SITE REACIONÁRIO ACERTA O ALVO

Gleisi Hoffmann deve ser enquadrada na Lei de Segurança Nacional por incitar violência e terrorismo

A senadora petista Gleisi Hoffmann repetiu o rugido do petismo ameaçando a ordem pública. Afirmou que a Justiça brasileira terá que “matar gente” para prender Lula (se é que ele será preso). Mais tarde a petista tentou suavizar, mas todos nós sabemos o que ela quis dizer.

Todos sabemos o que Gleisi quis dizer, todos captamos as mensagens enviadas pela intelligentsia da organização criminosa conhecida oficialmente como Partido dos Trabalhadores para suas franjas. A frase de Gleisi vai ao encontro do que já foi dito por outros petistas, como o mantra de que “Eleição sem Lula é Fraude” e o chamado a revolução feito por veículos como Brasil 247, para quem o tempo do diálogo acabou.
zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz forca

Esta linha retórica é bem conhecida dos que acompanham o futebol nacional. Quando grupos de interesse demandam mudanças na estrutura do clube, nas táticas adotadas ou mesmo quando técnicos e seus times começam a apresentar resultados negativos, o tom sobe. “O Amor Acabou” e “Ou joga pelo amor ou joga pela dor” são as ameaças mais frequentes.

O problema principal é que o rugido e ameaça a ordem por parte de torcidas organizadas já é por si algo inaceitável e que deveria ser tratado com mais seriedade por parte das autoridades. Se não é aceito no esporte, por que diabos deveria ser tolerado algo semelhante na política? Como é possível que Gleisi Hoffmann incite a violência e ameace fazer um país de refém para coagir um colegiado a eventualmente ignorar todas as evidências contra Lula?
O que Gleisi fez e que o PT ainda faz é banditismo, chantagem, ameaça a ordem pública. A organização criminosa resolve clamar por cadáveres. É como o Primeiro Comando da Capital fez com São Paulo naquele fatídico ano de 2006. Gleisi quer deixar a sociedade de joelhos. Isso é crime.
O que surpreende nesta história é a omissão do Ministério Público Federal, aquela classe que volta e meia sai das sombras para tentar golpear a divisão dos três poderes e governar o Brasil sem eleições. Para que serve o MPF, apenas para usurpar poderes e se beneficiar com supersalários e privilégios aristocráticos?
Vamos ver o que diz a Lei de Segurança Nacional:

CAPÍTULO I
Da Aplicação da Lei de Segurança Nacional

Art. 1º Tôda pessoa natural ou jurídica é responsável pela segurança nacional, nos limites definidos em lei.
Art. 2º A segurança nacional a garantia da consecução dos objetivos nacionais contra antagonismos, tanto internos como externos.
Art. 3º A segurança nacional compreende, essencialmente, medidas destinadas à preservação da segurança externa e interna, inclusive a prevenção e repressão da guerra psicológica adversa e da guerra revolucionária ou subversiva.
§ 1º A segurança interna, integrada na segurança nacional, diz respeito às ameaças ou pressões antagônicas, de qualquer origem, fôrma ou natureza, que se manifestem ou produzam efeito no país.
§ 2º A guerra psicológica adversa é o emprêgo da propaganda, da contra-propaganda e de ações nos campos político, econômico, psicossocial e militar, com a finalidade de influenciar ou provocar opiniões, emoções, atitudes e comportamentos de grupos estrangeiros, inimigos, neutros ou amigos, contra a consecução dos objetivos nacionais.
§ 3º A guerra revolucionária é o conflito interno, geralmente inspirado em uma ideologia, ou auxiliado do exterior, que visa à conquista subversiva do poder pelo contrôle progressivo da Nação.
Art. 4º Êste Decreto-lei se aplica, sem prejuízo de convenções, tratados e regras, de direito internacional, aos crimes cometidos, no todo ou em parte, em território nacional, ou que nêle, embora parcialmente, produziram ou deviam produzir seu resultado.
Art. 5º Ficam sujeitos ao presente decreto-lei, embora cometidos no estrangeiro os crimes que, mesmo parcialmente, produziram ou deviam produzir seu resultado no território nacional.
Art. 6º Aplica-se êste Decreto-lei ao crime cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil, ressalvadas as disposições de convenções, tratados e regras de direito internacional.
Art. 7º Na aplicação dêste decreto-lei o juiz, ou Tribunal, levará inspirar-se nos conceitos básicos da segurança nacional definidos nos artigos anteriores.

Agora as penas:

    Art. 16. Divulgar, por qualquer meio de comunicação social, notícia falsa, tendenciosa ou fato verdadeiro truncado ou deturpado, de modo a indispor ou tentar indispor o povo com as autoridades constituídas:
Pena: detenção, de 6 meses a 2 anos.
§ 1º Se a divulgação provocar perturbação da ordem pública ou expuser a perigo o bom nome, a autoridade, o crédito ou o prestígio do Brasil:
Pena: detenção, de 2 a 5 anos.

[…]Art. 23. Tentar subverter a ordem ou estrutura político-social vigente no Brasil, com o fim de estabelecer ditadura de classe, de partido político, de grupo ou indivíduo:
Pena: reclusão, de 8 a 20 anos.
Art. 24. Promover insurreição armada ou tentar mudar, por meio violento, a Constituição, no todo ou em parte, ou a forma de govêrno por ela adotada:
Pena: reclusão, de 12 a 30 anos.
[…]Art. 26. Impedir ou tentar impedir, por meio de violência ou ameaça de violência, o livre exercício de qualquer dos Poderes da União ou dos Estados:
Pena: reclusão, de 4 a 10 anos.

São estas as previsões. Sabemos que Gleisi e outros lacaios da seita lulopetista desprezam a democracia, o Estado democrático de Direito e os Direitos Humanos.
Mas o Brasil é maior que esta quadrilha, e o Estado não pode permitir que grupos organizados preguem o banditismo, terrorismo e levante financiados com o erário público. Que se cumpra a lei.
Anúncios

%d blogueiros gostam disto: