo proprietário era negro, greves e boicotes incitados através de coerção e tortura. Aterrorizava as mesmas pessoas que dizia estar libertando da tirania do Apartheid.

Uma luta armada contra os membros criminosos de um Estado, e que não ceife vidas inocentes, é legítima defesa. Santo Agostinho de Hipona dizia que uma guerra justa é aquela que castiga uma injustiça; mas a doutrina de “guerra justa”, derivada do pensamento de Hugo Grotius, estabelece importantes limites éticos a respeito do jus in bello (justiça na conduta da guerra). O princípio da distinção veda o emprego da violência contra não-combatentes.

Mandela não observou princípio ético algum. Como disse Aida Parker, compaixão e sentimento pela condição humana não tinham papel em suas ações.

Oficialmente membro do Congresso Nacional Africano (CNA), Mandela também fazia parte do Partido Comunista da África do Sul (PCAS), embora tenha mentido sobre o fato. Era inclusive um de seus líderes. O PCAS, cujas diretivas estratégicas vinham do Kremlin, controlava o CNA.

Explorava o triste quadro de segregação e opressão racial não para ajudar os negros, mas para levar adiante uma revolução comunista.

Até o fim da Guerra Fria, o continente africano foi palco de inúmeras “guerras por procuração” comandadas pela URSS. Nos países onde o socialismo marxista triunfou, tais como Angola, Congo, Etiópia, Moçambique, Zimbábue e Zâmbia, o resultado foi morticínio, miséria extrema e tragédias humanitárias.

Para usar um termo do cientista político R.J. Rummel, as guerras de libertação nacional promovidas pela URSS nos países subdesenvolvidos foram um “democídio” em massa. Este tenebroso quadro tem sido concretizado na África do Sul desde que Mandela assumiu o poder e vem piorando sob o governo de seus sucessores do CNA.

Mandela transformou a África do Sul em uma ditadura sem oposição comandada pela cleptocracia da aliança CNA/PCAS, que está levando o país à extrema pobreza, ao caos social e até mesmo ao genocídio.

Ironicamente, a ideologia defendida por Mandela é a grande responsável por aquilo que o mundo acredita que ele combateu. O apartheid é filho do casamento profano entre a mentalidade anti-capitalista e os interesses dos grandes players políticos e corporativos.

Ricas reservas de diamantes e metais preciosos foram descobertas na África do Sul entre as décadas de 1860 e 1880. O atual território do país era dividido em províncias britânicas, estados africâneres (etnia sul-africana descendente de colonos europeus, principalmente holandeses) e territórios nativos.

A disputa pelo controle das jazidas resultou em diversos conflitos, incluindo a Primeira Guerra dos Bôeres (1880 -1881), uma luta pela independência da República do Transvaal, estado bôer (subgrupo africâner que fala holandês) rico em ouro e que havia sido anexado pelo Império Britânico. A vitória dos bôeres não durou muito. A disputa pelo ouro de Witwatersrand levou à eclosão da Segunda Guerra dos Bôeres (1899 — 1902).

A decisiva vitória britânica resultou na hegemonia imperial sobre Transvaal e Orange. Em 1910 a unificação destas e de outras duas colônias britânicas formou a União da África do Sul (1910 — 1961). O território passou do status de colônia para domínio.

Leis de segregação racial tão antigas quanto 1893 foram outorgadas para garantir o domínio de sindicatos britânicos brancos sobre essas imensas reservas.

O apartheid foi institucionalizado em 1910 pelo governo do bôer Louis Botha. Conforme demonstra o economista Herry Valentine, essa política tinha como objetivo criar uma reserva de mercado para os brancos. O apartheid introduziu políticas de discriminação salarial que decretavam a obrigatoriedade de um salário maior para os brancos. Era acompanhada  de restrições ocupacionais aos negros.

O maior crime do Apartheid talvez tenha sido o Ato da Terra de 1913, que reservava 87% da terra do país para posse dos brancos e segregava etnias negras em territórios etnicamente homogêneos e administrativamente autônomos conhecidos como Bantustões. Havia 10 deles. O resultado foi um roubo massivo da terra legítima dos negros, que ficaram também impedidos de adquirir terras.

De acordo com o economista William Hutt em seu livro “The Economics of the Colour Bar”, um apartheid industrial foi imposto em 1922  por sindicatos brancos britânicos liderados por William H. Andrews, um dos chefes do PCAS (sim, o mesmo do Mandela). Seu slogan era “Brancos uni-vos e lutem por um mundo trabalhista“.

Muitos negros abandonaram o país, incluindo profissionais altamente qualificados. Quando o Partido Nacional assumiu o poder, em 1948, as políticas do Apartheid foram arrochadas, levando a uma emigração ainda maior da população negra. Foi somente por volta da década de 1970 que os mecanismos de mercado conseguiram ajustar parcialmente a situação.

O acúmulo de capital que ocorre naturalmente a despeito do estado aumentou a oferta de empregos. Os empreendedores passaram a burlar as regulações trabalhistas do apartheid para contratar mão-de-obra negra. Some-se a isso o fato de que muitos negros entravam no país para fugir da opressão de regimes comunistas em países vizinhos, que era pior que o apartheid.

No final da década de 1980 o governo havia afrouxado a fiscalização das políticas segregacionistas e uma classe média negra com alto nível de instrução havia se formado. Havia negros empreendedores e negros milionários. Entre 1971 e 1980 a renda real da população negra havia crescido 40%. Leis como o controle de fluxo interno e as restrições ocupacionais haviam sido abolidas.

A geração de riqueza e qualidade de vida eram prejudicadas principalmente pelas políticas intervencionistas, pelos ditames estatais no setor bancário e de mineração, e pelo excesso de gastos do governo.

Os fatos corroboram a frase do economista Murray Rothbard:

O capitalismo de livre-mercado é um maravilhoso antídoto para o racismo. Num livre mercado, empregadores que se recusarem a contratar trabalhadores negros produtivos estão ferindo os seus próprios lucros e posição competitiva da própria empresa. É apenas quando o estado se intromete que o governo consegue socializar os custos do racismo e estabelecer um sistema de apartheid

Mandela, ao se tornar estadista, insistiu nos mesmos erros do apartheid. É impressionante o paralelismo entre seu discurso em 1997 e o discurso de 1958 do racista pró-apartheid Hendrick Verwoed, então primeiro-ministro da África do Sul.

Verwoed disse:

Há pessoas (que argumentam) que tudo deve ser submetido às chamadas leis econômicas. Felizmente, sob um governo nacionalista, estes adoradores das leis econômicas nunca acharam seu caminho, mas um ideal mais alto e mais nobre se reforçou: a manutenção da civilização branca.

Mandela em 1997 disse:

A evolução do sistema capitalista no nosso país coloca no mais alto pedestal a promoção dos interesses materiais de uma minoria branca

Embora com cores invertidas, a injusta acusação contra o capitalismo se manteve e o racismo e a pobreza se perpetuam.

Soviet_Union_stamp_1988_CPA_5971.jpg
Selo soviético em homenagem a Mandela

PRÊMIO NOBEL DO HORROR“O povo da África do Sul, liderado pelo PCAS, destruirá a sociedade capitalista e construirá no seu lugar o socialismo.” — Nelson Mandela

Mandela entrou para o CNA em 1943 (aos 25 anos), encorajado por Walter Sisulu, habilidoso articulador político e membro do PCAS. Em 1944 ambos se uniram ao ativista Oliver Tambo para formar a Liga da Juventude do CNA. Até então o partido se opunha à luta armada. Tendo atingido certa proeminência no partido, Mandela passou a pressionar o CNA para adotar métodos mais violentos.

Esta pressão encontrou eco após o massacre de Sharpeville, em março de 1960. O governo de Hendrik Verwoerd arrochou as leis de segregação racial, o que levou milhares de negros a protestar nos arredores de um posto policial.

A polícia abriu fogo contra a multidão, matando 69 pessoas, alimentando o radicalismo da oposição, e corroborando o fato de que a maior parte do terrorismo é incitada pela própria barbárie estatal.

Conforme explica o historiador Stephen Ellis, muitos grupos estavam dispostos a pegar em armas contra o regime após Sharpeville, mas era o PCAS que possuía maiores conexões internacionais.

O membro do PCAS Joe Slovo havia sido colega de Mandela na Universidade de Witwatersrand. Coronel da KGB, sua ligação com Moscou se dava através da Zâmbia.

Seguindo diretivas do Kremlin, Mandela e Slovo fundaram, em 1961, o Umkhonto we Sizwe (MK), traduzido como “Lança da Nação”, o braço armado do CNA, cujo objetivo era uma revolução comunista, como preconizava a agenda soviética para o continente.

Foi o ano em que a África do Sul separou-se da Commonwealth para se tornar uma república, como resultado de um referendo no qual apenas brancos votaram. Ao mesmo tempo tensões étnicas se acirravam em torno das questões relativas à representatividade política no novo regime.  A MK planejava se aproveitar daquela situação delicada para lançar uma campanha de terror e tingir o país de vermelho com sangue inocente. Conforme Mandela mesmo disse:

O movimento comunista ainda enfrenta inimigos poderosos que devem ser completamente esmagados e varridos da face da Terra antes que o mundo comunista possa se concretizar.

Slovo escreveu em 1986, no seu artigo “A Campanha de Sabotagem”, que ele havia sido apontado para constituir o alto comando do MK pelo PCAS, enquanto o CNA havia indicado Mandela.

Mas sendo este último também um alto membro do Comitê Central do Partido Comunista e sendo a própria fundação do braço armado uma instrução de Moscou, fica fácil concluir que o PCAS controlava, de fato, o MK; e que Mandela era uma peça-chave da estratégia de terror soviética na África.

Segundo Igor Glagolev, que intermediava o suporte soviético ao MK, o comitê executivo do Partido Comunista da União Soviética havia decidido tomar a África do Sul no fim da década de 1950. O país, contudo, já estava nos planos comunistas desde 1928, quando a Internacional Comunista havia instruído o PCAS para converter o CNA em instrumento revolucionário.

Em 1962 Mandela recebeu treinamento militar na Argélia, um dos países onde os membros do CNA recebiam instrução em táticas de guerrilha, terrorismo e tortura. Outras localidades incluíam Cuba, Egito, Etiópia, Coréia do Norte, Rússia, China, Alemanha Oriental e Tchecoslováquia.

Mandela teve experts como tutores. Com o FLN, partido socialista e terrorista argelino, aprendeu a decepar o nariz de seus desafetos. O manejo de explosivos lhe foi ministrado pelo IRA, cuja ligação com o CNA se dava através de Gerry Adams, político socialista irlandês.

As técnicas de espionagem e interrogatório lhe foram ensinadas pela STASI, a polícia política da Alemanha Oriental. De acordo com as instruções, os interrogatórios deveriam ser brutais, contra qualquer um que fosse minimamente suspeito de trair os dogmas do partido.

Mandela foi um bom aluno e aprendeu bem as lições. A maior parte das técnicas brutais foi aplicada contra negros suspeitos de traição. O CNA mantinha um centro de detenção conhecido como QUATRO na Angola, onde milhares de negros, muitos deles adolescentes, foram torturados e mortos.

Ainda em 1962, Mandela foi capturado em uma fazenda nos arredores de Johanesburgo, de posse de granadas-de-mão, minas terrestres antipessoais e detonadores. Muitos dos explosivos estavam disfarçados de objetos corriqueiros como caixas de fruta e potes de alimentos.

Os planos terroristas de Mandela, expostos mais tarde, incluíam a colocação destes artefatos em locais movimentados de forma a maximizar os danos.

Em julho do ano seguinte a polícia efetuou novas buscas e detenções, e teve início o famoso Julgamento de Rivonia, onde dez líderes do CNA foram julgados por 221 atos de sabotagem. Embora a ONU diga que Mandela era um prisioneiro político, a Anistia Internacional afirmou claramente que ele foi condenado por seus atos de violência, tais como terrorismo, e até por contrabando de minas terrestres.

Durante as investigações, foi apreendido um documento conhecido como Operação Mayibuye, cujo comando supremo seria composto por Mandela, Slovo e Joe Modise.

O documento continha um plano detalhado de guerra revolucionária que teria sido traçado, provavelmente, com consultoria soviética ou maoísta.

Consistia em dividir o país em 4 regiões que seriam invadidas por pequenos grupos guerrilheiros de 10 homens cada, cuja missão era causar levantes nas comunidades e tribos através de dissimulação e intimidação, conseguindo adeptos.

Enquanto estes commandos “trabalhariam” os vilarejos, uma força convencional de 7000 homens invadiria o país com o apoio dos sindicatos. Em outro documento que veio à tona em Rivonia, Mandela declarou que “traidores e informantes devem ser brutalmente eliminados.”

Ao ser condenado, Mandela proferiu o discurso “Estou Preparado para Morrer“, no qual negava a influência socialista sobre suas ações e dizia lutar pelos direitos dos negros.

O discurso foi escrito a várias mãos e editado por um jornalista profissional. Tratava-se de propaganda enganosa conduzida por diversos canais de esquerda para angariar simpatia.

Apesar de tais afirmações soarem como teoria conspiratória de extremistas da direita, elas foram confirmadas por diversos membros não marxistas do CNA, que acusaram Mandela de ter sequestrado a causa antiapartheid, submetendo-a a agenda de Moscou. Cabe ressaltar que todos os integrantes do PCAS também faziam parte do CNA.

De acordo com Rowley Arenstein, proeminente membro do PCAS, Mandela era o principal instrumento dos comunistas para “sequestrar” o CNA e marginalizar seu antigo líder, Albert Luthuli, um ativista legitimamente antiapartheid, e que se opunha à luta armada e aos planos marxistas.

Sabotar e marginalizar os membros moderados e pacíficos do CNA era um de seus papéis. Mandela enganava seus colegas de CNA conforme novas diretivas do PCAS eram emitidas. Explorava os anseios legítimos dos verdadeiros ativistas antiapartheid, de derrotar o racismo institucionalizado, para implantar um regime totalitário de extrema-esquerda. No documento “Como Ser um Bom Comunista”, Mandela escreveu que o estudo do marxismo é necessário para controlar melhor as massas. E ele controlou.

Em 1965, o MK se aliou ao ZIPRA, o braço armado de um partido marxista-leninista do Zimbábue (Rodésia na época), e que tem no seu currículo o emprego de mísseis antiaéreos contra aviões comerciais.

Após uma desastrada invasão conjunta ao país, na qual as forças revolucionárias foram derrotadas pelo Exército da Rodésia, a MK entrou em uma crise militar. Durante a década de 1970 o movimento foi duramente combatido pelo governo sul-africano.

Em junho de 1976, um protesto de estudantes negros acabou em uma infame tragédia conhecida como Levante de Soweto. A polícia sul-africana abriu fogo contra adolescentes que jogavam pedras. Houve uma escalada de violência que resultou em centenas de mortes, incluindo crianças. Mais uma vez o MK aproveitou o momento para reconstruir seu exército e conquistar apoio.

Enquanto Mandela estava preso na Ilha de Robben, sua mulher Winnie Mandela estava em pleno processo de glorificação como parte de uma campanha de culto à personalidade, a nova estratégia da MK.

A mídia local e internacional, distorcendo os fatos a serviço das esquerdas mundiais, a elevavam à condição de “mama wetu” (mãe da nação), “rainha guerreira” e “Evita negra” (sendo a própria Evita Perón uma falsa heroína). Não demorou a que as atenções do PCAS se voltassem para a recuperação da imagem do marido dela e a pressão internacional se fizesse sentir.

Em 1982, Mandela foi transferido para a prisão de Pollsmor, na Cidade do Cabo. Não só passou a ter diversas regalias como também obteve acesso a várias amenidades de comunicação com o exterior. Chris Hani, um líder da MK famoso por sua brutal repressão contra membros não marxistas do CNA, alegou que possuía total acesso à Mandela e que bastava um telefonema para marcar uma reunião com ele.

Nesta época, a MK passou a adotar a estratégia de propaganda pelo ato, ou seja, ações de grande visibilidade embora de pouco valor tático.  Mandela passou a comandar este tipo de atividade de dentro da prisão (tal qual os criminosos organizados brasileiros), e esta foi justamente a fase mais sangrenta e desumana do MK.

Entre 1980 e 1994, dezenas de milhares de civis inocentes foram mortos em ataques do CNA, sendo que boa parte destes crimes foi ordenada ou autorizada por Nelson Mandela. Em cerca de 80% das vezes o alvo dos ataques era a população civil.

Um dos mais conhecidos e infames atos terroristas deste período foi o Atentando de Church Street, em 1983. Mandela o ordenou em conjunto com Tambo.

Embora o alvo fosse uma instalação da Força Aérea Sul-Africana, os explosivos foram programados para detonar na hora do rush, com o objetivo de causar o máximo de baixas entre os civis. Foram 19 mortos e 217 feridos, incluindo mulheres e crianças de várias etnias. Havia pedaços de corpos humanos espalhados por uma enorme área.

No seu livro “Um Longo Caminho para a Liberdade”, Mandela confessa que autorizou pessoalmente diversos atentados. O ataque ao Shopping Amanzimtoti, por exemplo, matou 2 mulheres e 3 crianças.

Além de atentados à bomba, houve também uma campanha de minagem, pilhagem e vandalismo.

Somente entre 1985 e 1987, as minas terrestres colocadas nas estradas rurais pelo CNA custaram 125 vidas inocentes. Entre 1984 e 1989 cerca de 7200 casas de negros não-membros do CNA foram destruídas, além de 1770 escolas, 10318 ônibus, cerca de 50 templos e milhares de carros e estabelecimentos comerciais.

Destaque-se que o CNA foi classificado como grupo terrorista pelo Departamento de Estado dos EUA e por muitas outras agências de inteligência.

Testemunhas das atrocidades que tentaram alertar o mundo foram assassinadas.

Bartholomew Hlapane, dissidente do PCAS, depôs diante do Comitê do Senado Americano para Segurança e Terrorismo, em 1982. Hlapane revelou a verdade sobre a Carta da Liberdade, documento oficial contendo os princípios básicos do CNA, escrito com a participação de Mandela, e que se tornou símbolo da causa antiapartheid.

O documento havia sido esboçado por Joe Slovo a pedido do Comitê Central do Partido Comunista da URSS. O dissidente revelou também as ligações entre o CNA e o PCAS. Pouco tempo após seu testemunho, foi executado a tiros de fuzil AK-47 por um membro do CNA.

Por mais monstruosos que sejam os relatos lidos até aqui, nada disso se compara à natureza diabólica do que relatarei agora.

Necklacing (colar bárbaro). Este termo foi cunhado por Winnie Mandela. Trata-se de um método de execução que consiste em colocar pneus de borracha embebidos em gasolina em torno do corpo da vítima, que por sua vez era forçada a beber o combustível. Ateia-se fogo aos pneus. A borracha derretida carcome a pele enquanto as chamas consomem a pessoa. A morte só chega após cerca de 20 minutos de sofrimento agonizante.

Estima-se que 3.000 pessoas tenham sido mortas assim pelo CNA. O método era aprovado e incentivado por Winnie, que disse em um discurso: Com nossas caixas de fósforos e nossos necklaces, libertaremos esse país.

As vítimas eram praticamente todas negras, acusadas de traição e colaboração com o regime. Incluíam funcionários públicos negros, adolescentes sem engajamento político e trabalhadores que não participavam de greves. Mineiros estrangeiros e lojistas também foram vitimados.

Os “julgamentos” aconteciam na rua, aos gritos da turba. Winnie usou o necklace como arma de guerra psicológica.

Hordas do CNA em conjunto com a UDF (Frente Democrática Unida, um dos grupos guerrilheiros antiapartheid) promoveram uma verdadeira guerra civil negra, invadindo comunidades pacíficas e queimando casas. Cerca de 200 mil negros ficaram desabrigados. Algumas comunidades negras chegaram a montar milícias para se defender dos guerrilheiros de Mandela.

Em 1989 formou-se uma aliança entre o COSATU (Congresso Sul-Africano de Sindicatos), PCAS e UDF. Este bloco pouco coeso na época ficou conhecido como Movimento Democrático de Massa, e viria a formar a base do novo apartheid corporativista que vigora hoje no país.

ANC MANDELA COUPLE JOE SLOVO MY FAVOURITE PIC TELLS WHOLE STORY_thumb[4].jpg
Winnie, Nelson Mandela e Joe Slovo

UM CURTO CAMINHO PARA A TIRANIA“Sob regime comunista a África do Sul será uma terra de leite e mel” — Nelson Mandela

Em 1985, P.W. Botha, então presidente da África do Sul, ofereceu a liberdade a Nelson Mandela desde que ele renunciasse à violência. A proposta não foi aceita, e ele só saiu da prisão mediante ordem incondicional de soltura emitida pelo presidente De Klerk em 1990.

A pressão internacional pela sua libertação contou com grande participação do Conselho Mundial da Paz, uma organização fundada no âmago do politburo soviético e dirigida pela KGB. Até 1991, quando a URSS foi dissolvida, militantes do CNA ainda recebiam treinamento militar em quartéis russos. O socialismo ocidental também teve grande influência na campanha “Free Mandela”.

Cinco anos antes da soltura, o vice-diretor do Comitê de Direitos Humanos do Parlamento Europeu Nicholas Bethell disse que defendia a luta armada, afinal ele também era socialista. Lideranças da esquerda britânica, americana e escandinava ajudaram a trabalhar a imagem de Mandela e financiaram o terrorismo da MK.

De Klerk, cuja agenda estava subordinada a interesses globalistas, tratou de esconder do país os planos e atividades do CNA. Os serviços de inteligência sul-africanos foram instruídos a não investigar o partido para não comprometer a imagem moderada que a mídia passava ao mundo.

Jornalistas que dissessem a verdade, tais como Aida Parker, eram censurados. A Aida Parker’s Newsletter divulgou detalhes dos horrores dos campos de detenção do CNA e de como a mídia colaborou para a falsificação da imagem de Mandela.

Se Mandela era um perigo para as pessoas dentro da prisão, ao sair ele se tornou o flagelo do país. Tão logo se viu livre, o futuro ganhador do Nobel da Paz clamou por uma intensificação da luta armada.

Uma onda de terror varreu a África do Sul logo após sua liberação. Nos primeiros 20 dias 84 pessoas foram assassinadas pelo CNA, 19 delas através do necklace. Houve inclusive execução de mulheres acusadas de bruxaria.

As sombrias previsões do jornal de inteligência britânico Special Office Brief foram confirmadas: A África do Sul está à beira de um banho de sangue de negros contra negros. O terrorista Mandela não é um líder majoritário e não será aceito pelos zulus.”

De fato, os zulus eram majoritariamente anticomunistas e ferrenhos opositores do CNA. Iniciou-se uma guerra entre este e o Partido da Liberdade Inkatha, organização conservadora nacionalista zulu, com o CNA iniciando as agressões e culpando o Inkatha.

A violência incitada por Mandela atingiu pesadamente a população branca. O canto de “Matem o bôer! Matem o Fazendeiro” ecoava nas fileiras do CNA.

Em 1992 ouve 369 ataques contra fazendas. No auge dos massacres, em 1993, 55 pessoas eram assassinadas por dia, a maioria africâneres vítimas da campanha de vingança racial de Mandela.

Neste vídeo ele canta uma música sobre matar brancos:

A brutalidade do processo político que levou o CNA ao poder faria inveja a Oliver Cromwell.

O partido organizou uma unidade de 3150 homens chamada National Peacekeeping Force (NPKF), traduzido como Força Nacional de Paz. Sua função era assegurar o poder do CNA e de Mandela.

A oposição foi esmagada através de golpes políticos contra os bantustões. Estes territórios já gozavam de certa autonomia e muitos de seus líderes recusavam a incorporação à África do Sul.

Mas para uma democracia, o número de pessoas espoliadas importa e separatismo é um mau negócio. Em um documento chamado “Prepare a Foice para o Martelo Vindouro”, preparado pelo PCAS, lê-se:

Esforços devem ser feitos para persuadir os servidores públicos de que sua estabilidade trabalhista e suas pensões só podem ser garantidas por um governo popular e não por líderes tribais.

De fato, apenas governos voltados para as massas podem garantir tamanho nível de espoliação e parasitismo.

O pior conflito aconteceu no Bantustão de Bophuthatswana, o mais rico deles. Seu líder, Lucas Mangope, queria a autonomia do território e se opunha ao CNA, que por sua vez iniciou uma invasão de 1 semana contra Bophuthatswana.

Houve pilhagens, incêndios, saques e estupros. A NPKF depôs Mangope. O mesmo aconteceu no Bantustão de Ciskei, com a deposição de Oupa Gqoso.  Após Ciskei, Joe Slovo disse: “dois já foram, falta um“, referindo-se ao KwaZulu, território outrora autônomo da etnia zulu.

Março de 1994. Cerca de 20 mil membros do Partido da Liberdade Intakha, que defendia a autonomia do KwaZulu, protestaram pacificamente contra as eleições até Shell House, o quartel general do CNA.

Sob ordens de Mandela, homens armados do CNA abriram fogo contra a multidão matando 53 zulus. O incidente ficou conhecido como Massacre de Shell House. Dissidentes políticos capturados foram torturados, inclusive uma criança.

A imprensa internacional reagiu com doentia condescendência. Um artigo no Los Angeles Times dizia:

Os sul-africanos e a comunidade internacional devem encarar o fato de que muitos chefes do Intakha não irão cooperar. Forçá-los a aceitar a realidade de uma África do Sul democrática será um longo e talvez violento processo.

Qualquer semelhança com os ataques dos revolucionários franceses aos alsacianos com a desculpa de que eles não falavam a “linguagem da república” não é mera coincidência. Mas os livros franceses que glorificam as barbáries da Revolução Francesa afirmam: “O Terror é terrível, mas grandioso”.

No período entre sua soltura e a subida ao poder, Mandela fez um giro pelo mundo, como parte da campanha para promover sua imagem.

Ao longo da turnê manifestou seu apoio aos mais sanguinários ditadores do mundo, como Fidel Castro, Saddam Hussein, Ali Khamenei e Hafez al-Assad.

Muito amigo do genocida líbio Muammar al-Gaddafi, disse que ele possuía compromisso com a paz e com os direitos humanos.

Mandela era simpatizante de Idi Amin Dada, o brutal ditador de Uganda que foi cúmplice do sequestro de um avião comercial por terroristas palestinos. Na ocasião, em 1976, commandos israelenses resgataram os reféns no Aeroporto de Entebbe.

Mandela era antissemita. Em um encontro com o também terrorista Yasser Arafat, classificou o resgate de Entebbe como “ato de barbárie.” Em uma cerimônia em Teerã, Mandela disse:

O povo da África fará da revolução islâmica do Irã um modelo para seus movimentos revolucionários.

Em meio à festa da mídia mundial em torno de Mandela, um homem, em um ato de bravura, expôs a verdade sobre o terrorista no American Opinion Speakers Bureau da Sociedade John Birch.

Trata-se de Tomsanqa Linda, ex-prefeito de Ibhayi, uma cidade com 400 mil habitantes negros. Linda quase foi assassinado pelo CNA em 1985. Sua casa e seus negócios foram incendiados, bem como a casa de seus parentes e amigos.

A despeito das ameaças de morte, Linda contou ao mundo os crimes de Mandela. Mais importante que isso, revelou o fato de que a população negra sempre havia desprezado o CNA e a UDF.

Enquanto Mandela pressionava os governos do mundo para aumentar as sanções e boicotes contra a África do Sul, Linda alertou para o fato de que as sanções afetariam principalmente as famílias negras mais pobres. Estas, ao contrário de Mandela, pediam o fim das sanções. Como disse Don Fotheringham, a maior ameaça à população negra era Mandela e seu partido comunista.

A eleição que colocou Mandela no poder foi fraudulenta. Enquanto a mídia internacional preparava a opinião pública ocidental para uma possível intervenção militar da ONU, a NPKF intimidava o eleitorado de oposição. Homens do CNA pululavam nos locais de votação.

Crianças receberam documentos falsos para votar em Mandela. A chamada Comissão Eleitoral Independente era liderada pelo esquerdista Johann Kriegler, simpatizante do CNA.

E assim o terrorista agraciado com o Nobel da Paz assumiu a presidência da África do Sul em maio de 1994. Estima-se que a guerra civil promovida pelo MK de Mandela tenha tido o sanguinolento saldo de 300 mil mortos.

Mandela Fidel.jpg
Mandela e Fidel Castro

COMO SER UM BOM GENOCIDA“Para a maioria dos negros, as promessas utópicas de Mandela se transformaram em um Pesadelo Orwelliano.” — Aida Parker

Pior que Mandela revolucionário foi Mandela no poder.

Em 1995 foi formada a Comissão da Verdade e Reconciliação (CVR), uma corte constituída após o fim do Apartheid e controlada por membros do CNA e do PCAS. Dedicava-se ao revisionismo histórico e à absolvição de criminosos, bem como à promoção cultural do revanchismo étnico.

No mesmo ano, o tenente-coronel Willem Ratte, veterano das guerras de fronteira na Angola, acusou Mandela de homicídio devido ao Massacre de Shell House. A CVR o absolveu.

No mesmo ano a Rádio Donkerhoek, de Hatte, foi fechada por Mandela que, já no poder, cerceou a liberdade de imprensa buscando esconder a verdade.

Winnie Mandela foi condenada pela CVR pela tortura e necklacing de Stompie Moeketsi, uma menina de 14 anos que havia sido acusada de colaborar com a polícia em 1988.

Sua sentença de 6 anos de prisão foi reduzida pela comissão para uma simples multa e ela continuou sendo membro do CNA.

Mandela foi o mentor de um novo apartheid, piorado, desta vez contra brancos e zulus.

O objetivo é o mesmo do apartheid original: garantir o domínio da aliança entre governo e grandes corporações sobre as reservas minerais através do controle do mercado, da cizânia entre as etnias, da expulsão da população africâner e da segregação do povo zulu.

Os bôeres passaram a ser assassinados em suas fazendas, em seus negócios e em suas casas. Charles Nqakula, membro do PCAS e Ministro da Segurança, disse que se os brancos não gostam dos ataques, que se retirem da África do Sul.

Houve total repressão ao direito de autodeterminação de etnias negras minoritárias.

A primeira parte do plano de Mandela foi a disseminação do caos e a formação de uma base política que o apoiasse.

Assassinos e estupradores foram soltos dos presídios.

O então presidente sul-africano ordenou também que escolas dos brancos fossem queimadas e proibiu a fala do idioma africâner, embora ele próprio fosse fluente no idioma.

Lembremos que Pol Pot falava francês fluentemente mas executava quem falasse o idioma no Cambodja. Seu gabinete era quase inteiramente composto por comunistas, alçados a posições proeminentes de acordo com seu ódio contra brancos.

Um deles era Peter Mokaba, um dos responsáveis por popularizar o lema “Matem o fazendeiro, matem o bôer“.

Com Mandela no poder a taxa de criminalidade disparou, o padrão de vida caiu e houve degradação ambiental.

Sua política econômica foi caracterizada por leis trabalhistas altamente restritivas, impostos escorchantes, ações afirmativas altamente discriminatórias e inflacionismo.

Um grande número de brancos deixou a África do Sul num primeiro momento e hoje um número ainda maior de pessoas de todas as etnias está abandonando o país. A maior parte dos emigrantes são pessoas com alto grau de instrução.

Os sucessores de Mandela perpetuaram suas ingerências e o CNA está até hoje no poder. O país é governado por uma elite política. Os tiranos brancos foram substituídos por tiranos negros. Enquanto o CNA se autoglorifica com monumentos e mansões para seus membros, o povo sofre com doenças, miséria e violência, como de costume em regimes socialistas.

Em 2002 a taxa de desemprego chegou a alarmantes 48%. Os negros são os principais afetados, uma vez que na década de 1980 o CNA proibiu negros de estudar como parte da campanha “revolução antes da educação”.

Os efeitos disso no mercado de trabalho são sentidos com força atualmente. Entre 1994 e 2011 houve uma desvalorização de 70% do rand, a moeda do país, o que agravou os efeitos da pobreza.

O estado de bem-estar social promovido por Mandela conseguiu aquilo que o apartheid nunca alcançou: a destruição dos negros.

Em apenas uma década de regime democrático do CNA o número de pessoas vivendo com menos de 1 dólar por dia passou de 2 milhões para 4 milhões, e o número de favelados aumentou 50%.

Apenas 5000 dos 35 milhões de negros sul-africanos ganhavam mais de 60 mil dólares por ano em 2004. Naquele ano os registros apontaram para 60% dos habitantes vivendo sem saneamento adequado e 40% vivendo sem telefone, enquanto o índice de infecção por HIV chegava a intoleráveis 20%.

Entre 1994 e 2010 quase meio milhão de pessoas morreram de AIDS. A expectativa de vida havia caiu 13 anos em apenas 10 anos de governo do CNA.

Nunca houve tanta violência na África do Sul quanto agora. Desde que o CNA de Mandela assumiu o país, quase 1 milhão mulheres foram estupradas e quase 300 mil sul-africanos foram assassinados.

O Ato de Controle de Armas de Fogo de 2000 fez com que a criminalidade e o número de gangs disparassem e abriu caminho para uma escalada sem precedentes do genocídio branco.

A África do Sul se transformou na capital mundial do crime organizado. Há 600 sindicatos do crime operando no país, incluindo mafiosos russos e sicilianos e traficantes nigerianos. As palavras do historiador Paul Johnson, proferidas em 1995, nunca foram tão verdadeiras:

A África do Sul é um país afetado pelo crime e pela corrupção, com padrões declinantes e uma população acometida pela pobreza e pela existência carnal.

O legado mais nefasto de Mandela é o genocídio perpetrado pela CNA e seus aliados contra a população branca.

Esta abjeta campanha de terror ocorre com a anuência do atual presidente sul-africano, Jacob Zuma, que tem em seu currículo uma acusação de estupro. Zuma forjou uma aliança entre CNA, PCAS e COSATU, formando uma frente comunista responsável pela desapropriação violenta das terras bôeres.

Embora o número de fazendeiros mortos na última década ultrapasse 4000, e o número de africâneres brancos assassinados em crimes de ódio no mesmo período chegue próximo de 70 mil, e apesar do fato de que 50 africâneres são assassinados por dia, o genocídio ainda não atingiu seu auge.

Gregory Stanton, presidente da Genocide Watch, é um dos maiores especialistas em estudos sobre genocídio do mundo.

O autor identificou oito estágios que caracterizam o processo de genocídio, sendo o último deles a negação de que tenha acontecido. O extermínio é o penúltimo. O quinto estágio é a polarização, que no caso da África do Sul é uma polarização racial. Há uma campanha cultural para incutir na população a ideia de que os brancos não são sul-africanos.

De acordo com Stanton o país encontra-se no sexto estágio, chamado preparação. Nesta fase as vítimas são identificadas e separadas segundo critérios étnicos ou religiosos e sua propriedade é expropriada.

O ataque à propriedade privada é, segundo Stanton, uma maneira de consolidar o poder do estado: “propriedade privada te dá o poder econômico de se opor ao governo, sem propriedade privada não há base de poder econômico para tal oposição.” A ideia é minar a capacidade de resistência da população oprimida.

De fato, entre 1994 e 2013 o número de fazendas comerciais caiu de 120 mil para 37 mil. Somente no setor agrícola 400 mil empregos foram perdidos.

Outra estratégia é minar sua capacidade de defesa. O regime do CNA baniu as milícias rurais bôeres que protegiam as fazendas e confiscou suas armas.

A verdadeira razão por trás da matança transparece nas palavras do supremacista negro Julius Malema, ex-presidente da Liga Jovem do CNA e atual comandante do Lutadores da Liberdade Econômica, um partido marxista-leninista, ao requerer a nacionalização das minas: “Eles (brancos) exploraram nossos minerais por muito tempo. Queremos as minas, é a nossa vez.”

O verdadeiro motivo é o roubo, tal qual aquele perpetrado pelo III Reich contra os judeus. O que Malema quer fazer com as minas já está sendo feito com a terra. O CNA as distribuiu para membros do partido através de reforma agrária política e racialmente motivada. 90% dessa terra é improdutiva.

Julius Malema segue conclamando uma guerra contra a população branca, que ele acusa de ser inteiramente criminosa. Promete roubar a terra dos africâner através de uma brutal violência que já está acontecendo.

Mulheres e crianças brancas estão sendo executadas em suas próprias casas. Algumas vítimas são mortas enquanto dormem. Aqueles que tiverem o coração forte podem ver os assustadores e tocantes relatos destas barbáries aqui. Algumas imagens podem ser chocantes demais.

Peter Mokaba, falecido comparsa de Mandela ameaçava os brancos: “When Mandela dies we will kill you like flies.” (Quando Mandela morrer mataremos vocês como moscas). Algumas pessoas nascem e morrem apenas para causar tristeza e sofrimento. A situação tende a piorar.

David_Rockefeller_And_Nelson_Mandela.jpg
Mandela com o banqueiro David Rockefeller

A QUEM INTERESSA A FARSA MANDELA?O primeiro campo de batalha é a reescrita da História” — Karl Marx

A pergunta “a quem interessa?” deveria ser feita mais vezes. Por que terroristas como Mandela recebem o Nobel da Paz, a Medalha Presidencial da Liberdade e o Prêmio da Paz de Lenin? (embora este último, como disse meu amigo David Lage, soe algo como “Prêmio Mengele de Boas Práticas Médicas”).

A quem interessa glorificar Nelson Mandela? Por que as pessoas se comovem com um falso preso político, mas sequer ouvem falar em presos políticos reais como Ignatius Kung Pin-Mei, Óscar Biscet e Saeed Abedini?

Por que tão poucos lembram aqueles que realmente lutaram contra os horrores do Apartheid, movidos por um genuíno senso antirracista e pró-liberdade?

Refiro-me a pessoas como Mangosuthu Bethelezi, líder do Inthaka Freedom Party; e o bispo Isaac Mokoena, líder da Associação da Igreja Reformada Independente, que lutou contra a lei que impedia casamentos entre etnias e contra as sanções econômicas ocidentais.

Ressalte-se que a Igreja Católica e muitas outras denominações cristãs tiverem um importante papel na luta antiapartheid, mas hoje sofrem não só com a ingratidão, mas também com injustiças.

Jacob Zuma acusa o Cristianismo de ser o culpado pelos problemas do país.

Por que não se ouve falar dos outros casos de apartheid no continente africano, como a expulsão de milhares de negros mauritanos de suas terras (e tortura e morte de muitos outros), promovida por Ould Taya?

Por que as escolas ensinam que Mandela foi um herói? Por que o mundo inteiro se comove com a África do Sul, mas não com Serra Leoa, Sudão, Uganda, ou com os curdos?

É ingenuidade pensar que as lideranças políticas e geopolíticas — os mesmos indivíduos que mentem, falsificam, roubam, matam, e declaram guerras injustificáveis — seriam tomados por um espírito de luz que os encheria de terna compaixão pelos povos oprimidos.

O real motivo da cruzada mundial contra o Apartheid e pró-Mandela se resume a uma palavra: minérios.

A África do Sul é rica em ouro e diamantes, além de abrigar um dos 19 pontos de estrangulamento do comércio marítimo internacional. A área de influência de sua Marinha de Guerra abrange outros 7 pontos de estrangulamento no Oceano Índico.

O país possui também uma das maiores reservas de minérios estratégicos do mundo. Utilizados em ligas de alta resistência e alta tecnologia eletrônica, estes recursos são de grande interesse militar.

Até 1989, 40% de todo o ouro minerado na História era proveniente da África do Sul. Ainda hoje, o país é o maior produtor de cromo e possui 95% das reservas mundiais de metais do grupo da platina (platina, paládio, ródio, rutênio, irídio e ósmio).

Durante a guerra fria, a importância de se controlar essas jazidas atingiu novos patamares.

Após a independência em 1961, o status da África do Sul como potência regional e o crescente poderio do Partido Nacional passaram a representar uma grande ameaça aos interesses soviéticos, o suficiente para que estes tomassem providências imperialistas.

Relatórios dos serviços de inteligência sul-africanos revelaram que o objetivo do apoio soviético ao PCAS e ao CNA era de fato o controle das reservas minerais. Em 1973 o então presidente da URSS Leonid Brejnev afirmou:

Nossa meta é ganhar o controle dos dois grandes tesouros dos quais o Ocidente depende — o tesouro energético do Golfo Pérsico e o tesouro mineral da África do Sul.

A estratégia adotada era a desestabilização do regime africâner através do suporte e financiamento de movimentos comunistas revolucionários internos e externos.

Tanto o crescimento do poderio africâner quanto da influência soviética na África do Sul eram intoleráveis para os líderes corporativistas anglo-americanos que controlavam as minas desde os tempos coloniais.

A resposta dos banqueiros ocidentais foi garantir sua posição valendo-se do método soviético, já testado em campo.

Relatórios policiais indicam que em 1984, Gavin Reddy, CEO da Anglo-American Mining Corporation, já estava em plena negociação com líderes do CNA exilados na Zâmbia.

A empresa foi fundada na África do Sul pelo banco J.P. Morgan e por Ernst Oppenheimer, empresário do ramo de ouro e diamantes que também controlava o cartel de mineradoras De Beers.

O lobby dos governos ocidentais, grandes corporações, grandes bancos e instituições midiáticas havia se organizado para assumir o patrocínio da CNA, organização oficialmente amparada pela diplomacia americana na época.

Um artigo de 1983 publicado por Thomas G. Karis, colaborador da ONU, declara que seria vantajoso para os EUA ver pessoas como Mandela no poder.

A partir de 1986 o presidente americano Ronald Reagan impôs sanções ao governo sul-africano, pressão para boicote internacional, retirada da CNA da lista de organizações terroristas e a ordem de soltura de prisioneiros, incluindo Mandela.

O motivo não era as atrocidades racistas do regime, mas a aliança com o CNA, que uma vez no poder, favoreceria a agenda dos cartéis anglo-americanos.

O senador americano Jesse Helms, que se opôs às sanções, notou que esta medida não estava ligada aos problemas de segregação racial, mas sim à transferência de poder para as elites comunistas do movimento antiapartheid. As lideranças negras não comunistas foram completamente esquecidas.

Na mesma época a mídia iniciou um amplo trabalho de marketing pessoal para construir a imagem de Mandela como herói e libertador.

A manipulação da opinião pública no Ocidente legitimou politicamente não apenas as sanções como também os planos de transferência de poder.

Ao assumir o poder, o CNA cumpriu sua parte do acordo. O partido de Mandela não adotou medidas marxistas-leninistas, mas sim medidas corporativistas keynesianas, oferecendo concessões a grandes corporações ocidentais para exploração de minérios e outros ativos estratégicos.

Em 1994 o CNA submeteu seu plano econômico a Harry Oppenheimer, filho de Ernst, e que havia financiado movimentos revolucionários entre as décadas de 1970 e 1980.

Mandela era seu amigo pessoal e disse que “suas contribuições para construir uma parceria entre grandes corporações e o novo governo democrático neste primeiro período de regime democrático merecem todo o apreço”.

Mandela também afirmou, em 1996, que a privatização das “paraestatais” herdadas da era do apartheid é a política fundamental do CNA.

O que ele chama de “privatização” são na realidade concessões a grandes corporações em detrimento da livre competição de mercado.

Diversas agências do governo americano, incluindo o Departamento de Defesa supervisionam programas de cooperação comercial. Bilhões de dólares de ajuda externa arrancados dos americanos pobres são enviados aos sul-africanos ricos e politicamente bem relacionados.

Os negócios entre África do Sul e o eixo Washington-Londres decolam. Mas a vida do cidadão comum sul-africano está cada vez pior devido à ausência do autêntico capitalismo.

Talvez o fato mais triste de todo esse jogo de interesses sejam os diamantes de sangue, cuja mineração utiliza trabalho escravo e cujas receitas fomentem batalhas entre senhores da guerra africanos.

Trata-se de uma indústria monopolística chefiada pela DeBeers Consolidated Mines, esta controlada pelo Rothschild Bank de Londres.

A mineradora persuadiu governos do mundo todo, através de lobby, a negociar toda a produção de diamantes através da DeBeer’s Central Selling Organization (CSO).

O mercado de diamantes não é livre. As determinações regulatórias impostas pelas agências da ONU e pelos estados servem aos interesses do cartel, perseguindo produtores independentes.  Ao mesmo tempo a DeBeers consegue qualquer certificação que necessite, independentemente de seus métodos de exploração, trabalhando em conjunto com governos africanos e membros da comunidade internacional.

A África do Sul produz mais de 1 bilhão de dólares anuais em diamantes.

Em 2006 o cineasta Edward Zwick viajou à África para filmar “Diamantes de Sangue“, um filme a respeito da Guerra Civil de Serra Leoa (1991-2002).

O longa-metragem mostra a tragédia causada pelo monopólio da DeBeers, incluindo o sequestro de civis pela Frente Revolucionária Unida (um grupo guerrilheiro de Serra Leoa) para trabalhar nas minas. Na ocasião Mandela enviou a Zwick uma carta de advertência:

Seria profundamente lamentável se a produção do filme inadvertidamente obscurecesse a verdade, e como resultado, levasse o mundo a acreditar que a resposta apropriada seria parar de comprar diamantes produzidos na África.

A verdade é que Mandela, a serviço da URSS quando guerrilheiro, passou a servir aos banqueiros de Londres quando estadista.

Mentiroso contumaz, fingiu defender os direitos individuais enquanto endossava o genocídio. Fingiu defender a união entre os povos enquanto protegeu apenas a união de cartéis e de esquemas políticos. Fingiu defender a paz enquanto lucrava com a guerra.

Acenou para as nossas crianças com a mão encharcada de sangue inocente. Seu legado de horror ainda assombrará a África do Sul por muitos anos.

Agradecimentos

Tatiana Villas Boas Gabbi, por sua colaboração inestimável ao adequar minhas referências bibliográficas às normas vigentes; Ariel Barja e Fernando Fiori Chiocca pelas excelentes sugestões de sites e artigos

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Livros

KLEIN, N. Democracy born in chains: South Africa constricted freedom. In ____. The Shock Doctrine: The Rise of Disaster Capitalism. New York: Henry Holt and Company, 2008. p.194-217. cap 10.

HUT, W. H. The economics of the colour bar. London: Merritt & Hatcher Ltd., 1964. 190p.

LOBAIDO, A. C. The Third Boer War. Bloomington: AuthorHouse, 2001. 724p.

ROTHBARD, M. N. The Crusade Against South Africa. In _____. Making Economic Sense. 2. ed. Auburn: Ludwig von Mises Institute, 2006. p.383-385. cap 94.

ELLIS, S. External Mission: the ANC in Exile, 1960-1990. Cape Town: Jonathan Ball Publishers Ltd, 2012. 384p.

LUGAN, B. Histoire de l’Afrique du Sud. Paris: Ellipses Marketing, 2010. 552p.

MANDELA, N. Um longo caminho para a liberdade. Lisboa: Editorial Planeta, 2012. 600p.

NARLOCH, L. Guia politicamente incorreto da história do mundo. São Paulo: Leya, 2013. 352p.

WILLIAMS, W. E. South Africa’s War Against Capitalism. Westport: Praeger Publishers, 1989. 172p.

Websites

LONDRES. British Broadcasting Corporation (BBC). Ethics of War. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/ethics/war/>. Acesso em 7. Set. 2013.

STANTON, G. The 8  Stages of Genocide. Disponível em: <

http://www.genocidewatch.org/genocide/8stagesofgenocide.html>. Acesso em 18. Out. 2013.

FREEMAN, C.; FLANAGAN, J. Mandela foi do Partido Comunista: ele negou por décadas. Mídia sem Máscara, 14. Dez. 2012. Publicado originalmente no The Telegraph, Londres, 8. Dez. 2012. Disponível em: <

http://www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/13683-mandela-foi-do-partido-comunista-ele-negou-por-decadas.html>. Acesso em 9. Out. 2013.

De CARVALHO, Olavo. Mandela, escravidão e dia da Consciência Negra. 7min18seg. Uploaded 19. Nov. 2009 por ernestochegaavara. Vídeo disponível em: <http://www.youtube.com/watch?v=F39l9zy1p-U>. Acesso em 7. Set. 2013.

LINDA, T. Mayor Linda versus Mandela. New American, 30. Jul. 1990. Entrevista concedida a William F. Jasper. Disponível em: <

http://www.thenewamerican.com/usnews/foreign-policy/item/15835-mayor-linda-versus-mandela>. Acesso em 18. Out. 2013.

JASPER, W. F. “Saint”Mandela? Not so fast. New American, 3. Jul. 2013. Disponível em: <http://www.thenewamerican.com/world-news/africa/item/15888-saint-mandela-not-so-fast>. Acesso em 19. Out. 2013.

CHOTINER, I. Nelson Mandela, the Diamond Shill. New Republic, 18. Dez. 2006. Disponível em <http://www.newrepublic.com/article/mandela-diamond-shill>. Acesso em 5. Dez. 2013.

UNIVERSITY OF MISSOURI-KANSAS CITY (UMKC) SCHOOL OF LAW. Famous trials, LINDER, D. O . The Nelson Mandela (Rivonia) Trial 1963-1964. “Operation Mayibuye”, 2010. Disponível em: <http://law2.umkc.edu/faculty/projects/ftrials/mandela/mandelaoperationm.html>. Acesso em 22. Out. 2013.

MCFERRAN, W. L. Sout Africa: The Questions that Need to Be Asked. New American, 2. Mar. 1987. Disponível em: <

http://www.thenewamerican.com/world-news/africa/item/13099-south-africa-the-questions-that-need-to-be-asked>. Acesso em 9. Nov. 2013.

VALENTINE, H. The Saga of South Africa’s Economy. Ludwig von Mises Institute, 27. Abr. 2004. Disponível em <http://mises.org/daily/1501/>. Acesso em 17. Set. 2013.

Afrikaner Genocide Museum. Disponível em <http://ajkraad.wix.com/genocide-museum>. Acesso em 5. Dez. 2013.

Who is Winnie Mandela? 2min48seg. Uploaded 31. Mai. 2012. por sawitboertjie. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=ffv4TcpfyAs>. Acesso em 18. Set. 2013.

Nelson Mandela – The Bombing Record. Censorbugbear – Uncensored South African News (CBB), 20. Mai. 2011. Disponível em: <http://www.censorbugbear.org/black-racism/terrorism/nelson-mandela-the-bombing-record>. Acesso em 7. Set. 2013.

Legal Terrorism.The Aida Parker Newsletter. Issue No. 200, Out. 1996. Disponível em <http://www.cycad.com/cgi-bin/Aida/aida-200.html>. Acesso em 15. Nov. 2013.

WILLCOCK, S.; PARKER, A. Lest we forget: the Truth about Nelson Mandela.pdf In Bible Based Ministries, 12. Jul. 2013. Disponível em <http://www.biblebasedministries.co.uk/2013/07/12/lest-we-forget-the-truth-about-nelson-mandela/>. Acesso em 15. Nov. 2013.

“Terrorist” Mandela never renounced violence. Zimeye, 15. Ago. 2011. Disponível em <http://www.zimeye.org/terrorist-nelson-mandela-never-renounced-violence/>. Acesso em 10. Set. 2013.

Hidden globalist agenda behind Mandela’s ANC rise to power in South Africa. Northland: Uncensored Magazine, 21. Fev. 2010. Disponível em <http://uncensored.co.nz/2010/02/21/hidden-globalist-agenda-behind-mandela%E2%80%99s-anc-rise-to-power-in-south-africa/>  Acesso em 8. Out. 2013.

National Response to TRC Report (Subject for Discussion). 25. Fev. 1999. Publicado em 2005 no site do South Africa’s Parliamentary Monitoring Group. Disponível em <http://www.pmg.org.za/docs/2005/990225trcdebate.htm>. Acesso em 19. Set. 2013.

JENKINS L. Black hate crime of the week – The great Mandela lie. In: The Hernando Heckler Blog, 6. Dez. 2013. Disponível em <http://hernandoheckler.wordpress.com/2013/12/06/black-hate-crime-of-the-week-the-great-mandela-lie/>. Acessado em 6. Dez. 2013.

NEWMAN, A. South Africa Facing White Genocide, total communist takeover. In: New American, 04. Ago. 2012. Disponível em <http://www.thenewamerican.com/world-news/africa/item/12326-south-africa-facing-white-genocide-total-communist-takeover>. Acessado em 17. Out. 2013.

Mandela honours “monumental” Oppenheimer. In IOL, 21. Ago. 2000. Disponível em <

http://www.iol.co.za/news/politics/mandela-honours-monumental-oppenheimer-1.47780?ot=inmsa.ArticlePrintPageLayout.ot>. Acessado em 8. Dez. 2013.

SCHLUSSEL, D. Nelson “Kill the Whites” Mandela, Friend of HAMAS/PLO, Anti-Israel Racist, Dead; VIDEO: “Kill the Whites”.  Em Debbie Schlussel, 6. Dez. 2013. Disponível em <

http://www.debbieschlussel.com/67724/nelson-kill-the-whites-mandela-friend-of-hamasplo-anti-israel-racist-dead/>. Acessado em 6. Dez. 2013.

Zille, H. Real Cause of Black South Africans’ Poverty. In: Zimeye, 27. Jan. 2013. Disponível em

<http://www.zimeye.org/real-cause-of-black-south-africans-poverty/>. Acessado em 5. Out. 2013.

NEWMAN, A. New evidence shows Mandela was a senior communist party member. In New American, 13. Dez. 2012. Disponível em <http://www.thenewamerican.com/world-news/africa/item/13920-new-evidence-shows-mandela-was-senior-communist-party-member>. Acessado em 29. Set. 2013.

FARRON, S. Prejudice is Free, but Discrimination has Costs. Journal of Libertarian Studies, 2000;14: 179-245. Disponível em: <http://mises.org/journals/jls/14_2/14_2_3.pdf>. Acessado em 20. Set. 2013

UNIVERSITY OF MISSOURI-KANSAS CITY (UMKC) SCHOOL OF LAW. Famous trials, LINDER, D. O . The Nelson Mandela (Rivonia) Trial 1963-1964. “The Nelson Mandela (Rivonia) Trial: an account”, 2010. Disponível em: <http://law2.umkc.edu/faculty/projects/ftrials/mandela/mandelaaccount.html> Acessado em 14. Out. 2013.

Mandela taken off US terror list. In BBC News Channel, 1. Jul. 2008. Disponível em <http://news.bbc.co.uk/2/hi/americas/7484517.stm>. Acessado em 8. Set. 2013.

GOES, M. P. Não chore a morte de Nelson Mandela: É um racista que odeia branco e é comunista da pior espécie. In: Libertar.in, 6. Dez. 2013. Disponível em <http://www.libertar.in/2013/12/nao-chore-morte-de-nelson-mandela-e-um.html>. Acessado em 6. Dez. 2013.

What is Nelson Mandela’s legacy?  Genocide Watch tells us simply this:
Since 1994, more than 70000 (and counting)white South Africans have been murdered of which more than 4000 were commercial farmers. Exact figures are very hard to come by as the South African police fail to report most of the murders that take place.
These numbers are thus conservatively estimated.
As the white population of South Africa was 4 434 697 according to the official state census in 1996, and more than 400 000 white South Africans have left the country, it could be estimated that nearly 2% of white South Africans have been murdered in the 18 years of democracy. Compare that to the 7518 black people that were murdered by the Apartheid government, which comes to a percentage of 0.02% of the black population.
(And no, you can’t compare people killed by the security forces with people killed by civilians, but I’m sure that if you look up white on black civilian murders during Apartheid, it would still be very low indeed.)
There were roughly 128 000 commercial farmers in South Africa in 1980. Today there are 40000 commercial farmers left in South Africa.
Since 1994, more than 4000 farmers have been murdered and many more maimed, tortured, raped and assaulted. It was established that more white farmers die per year is South Africa than soldiers in Vietnam

Payback, right? These white people deserve their fate for having been born white in a world that hates the simple fact they dare to exist. [Two more S.African farmers killed: death toll ow at 3,037, Digital Journal, 2-17-2009]:

Two more South African farm dwellers were murdered – bringing the death rate for white commercial farm dwellers to 3,037 since apartheid rule ended in 1994. Killed at his smallholding were lawyer Doppie de Villiers; and livestock farmer David Greig.

Doppie de Villiers’ son, sheep farmer Johnnie, who lived on the same smallholding in the Bronkhorstspruit district north of Pretoria with his lawyer dad, who was 66, was deeply traumatised after finding his dad tortured and murdered. The father and son lived in homes on the same agricultural smallholding near Bronkhorstspruit. His father was a lawyer at the Cullinan law courts nearby.
These murder attacks don’t only occur on farms: many — mostly Afrikaner — families are also attacked in exactly the same way in the cities and suburbs, in an upsurge of armed violence targetting this ethnic-European-minority.
South Africa has about 3-million Afrikaners, descendants of Voortrekker Boers who first arrived there as indentured farmers to produce fresh crops for the Dutch East India Company ‘s ships to the Spice Islands — who stopped at the Cape of Good Hope to replenish their fresh food and water on these long voyages during the 17th century. The murdered Mr de Villiers’ rugged farmer-son Johnny – who often went horseback riding with his dad — burst into tears as he related to Afrikaans journalist Virginia Keppler of the Beeld daily how he had first ‘run up and down like a madman’ when he found his tied up dad lying just inside the front door in a blood-smeared hallway at 8am.

Remember the truth of lynching in the United States? [Lynchings in USA over an 86-year time-span vs. Homicides in Detroit over a 10-year time-span, SBPDL, 10-18-2013] Though Oprah Winfrey claimed “millions of black people were lynched,” it turns out only 3,446 blacks werelynched between 1882-1968:

From 1882-1968, 4,743 lynchings occurred in the United States.  Of these people that were lynched 3,446 were black.  The blacks lynchedaccounted for 72.7% of the people lynched. 
  Out of the 4,743 people lynched only 1,297 white people were lynched.  That is only 27.3%.  Many of the whites lynched were lynched for helping the black or being anti lynching and even for domestic crimes.
So, over a span 86 years, 3,446 black people were lynched (many were lynched for actual crimes, mind you); that’s roughly 40/lynchings per year.
If we are to take the numbers of Genocide Watch seriously, in 19 short years more than 4,000 white farmers in South Africa have been murdered by the new ruling elite there, those black residents who democratically elected Mandela. That’s 210 white farmers murdered/ per year by blacks in South Africa.  [Rural White South Africa: Afraid, and Armed, New York Times, 7-16-1998]:

Barely 15 minutes after Jeanne Pereira hit the panic button on her new radio system, she could see her neighbors’ banged-up trucks tearing down the roads to her avocado farm here. Before the dust had settled, two bedraggled black men had surrendered. Laborers on the farm had spotted them kneeling in the tall grass, surveying the main house from the orchard.

”The response was so quick, it was very nice,” said Mrs. Pereira, who is white. Within minutes of the capture, she had her maid handing out mugs of coffee to the farmers, who mingled casually in her yard, shotguns and automatic rifles on their shoulders. ”I was so nervous when my workers said they saw there were two boys out here with guns,” she said.

The white farmers here, like many elsewhere in the country, are numbering their farms on color-coded maps and setting up command posts in their basements where automatic weapons, helmets, gas masks and bulletproof vests are at the ready.

Attacks on the farmers have been mounting. In the last four years, nearly 500 have been killed. Since January there have been 371 attacks on farms resulting in 75 deaths. Some assaults have been particularly brutal. In May, for instance, a 60-year-old farmer recovering from a hip replacement operation was tortured and had his throat slit; he died as he sat in his wheelchair. The intruders then waited an hour for his 52-year-old wife to get home; they raped her and killed her, too.

The farmers may well be feeling the heat of a crime wave that has swept across this country. But many farmers believe that the attacks are more calculated — the work of black militants aiming at a group that remains among the most right-wing in the country. The gang that assaulted the 60-year-old farmer, Donald de la Field, took nothing but a revolver and left behind a note saying ”Kill the Boers,” a phrase that was popular during the struggle against apartheid.

In March, men who attacked a farm outside Pretoria told a mixed-race woman who tried to protect her white husband that they killed only whites, not Coloreds, the South African term for those of mixed race. In other incidents, the attackers reportedly claimed they were members of Umkhonto we Sizwe (Spear of the Nation), the armed wing of the African National Congress when it was fighting apartheid.

It’s not Genocide Watch’s reporting we should worry ourselves with; it’s that we are watching genocide take place in South Africa right now that we should worry ourselves with.

That’s Nelson Mandela’s legacy.

Worse: no one wants to know the reality of black on white crime in America, which would be blamed on the legacy of slavery and Jim Crow (as the murders of white South Africans is blamed on the legacy of Apartheid by media outlets like Reuters [Farm murders highlight apartheid’s toxic legacy in South Africa, Reuters.com, 11-28-2012])

http://stuffblackpeopledontlike.blogspot.com.br/2013/12/nelson-mandelas-legacy-210-white-famers.html

Posted by Stuff Black People Don’t Like at 10:20 AM

Mandela liberou o Aborto na África do Sul

07/12/2013

“A canonização de Nelson Mandela

Nelson Mandela foi declarado ‘Santo Subito’ nas redes sociais. Após a sua morte, multiplicaram-se os elogios ao ex-Presidente da África do Sul, muitos deles por parte de católicos.

Mandela foi considerado um herói depois de ter lutado durante décadas pelo fim do Apartheid. Esteve preso durante 24 anos e foi determinante na transição para a democracia, tendo dado um bom exemplo perdão e convivência pacífica com os brancos da África do Sul.

Em 1994 tornou-se Presidente da África do Sul, com 62% dos votos. Os primeiros tempos foram passados a tentar equilibrar um país com feridas recentes de discriminação racial e uma democracia em fase embrionária.

Apenas dois anos depois, em 1996, assinou a liberalização do aborto, através da “Choice on Termination of Pregnancy Act”. Esta foi considerada uma das leis mais liberais do mundo em relação ao aborto:

dead6

– Até às 12 semanas o aborto é feito a pedido, sem qualquer justificação necessária;
– Das 12 às 20 semanas não há praticamente nenhuma restrição, pois o aborto é possível por problemas mentais ou físicos da mulher ou ainda por problemas económicos;
– A partir das 20 semanas por motivos mais graves.

É evidente a monstruosidade desta lei, pela qual Nelson Mandela é directamente responsável. Segundo números oficiais, entre Agosto de 2012 e Julho de 2013 foram feitos 85302 abortos em hospitais públicos da África do Sul.

É no mínimo irónico que alguém que passou grande parte da sua vida a lutar contra a discriminação de pessoas consoante a sua cor de pele tenha assumido como seu o dever de discriminar pessoas apenas porque (ainda) estão dentro da barriga da mãe.

Escrevo este artigo politicamente incorrecto por dois motivos:

– Porque as vítimas inocentes desta lei criminosa de Mandela merecem que lhes seja feita justiça. Estamos a falar de centenas de milhares de seres humanos na fase mais frágil da vida (pela qual todos passámos) e que foram mortos por quem os devia proteger.

– Porque enquanto estão todos ocupados a canonizar Nelson Mandela ninguém está preocupado em rezar por ele. E neste momento precisa mais disso do que de elogios.”

João Silveira

WND-TV ‘NELSON MANDELA WAS A RADICAL MARXIST’ Renowned Christian minister: ‘He tried to destroy us, set his dogs on us’

07/12/2013

Published: 21 mins ago

See video:

http://www.wnd.com/2013/12/nelson-mandela-was-a-radical-marxist/

Nelson Mandela was a radical Marxist and a firm advocate of abortion, pornography, homosexuality and legalizing prostitution, according to a prominent Christian missionary who was summoned to the home of the South African president.

Rev. Peter Hammond, founder of Frontline Fellowship and Africa Christian Nation, has worked for nearly 30 years helping persecuted Christians in Africa. As a result of Hammond’s visit with Mandela – in which the missionary laid hands on the president and prayed for him to see abortion for what it really is, the merciless slaughter of innocent human life – Hammond was subjected to a 13-year audit of his organization.

Don’t mourn for Mandela: Joseph Farah says man ‘wasn’t the saintly character portrayed by Morgan Freeman’

In 2010, Frontline released a set of two videos titled, “My Meeting with Nelson Mandela,” in which Hammond reveals the true character of the anti-apartheid revolutionary and recalls his visit with him at his home.

“I’m astounded that so many in the West idolize Mandela and lift him up as a messianic figure because they obviously don’t know what he teaches, what he believes or what he does – or his support for some of the most radical Marxist dictatorships on the planet with some of the worst human-rights records, such as the governments of Red China and Cuba,” Hammond declared. “He has supported these dictators wholeheartedly and received them with the greatest honors.”

Hammond said there are many Christians who idolize Mandela because they’ve been given false information about who the man really was.

Read more at http://www.wnd.com/2013/12/nelson-mandela-was-a-radical-marxist/#8W7CXZSbBVr2orEj.99

Da série: passando raiva no politicamente correto

03/11/2013

The First Legal Slave Owner in What Would Become the United States was a Black Man

http://www.todayifoundout.com/index.php/2013/08/the-first-legal-slave-owner-in-what-would-become-the-united-states-was-a-black-man/

DAVEN HISKEY AUGUST 23, 2013 14

johnsonToday I found out the first legal slave owner, in what would eventually become the United States, was a black man.

The man was Anthony Johnson.  Johnson first came over to America as an indentured servant, arriving in 1620 in the Colony of Virginia.  He did not come over willingly, as many did, agreeing to become indentured servants in exchange for passage to the New World. Rather, Johnson was captured in Angola by neighboring tribesmen and eventually sold to a merchant who transported him to Virginia, where he was then sold to a tobacco farmer.

Despite this, Johnson was not technically a slave, as most think of it.  He was simply required to serve the farmer for a time in exchange for room and board.  However, like slaves, indentured servants could be sold or lent out to someone else, and, for the most part, they could be punished how those that owned their contracts saw fit.

One of the biggest differences between slaves and indentured servants was that once the indentured servant’s contract was up, depending on the agreement made with the person paying for transport, often the former servant would be given some small compensation for their services to help them get their start as free individuals.  This might include some amount of land, food (often a year’s worth), clothing, and tools.

During their time serving, indentured servants also typically learned some trade as they worked, which was significant for many who chose to make the journey to the Americas as indentured servants- often poor, uneducated individuals, lacking a trade, and in search of the promise of a better life.  Because of this, in the early days, most indentured servants in the British colonies in America were actually Irish, English, German, and Scottish, rather than African.

Johnson, of course, didn’t choose to come over. Nevertheless, once in America, he toiled away as a tobacco farmer for the duration of his contract.  During this time, he also met a woman (soon to be his wife) named simply “Mary”, who had been brought over to America about two years after Johnson, with her contract also being purchased by the same man who owned Johnson’s contract.

In 1635, after working on the tobacco farm for about 14 years, Johnson was granted his freedom and acquired land and the necessaries to start his own farm.  Sources are conflicting on whether he purchased the remaining years on his wife’s contract or whether she completed it, but in the end, the two, with their lives now their own, began working for themselves.

They soon prospered and took advantage of the “headright” system in place for encouraging more colonists, where if you paid to bring a new colonist over, whether purchasing them at the docks or arranging it before hand with someone, you’d be awarded 50 acres of land.  Similarly, those who paid their own passage would be given land under this system.

This leads us to 1654. One of Johnson’s servants, John Casor who was brought over from Africa, claimed he was under a “seaven or eight yeares” contract and that he’d completed it. Thus, he asked Johnson for his freedom.

Johnson didn’t see things this way, and denied the request. Despite this, according to Casor, Johnson eventually agreed to allow him to leave, with pressure supposedly coming from Johnson’s family who felt that Casor should be free.  Thus, Casor went to work for a man by the name of Robert Parker.

Either Johnson changed his mind or he never said Casor could go, because he soon filed a lawsuit against Parker claiming that Parker stole his servant, and that Casor was Johnson’s for life and was not an indentured servant.

Johnson ultimately won the case, and not only did he get his servant back, but Casor became Johnson’s slave for life as Johnson had said he was.  This officially made Johnson the first legal slave owner in the colonies that would eventually become the United States. (There were other slaves before this, just not ones that were legal in the British colonies under common law).

The judge’s decision on the matter was announced as follows:

This daye Anthony Johnson negro made his complaint to the court against Mr. Robert Parker and declared that hee deteyneth his servant John Casor negro under the pretence that said negro was a free man. The court seriously consideringe and maturely weighing the premisses, doe fynde that the saide Mr. Robert Parker most unjustly keepeth the said Negro from Anthony Johnson his master … It is therefore the Judgement of the Court and ordered That the said John Casor Negro forthwith returne unto the service of the said master Anthony Johnson, And that Mr. Robert Parker make payment of all charges in the suit.

About 7 years later, Virginia made this practice legal for everyone, in 1661, by making it state law for any free white, black, or Indian, to be able to own slaves, along with indentured servants, as they’d been able to have before.

While Johnson’s temporarily gain of being granted the services of one of his indentured servants for life no doubt had a positive affect on his thriving business, ultimately the gradual changing of attitudes in the colonies concerning slavery and race came back to hurt Johnson’s family, with slavery slowly becoming less about one’s original financial situation and more about where you or your ancestors were originally from.

When he died in 1670, rather than his thriving plantation going to his children, the court declared that “as a black man, Anthony Johnson was not a citizen of the colony” and awarded the estate to a white settler. Quite a contrast to the declaration in 1654 by the court that Johnson and his wife were “…inhabitants in Virginia (above thirty years) [and respected for] hard labor and known service.”

If you liked this article, you might also enjoy:

Bonus Facts:

  • While most of the land in Johnson’s estate was taken away, his children were allowed a small portion of Johnson’s former property to use to provide for themselves, but even that 40 acres was lost by Johnson’s grandson, John Jr., when he was unable to pay his taxes one year.
  • While Johnson is generally considered by most historians to be the first legal slave owner in what would become the United States, there was one person who preceded him in 1640 who owned a slave in all but name.  The virtual slave was John Punch, ordered to be an indentured servant for life, though by law was still considered an indentured servant with all the rights that went with that.  In Punch’s case, he was made a lifelong indentured servant owing to the fact that he tried to leave before his contract was up.  When he was captured and brought back, the judge in the matter decided a suitable punishment was to have Punch’s contract continue for the rest of his life.
  • What makes Punch’s case even more interesting (and unfair) is that when he ran away, he ran away with two white indentured servants who were also seeking to get out of their contract.  The punishment for the white indentured servants was not a lifetime of servitude, though.  Rather, they were given 30 lashes with a whip and a mere additional 4 years on their contracts.
  • The average price for bringing an indentured servant over to America in the 17th century was just £6.  Meaning that under the headright system, as long as you could afford to feed, clothe, and house them, you could acquire 50 acres of land for just over £1 per 10 acres.
  • The first Africans to be imported to the Americas were brought over in the 1560s, primarily in areas controlled by Spain.  The English colonies didn’t start importing Africans until much later, around 1619, just a couple years before Anthony Johnson was brought over. The first group to the British colonies were imported to Jamestown and comprised of 20 Africans who had been aboard a Spanish ship that was attacked by a Dutch vessel.  After the Dutch crew successfully took over the Spanish ship, they were left with 20 Africans who they took to Jamestown and declared were indentured servants, trading them for supplies.
  • In Virginia, in 1662, legislatures enacted a law stating that if you owned a slave, not only were they yours for life, but any children of a slave mother would also be a slave, regardless of whether the father was a slave or not.  Before this, the father’s status was typically what was used to determine the child’s status, regardless of race or the mother.
  • A further change of the laws came in 1670 when a law was passed forbidding those of African or Indian descent from owning any “Christian” slaves.  In this case, this did not necessarily mean literal Christian slaves; if you had a black or Indian slave who was a Christian, that was fine, as they were black or Indian, and thus “heathen”, regardless of what they said or believed or even if they were baptized.
  • A further hardening of the laws came in 1699. In an attempt to get rid of all the prominent free black people, Virginia enacted a law requiring all free black people to leave the colony, to further cement the majority of free people in the colonies as non-black, and allow the tyranny of the majority with respect to those of African descent to progress unhindered.  Many did not have the funds to actually leave, and some chose to ignore the decree, as relationships between whites and free blacks tended to be as you’d expect humans to act towards one another, namely somewhat friendly in many cases; this included some intermarrying, despite the fact that to some extent this was discouraged even then, primarily because Africans were considered “heathens”.  Obviously those either from Africa or of African descent who had married someone of European descent weren’t inclined to leave their spouses and homes. In fact, it’s estimated that about 80% of all those non-slaves of African descent in the United States between 1790 and 1810 were a product of this intermarrying in the Virginia colony.

Para padre progressista – Injustiça social é outra coisa

21/10/2013

Egypt: 3 Dead as Gunmen Fire on Coptic Christian Wedding

Three people die as gunmen on motorcycles open fire on a wedding party outside a Coptic Christian church in Cairo.
AAFont Size

By Elad Benari

First Publish: 10/21/2013, 3:45 AM

 

Sectarian clashes outside the Egyptian Coptic Cathedral in Cairo’s Abbassiya neighborhood
AFP photo

 

Three people, including a girl aged eight, died when gunmen on motorcycles opened fire on awedding party outside a Coptic Christian church in Cairo on Sunday.

At least nine others were wounded in the attack in the Giza neighborhood of the city,officials said, according to theBBC.

There was no immediate claim of responsibility. The unidentified attackers fired indiscriminately as people left the church. A man and a girl were killed outside the church and a woman died on her way to hospital.

Coptic priest Thomas Daoud Ibrahim told Reuters he was inside the church when the gunfire erupted.

Another priest, Beshay Lotfi, told Egyptian media that the church had been left without a police guard since the end of June.

Egypt’s Coptic Christian community makes up around 10% of the country’s  90 million-strong population.

Copts are indigenous to Egypt, their presence predating the Arabconquests of northern Africa. Egyptian Copts have long complained of widespread discrimination, persecution and violence by both the Egyptian state and Islamist non-state actors.

Anti-Christian violence has seriously escalated in the aftermath of the removal of Islamist Egyptian president Mohammed Morsi, whose supporters have been accused of scapegoating the Coptic community, after its leader, Pope Tawadros II, came out in support of the move by the army to oust Morsi.

A number of Christians have been murdered, and scores of churches and Christian-owned houses and businesses have been torched, ransacked and vandalized in the weeks since Morsi’s removal.

O que seu professor comunista não conta pra você – A ex mais produtiva agricultura da África destruída pelo racismo anti-branco

31/08/2013

30/08/2013

Zimbábue e sua política racista confisca terras dos Brancos

  O presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, de 87 anos, anunciou em 10/12/2013 que vai confiscar todas as terras em posse de fazendeiros brancos no país e distribuí-las a zimbabuanos negros. 

Num comunicado distribuído aos membros de seu partido, o Zanu-PF, Mugabe, que está no poder desde 1980 e já anunciou a vontade de continuar no cargo nas próximas eleições, disse que terminará o polêmico processo de reforma agrária iniciado em 2000, devolvendo as terras para “seus verdadeiros proprietários”, de acordo com o jornal oficial The Herald.

 Robert Mugabe, afirma que reforma agrária apenas devolve as terras a ‘seus verdadeiros donos”, imagine se Europeus expulsasse os negros, árabes e judeus da Europa, alegando apenas querer devolver para seus verdadeiros donos as terras e riquezas dali conquistadas, o que aconteceria?…

Atualmente, existem pouco menos de 200 propriedades rurais em posse de brancos no Zimbábue. Desde 2000, mais de 4 mil fazendeiros perderam suas terras e tiveram que deixar o país. Foi a partir daí que se intensificou uma grave crise econômica e humanitária, com hiperinflação em desemprego em massa. Ex-colônia britânica, o Zimbábue tem uma das maiores taxas de infecção pelo vírus do HIV no mundo. Desde 2009, após eleições permeadas por acusações de fraude, Mugabe se viu forçado a governar junto a seu rival político, Morgan Tsvangirai, líder do Movimento para a Mudança Democrática, uma coalizão que promoveu certa estabilidade econômica ao Zimbábue a década de crise financeira.   

A proposta foi imediatamente repudiada pela União de Fazendeiros Comerciais (CFU, na sigla em inglês), liderada por proprietários de terra brancos. “Estão dizendo que, se você é branco, não é bem-vindo? Porque, se é assim, deveriam dizê-lo claramente”, disse o presidente da CFU, Charles Taffs, em entrevista por telefone à Agência Efe. ‘É um complô direto do Zanu-PF para minar a recuperação do Zimbábue’. Taffs destacou que o país enfrenta um dos piores déficits de milho dos últimos 100 anos.

Alerta de revanchismo que se aproxima

11/05/2013

ALERTA: Está em moda na França e chegará ao Brasil em breve: Indenizar a África pela escravidão. Já tem reação lá: Vamos organizar nossa reação aqui.

PoliticFRANCE ‏@PoliticFRANCE 5 min NÃO SE PODE ESQUECER AQUELES MILHÕES DE BRANCOS REDUZIDOS à ESCRAVIDÃO NA AFRICA e OUTROS LUGARES.
Il ne faut pas oublier ces millions de blancs qui ont été réduits en esclavage en Afrique et ailleurs

Prayer Alert

10/03/2013

Egyptian military officials reported that an Islamic group operating in the Sinai test-fired a missile with a range of approximately 28 miles.

Since the fall of former Egyptian President Hosni Mubarak, there has been an uptick in terrorist activity in the area.