FILME SOBRE O HORROR COMUNISTA NO CAMBODJA QUE SEU PROFESSOR NÃO QUER QUE VOCÊ ASSISTA

“””””””””””””””””””””””””””Filme novo com uma história terrível baseada em fatos reais que foram escritos em um livro por essa menina (a da vida real) que sobreviveu aos horrores da ditadura socialista do Camboja que ocorreu nos anos 70.

É sempre do mesmo jeito: fim da propriedade privada, fim da liberdade de ir e vir, ninguém mais entra nem sai do país, coerção, comida mínima e racionada que vai ficando cada vez mais escassa, comer muitos insetos, cobras, qualquer bicho que tiver que logo vão ficando escassos também até chegar ao ponto do canibalismo onde uns vão comendo os outros.

Mortes brutais contra quem se opõe ao regime e morte a muitos que não se opõem também… qualquer semelhança com países de tempos atrás como Armênia, Romênia, China, URSS ou os países em que ocorre hoje como Coréia do Norte, Cuba e Venezuela NÃO é mera coincidência. Comunas não prestam e acabou!

Quando mais eu aprendo mais eu odeio esses desgraçados. Que ódio que me deu do que vi. O título já diz tudo como começou e depois só vai piorando…………………………………………….

—-

 quarta-feira, 20 de setembro de 2017

 

“””Primeiro eles mataram meu pai: lembranças de uma filha do Camboja

“First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers”, de Angelina Jolie (2017) Drama épico baseado no best seller biográfico escrito pela ativista cambojana Loung Ung.

Lançado pelo Netflix, o filme obteve grande sucesso no Festival de Telluride, onde foi exibido em 2017, e foi oficializado como o representante do Camboja para disputar o Oscar de filme estrangeiro.
Em 1975, no Camboja, o governo americano saiu do País.
O Exército do Khmer vermelho invadiu a capital Phnom Penh, e obrigou a toda a população a entregar seus pertences e a trabalhar como escravos em campos chamados de “The killing fields”. No total, o Khmer, sob as ordens do General Pol Pot, dizimou 1/4 da população.
Entre as famílias massacradas, está a de Loung Ung.
Com 5 anos de idade, o filme acontece todo sob o seu ponto de vista. Pequena, ela procura entender toda aquela violência que acontece em seu entorno. Loung acaba sendo convocada pelo exercito a fazer treinamento de guerra e a empunhar armas, até fugir no ano de 1980.
Atualmente, ela está casada e mora em Cleveland, Ohio, e trabalha no mundo inteiro como ativista contra o desarmamento. Em certos aspectos, o filme lembra ” A feiticeira da guerra” e “Beasts of no nation”, que também apresentam o ponto de vista de uma guerra sangrenta pelo ponto de vista de uma criança.
5o filme dirigido por Angelina Jolie, é impressionante como ela vai ficando cada vez mais sofisticada como cineasta.
Ela cercou-se dos melhores profissionais, entre eles, o fotógrafo de Danny Boyle, Anthony Dod Mantle, que trouxe a sua fotografia hiper saturada para dar vida a um espetáculo sangrento e brutal.
O filme é longo, tem 2:20 horas, mas deixa o espectador angustiado com tamanha crueldade. Angelina tem esse caráter humanista em seus filmes, de querer apresentar o terror de um povo sofrido `a merce de um governo autoritário. Torço para que ela ganhe muitos prêmios.

O elenco é um caso `a parte: todo o núcleo da família de Loung Ung é brilhante. Sem exagera no drama, dão vida a personagens sempre com um fio na navalha encostado.

A pequena Sareum Srey Moch é um grande achado e um talento nato: pequena, ela demonstra uma forca no olhar descomunal.

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: