Lava-Jato na UTI – Se povo não sair às ruas, Lava-Jato morre

veja-lava-jato

A AGONIA DO CRISTIANISMO

Explica o próprio Miguel de Unamuno, no prólogo:

“Este livro foi escrito em Paris, estando eu emigrado, refugiado ali, em fins de 1924, durante a ditadura pretoriana e cesariana espanhola, e sob singulares condições de ânimo, presa de uma verdadeira febre espiritual e de um pesadelo de expectação, condições que tratei de narrar em meu livro Como se faz uma novela.”

A obra foi concebida originariamente em francês, tendo sido publicada na Espanha somente em 1930.

“A Agonia do Cristianismo” é um ensaio filosófico no qual Miguel de Unamuno reafirma seu cristianismo muito pessoal e medita sobre questões como a virilidade, a agonia e a individualidade.

Afirma o autor:

“Todo cristão, para mostrar seu cristianismo, sua agonia pelo cristianismo, deve dizer de si mesmo ‘ecce christianus’, como Pilatos disse: “Eis o homem!”. Deve mostrar sua alma cristã, sua alma de cristão, o que em sua luta, em sua agonia do cristianismo se fez. A finalidade da vida é fazer-se uma alma, uma alma imortal. Uma alma que é a própria obra. Porque, ao morrer, deixa-se um esqueleto à terra e uma alma, uma obra à história.”

O livro “A Agonia do Cristianismo” está ausente das prateleiras brasileiras há décadas.

Miguel de Unamuno (1864-1936) foi um escritor e filósofo espanhol. Escreveu poesia, romances, ensaios, novelas e dramaturgia. É um dos expoentes da chamada Geração de 98 da literatura espanhola.

Estudou Filosofia e Letras na Universidade de Madri, concluindo o bacharelado em 1883.

Entre as suas obras mais famosas, encontram-se “Névoa”, “Do sentimento trágico da vida” e “Como escrever um romance”

A edição brasileira de “A Agonia do Cristianismo”, de Miguel de Unamuno, será impressa no formato brochura, tamanho 14 x 21 cm e contará com aproximadamente 140 páginas. A tradução da obra foi feita por Alexandre Müller Ribeiro.

A publicação inaugura a coleção “Cultura Espanhola”, que trará ao leitor brasileiro obras de autores importantes como José Ortega y Gasset, Pio Baroja, entre outros.

A previsão de entrega da edição é maio de 2017.

A Danúbio é uma editora estabelecida em 2013 cuja missão é participar do resgate da alta cultura no Brasil.

Sete títulos já foram publicados, todos por meio de financiamento coletivo privado, e podem ser adquiridos neste mesmo sítio.

A editora não usa, não usou e jamais aceitará usar um centavo sequer de dinheiro público.-

Anúncios

Tags: ,


%d blogueiros gostam disto: